Unwed Woman

Nota: ★★½☆

(Disponível no YouTube em 1/2024.)

Produção simples, de orçamento bem pequeno e diretor nada marcante, Walter A. Doniger, sem astros e estrelas, um típico filme B, obscuro, pouquíssimo falado, Unwed Mother, de 1958, mereceu do crítico Leonard Maltin a cotação de 1.5 estrelas em 4 e uma única, massacrante frase: “O título diz tudo neste programa não sensacional”. Continue lendo “Unwed Woman”

Caso de Polícia / The Good Cop

Nota: ★★★½

(Disponível na Netflix em 7/2024.)

Os dois atores principais são Tony Danza e Josh Groban, e a figura feminina que encanta os olhos, a mocinha da história, é Monica Barbaro. Os dez episódios da série, lançada em 2018, foram dirigidos por sete diferentes profissionais – Randy Zisk, Kevin Hooks, Rebecca Asher, Neema Barnette, Alex Hardcastle, Silver Tree, Rodrigo García – e, deles, eu só conhecia este último, um ótimo realizador. Continue lendo “Caso de Polícia / The Good Cop”

Por Causa de uma Mulher / Whistle Stop

(Disponível no YouTube em 1/2024.)

O título original, Whistle Stop, literalmente parada de apito, é uma expressão americana. Significa uma cidade pequena em que os trens só param se houver um pedido, segundo o Dictionary of English Language and Culture. Uma cidade pequena em que na maioria das vezes os trens passam apitando, mas não param, porque o movimento é pequeno. Continue lendo “Por Causa de uma Mulher / Whistle Stop”

Meu Único Amor / The Man I Love

Nota: ★★½☆

(Disponível no Dwan & Walsh Filmes do YouTube em 12/2023.)

A característica mais interessante de The Man I Love, no Brasil Meu Único Amor, produção da Warner Bros de 1946 dirigida pelo respeitado, cultuado Raoul Walsh, que o torna diferente da imensa maioria dos filmes de sua época, talvez de todas as épocas, são as ausências. Não há bandidos, tiros, perseguições de carro; não há milionários, grandes celebridades; não há gigantescas tragédias, eventos fenomenais. Os personagens são gente como a gente, suas vidas são como as nossas. Continue lendo “Meu Único Amor / The Man I Love”

A Senda do Temor / The Chase

Nota: ★★★☆

(Disponível no YouTube em 12/2023.)

É bem interessante este The Chase, de 1946, lançado no Brasil como A Senda do Temor e hoje disponível no YouTube em uma versão colorizada com o título que recebeu em Portugal, Sós Contra o Mundo. Deve seguramente ser ainda melhor na versão original em preto-e-branco, porque é um autêntico filme noir. Continue lendo “A Senda do Temor / The Chase”

O Poder do Ódio / Slightly Scarlet

Nota: ★☆☆☆

(Disponível no YouTube em 12/2023.)

O diretor Allan Dwan é um nome de respeito. O roteiro se baseia em um livro do grande James M. Cain, autor dos romances que deram origem a dois dos maiores clássicos do cinema noir, Pacto de Sangue (1944) e O Destino Bate à Porta, com duas das mais perfeitas femmes fatales do cinema, interpretadas por grandes estrelas, Barbara Stanwyck e Lana Turner. Continue lendo “O Poder do Ódio / Slightly Scarlet”

O Salário do Pecado / The Naked Street

Nota: ★★★☆

(Disponível no YouTube.)

Não é uma bela sociedade, um belo país com instituições respeitáveis o que é mostrado em The Naked Street, no Brasil O Salário do Pecado, uma produção da United Artists de 1955 hoje um tanto – ou bastante – obscura. Muito, muitíssimo ao contrário. É uma realidade de deixar com muita vergonha os americanos que acham que o American Way of Life e os United States of America são a melhor coisa do mundo. Continue lendo “O Salário do Pecado / The Naked Street”

O Que Terá Acontecido a Baby Jane? / What Ever Happened to Baby Jane?

Nota: ★★★☆

(Disponível no Max e no YouTube  em 6/2024.)

O Que Terá Acontecido a Baby Jane?, que Robert Aldrich produziu e dirigiu em 1962, é uma daquelas obras-primas que parecem imunes à passagem do tempo. Estrelado por Bette Davis e Joan Crawford – duas das melhores, mais carismáticas, marcantes, importantes atrizes dos anos 1930, terríveis rivais na vida real – interpretando irmãs que são exatamente atrizes rivais daquela década, o filme não pára de inspirar novas produções. Continue lendo “O Que Terá Acontecido a Baby Jane? / What Ever Happened to Baby Jane?”

Resistência / Resistance

Nota: ★★½☆

(Disponível na Netflix em 10/2023.)

Resistência conta parte da vida de Marcel Marceau, o artista amplamente reconhecido como o melhor mímico do mundo – a época da Segunda Guerra Mundial, em que ele e um grupo de companheiros salvaram centenas de vidas de crianças judias. Continue lendo “Resistência / Resistance”

O Netinho do Papai / Father’s Little Dividend

(Disponível no YouTube em 12/2023.)

O Netinho do Papai, que o grande Vincente Minnelli lançou em 1951, tem um sério defeito – e não é o título escolhido pelos exibidores brasileiros, que sem dúvida parece bem bobinho, mas até tem o seu sentido. É o fato de que Minnelli, à época das filmagens já enfiado na pré-produção de um filme que exigia dele todas as atenções, simplesmente An American in Paris, no Brasil Sinfonia de Paris, um dos mais belos musicais da História, não teve o cuidado, a atenção de fazer sequer um close-up da atriz que faz a mãe do netinho, a filha do papai a que se refere o título. Continue lendo “O Netinho do Papai / Father’s Little Dividend”

Irresistível / Irresistible

Nota: ★★★½

(Disponível no Prime Video em 9/2023.)

Irresistível/Irresistible, produção do cinema independente norte- americano de 2020, escrito e dirigido por Jon Stewart, é engraçadíssimo, hilariante. Mas, ao fim, deixa um gosto bem amargo na garganta do espectador, em especial do espectador que preza a democracia, as liberdades básicas, o respeito aos direitos fundamentais. Continue lendo “Irresistível / Irresistible”

A Dama de Preto / Park Row

Nota: ★★½☆

(Disponível no Dwan & Walsh Filmes do YouTube, em 12/2023.)

O cinema americano tem longa tradição de obras sobre a imprensa, de Cidadão Kane a Todos os Homens do Presidente, passando por O Homem Que Matou o Facínora, para citar só três imensos clássicos. Mas não há elogio aos jornais, aos jornalistas e ao jornalismo maior, mais derramado, mais apaixonado, mais arrebatado, mais exagerado do que Park Row, no Brasil A Dama de Preto, que Samuel Fuller escreveu, produziu (com dinheiro do próprio bolso) e dirigiu em 1952. Continue lendo “A Dama de Preto / Park Row”