Unwed Woman

Nota: ★★½☆

(Disponível no YouTube em 1/2024.)

Produção simples, de orçamento bem pequeno e diretor nada marcante, Walter A. Doniger, sem astros e estrelas, um típico filme B, obscuro, pouquíssimo falado, Unwed Mother, de 1958, mereceu do crítico Leonard Maltin a cotação de 1.5 estrelas em 4 e uma única, massacrante frase: “O título diz tudo neste programa não sensacional”. Continue lendo “Unwed Woman”

Por Causa de uma Mulher / Whistle Stop

(Disponível no YouTube em 1/2024.)

O título original, Whistle Stop, literalmente parada de apito, é uma expressão americana. Significa uma cidade pequena em que os trens só param se houver um pedido, segundo o Dictionary of English Language and Culture. Uma cidade pequena em que na maioria das vezes os trens passam apitando, mas não param, porque o movimento é pequeno. Continue lendo “Por Causa de uma Mulher / Whistle Stop”

Meu Único Amor / The Man I Love

Nota: ★★½☆

(Disponível no Dwan & Walsh Filmes do YouTube em 12/2023.)

A característica mais interessante de The Man I Love, no Brasil Meu Único Amor, produção da Warner Bros de 1946 dirigida pelo respeitado, cultuado Raoul Walsh, que o torna diferente da imensa maioria dos filmes de sua época, talvez de todas as épocas, são as ausências. Não há bandidos, tiros, perseguições de carro; não há milionários, grandes celebridades; não há gigantescas tragédias, eventos fenomenais. Os personagens são gente como a gente, suas vidas são como as nossas. Continue lendo “Meu Único Amor / The Man I Love”

Histórias Incomuns / Ajeeb Daastaans

Nota: ★★★☆

(Disponível na Netflix em 11/2023.)

Histórias Incomuns, produção indiana de 2021, caprichadíssima, muitíssimo bem realizada em todos os quesitos, é formada por quatro episódios completamente, absolutamente independentes. Cada um tem seu diretor e seu(s) roteirista(s), seu elenco, sua história. Continue lendo “Histórias Incomuns / Ajeeb Daastaans”

1976

Nota: ★★★½

(Disponível na Netflix em 11/2023.)

1976 fala da sangrenta, assassina ditadura de direita implantada no Chile em 1973 da maneira menos tonitruante, berrante, escandalosa possível. A diretora Manuela Martelli, também co-autora da história e do roteiro, escolheu o tom menor; privilegiou o subentendido, o implícito. Fugiu das obviedades, das explicitudes, como o diabo da cruz, as ditaduras dos direitos das pessoas. Continue lendo “1976”

O Sol Por Testemunha / Plein Soleil


Nota: ★★☆☆

Plein Soleil, no Brasil O Sol Por Testemunha, que René Clément lançou em 1960, é um daqueles filmes que marcam gerações inteiras. Com algum exagero (mas não muito), daria para dizer que não há cinéfilo nascido, digamos, entre 1945 e 1960, que não tenha se extasiado com o filme. Continue lendo “O Sol Por Testemunha / Plein Soleil”

S. Bernardo

Nota: ★★★★

(Disponível na GloboPlay em 12/2023.)

Ao adaptar para o cinema o romance lançado por Graciliano Ramos em 1933, o cineasta Leon Hirszman optou por levar para o espectador, ipsis litteris, tintim por tintim, uma grande quantidade das frases ditas em S. Bernardo pelo seu trágico narrador, esse impressionante Paulo Honório, caboclo bronco que passou de explorado a explorador no interior de Alagoas.  Continue lendo “S. Bernardo”

Ladrões de Bicicleta / Ladri di Biciclette

Nota: ★★★★

(Disponível no Amazon Prime Video e Belas Artes à La Carte.)

É impossível a gente não ficar pensando, ao revê-lo, sobre o que faz Ladrões de Bicicleta – este filme quase unanimemente incensado como uma das maiores obras-primas da História – se manter tão fresco, vívido, límpido, tocante, emocionante, depois de mais de 70 anos. Continue lendo “Ladrões de Bicicleta / Ladri di Biciclette”

Descanse em Paz / Descansar en Paz

Nota: ★★★☆

(Disponível na Netflix em 4/2024.)

Angustiante. Terrível, horrorosa, apavorantemente angustiante. Descanse em Paz (2024) é mais um bom filme do diretor argentino Sebastián Borensztein, que já nos deu os preciosos Um Conto Chinês (2011), Kóblic (2016) e A Odisséia dos Tontos (2019). Continue lendo “Descanse em Paz / Descansar en Paz”

Clube Havana / Club Havana

Nota: ★★½☆

(Disponível no YouTube em 11/2023.)

Club Havana, de 1945, é um típico filme B – de orçamento baixo, sem atores famosos e de curta duração –, categoria que Hollywood produziu às pencas nos anos 1930 e 1940, e foi dirigido por um talentoso especialista no assunto, Edgar G. Ulmer. A idéia básica é muito interessante: ao longo de uma noite, em um único ambiente, um grande nightclub de estilo latino, o espectador fica conhecendo mais de uma dúzia de pessoas – frequentadores e funcionários -, ao mesmo tempo em que assiste a vários números musicais. Continue lendo “Clube Havana / Club Havana”

O Tempo Que Te Dou / El Tiempo Que Te Doy

Nota: ★★★☆

(Disponível na Netflix em 8/2023.)

Moça encontra rapaz, apaixonam-se, passam a morar juntos, são muito felizes por um tempo, surgem problemas, a relação se desgasta, vem a separação, a moça sofre, come o pão que o diabo amassou, mas depois – fazer o quê, né? – começa a se refazer. Continue lendo “O Tempo Que Te Dou / El Tiempo Que Te Doy”

Romance na Itália / Viaggio in Italia

Nota: ★★★½

(Disponível no YouTube em 10/2023.)

Há alguns pontos sobre Viaggio in Italia, de 1954 – o quarto dos seis filmes de Roberto Rossellini com Ingrid Bergman, então sua mulher – que são absolutamente fascinantes, na minha opinião. O primeiro deles é que, embora realizado por um dos criadores do neo-realismo, Viaggio in Italia não é um filme neo-realista. Continue lendo “Romance na Itália / Viaggio in Italia”

O Mundo é Culpado / Outrage

Nota: ★★★☆

(Disponível no YouTube em 9/2023.)

O estupro é um dos crimes mais hediondos que pode haver, ao lado apenas do abuso sexual de criança ou dos seguidos espancamentos da esposa pelo marido. Mas claro que não é o caso de fazer uma métrica de qual é o crime mais hediondo que a humanidade foi capaz de inventar. A verdade é esta: o estupro é um dos crimes mais hediondos que pode haver – e é, muito provavelmente, o único que faz a vítima se envergonhar de ter sido vítima. Continue lendo “O Mundo é Culpado / Outrage”