Uma Noite Real / A Royal Night Out

Nota: ★★½☆

A Royal Night Out, no Brasil Uma Noite Real e também A Noite da Realeza, de 2015, é uma grande brincadeira. Não é um grande filme – mas é engraçado, divertido, e inova neste que é quase um subgênero, o dos Filmes Sobre a Família Real Britânica: não pretende contar uma história verdadeira, reproduzir fatos históricos. Continue lendo “Uma Noite Real / A Royal Night Out”

Secret City: Under the Eagle

Nota: ★★★½

Na primeira temporada, de 2016, Secret City, além de ser um ótimo entretenimento, uma série inteligente, bem realizada em todos os quesitos, defende uma tese séria: a de que a Austrália – o país em que ela foi feita, em que se passa a ação – não deveria ter alinhamento automático com os Estados Unidos. Continue lendo “Secret City: Under the Eagle”

Secret City

Nota: ★★★½

Pobre Austrália, país tão rico, tão grande, tão belo, tão aliado dos Estados Unidos – e no entanto tão perto da China. Creio que essa poderia ser o resumo da moral da história de Secret City, ótima série australiana de 2016 sobre política, relações internacionais, espionagem e jornalismo. Continue lendo “Secret City”

Como Fera Encurralada / Classe Tous Risques

Nota: ★★★☆

Claude Sautet foi um realizador de poucos filmes. Foram 16, no total, ao longo de 44 anos, entre 1951 e 1995 – e mesmo assim contando com um curta-metragem, Nous n’irons plus au bois (1950), e um em que seu nome não aparece como diretor, A Fera Está Solta/Le Fauve est Lâché (1959). Ele era o assistente do diretor, Maurice Labro, que morreu durante as filmagens, e concluiu o trabalho. Continue lendo “Como Fera Encurralada / Classe Tous Risques”

O Orgulho / Le Brio

Nota: ★★★★

O Orgulho, no original Le Brio (2017) é antes de tudo, para começo de conversa, um ato de coragem. Para seu quinto longa-metragem como diretor, Yvan Attal – ator consagrado, experiente – escolheu temas difíceis, polêmicos demais: o racismo na França de hoje e o politicamente correto, o dever, a obrigação de ser politicamente correto no ambiente universitário. Continue lendo “O Orgulho / Le Brio”

Monika e o Desejo / Sommaren med Monika

Nota: ★★★☆

Uma das características de Monika e o Desejo que mais me impressionaram ao vê-lo agora, 65 anos após seu lançamento, é como o filme demonstra clara influência do neo-realismo italiano – e como parece óbvio que ele iria influenciar a nouvelle vague francesa que surgiria daí a poucos anos.  Continue lendo “Monika e o Desejo / Sommaren med Monika”

Juventudes Roubadas / Testament of Youth

Nota: ★★★☆

O começo do filme é espetacular, um brilho, uma maestria. A primeira imagem que vemos é o rosto de uma jovem e bela mulher, em close-up, ocupando a tela inteira – Alicia Vikander, essa atriz fantástica, que já surgiu com o brilho de uma supernova. A câmara se distancia um pouco do rosto dela, e vemos que ela está na rua, no meio de uma multidão em festa. Continue lendo “Juventudes Roubadas / Testament of Youth”

Soberba / The Magnificent Ambersons

Nota: ★★★★

É possível que The Magnificent Ambersons, no Brasil Soberba, de 1942, tivesse sido um filme genial, uma obra-prima, dos mais belos filmes da História. Não dá para se saber: o filme foi picotado, reeditado, sem a presença e a autorização de seu realizador, Orson Welles. Acrescentaram coisas que o diretor não fez, criariam até uma espécie de happy ending. Continue lendo “Soberba / The Magnificent Ambersons”