A Jornalista / Shinbun Kisha

Nota: ★★★½

(Disponível na Netflix em 2/2022.)

A Jornalista, minissérie japonesa de 2022, é extraordinária, uma beleza, uma maravilha. Tem diversas qualidades. Infelizmente, porém, não dá para fugir da verdade: para nós, brasileiros, o ponto mais impressionante de todos é a diferença absurda, gigantesca, amazônica, jupeteriana, que a série demonstra que existe entre o Brasil e o Japão, os brasileiros e os japoneses. Continue lendo “A Jornalista / Shinbun Kisha”

The Butterfly’s Dream / Kelebegin Rüyasi

Nota: ★★★☆

(Disponível na Netflix em 5/2021.)

Como é possível não gostar de um filme que é dedicado a todos os poetas esquecidos?

Kelebegin Rüyasi, ou sonho da borboleta, produção turca de 2013 exibida na Netflix com o título em inglês, The Butterfly’s Dream, se baseia na vida real de dois poetas que passaram por este planeta como cometas. Continue lendo “The Butterfly’s Dream / Kelebegin Rüyasi”

Um Rapaz Adequado / A Suitable Boy

Nota: ★★★☆

Um Rapaz Adequado/A Suitable Boy, minissérie de seis episódios de cerca de 60 minutos cada, foi uma das mais caras produções da BBC em todos os tempos: consta que custou £16 milhões, equivalente a cerca de US$ 22,2 milhões. A direção de cinco dos seis episódios é da grande Mira Nair, cineasta experiente, respeitada, que trafega com facilidade entre os cinemas indiano, americano e inglês. Continue lendo “Um Rapaz Adequado / A Suitable Boy”

Rapsódia em Agosto / Hachi-gatsu no Rapusodi

Nota: ★★★★

Em agosto de 1945, quando os americanos jogaram uma bomba atômica sobre Hiroshima e logo em seguida uma outra sobre Nagasaki, Akira Kurosawa estava com 35 anos. Foi um ano importante em sua vida pessoal: em fevereiro, o jovem diretor e roteirista e a namorada, Kiyo Kato, se casaram, e, em dezembro, ela lhe daria seu primogênito, Hisao. Seu quarto longa-metragem, Os Homens que Pisaram na Cauda do Tigre, concluído naquele ano, foi proibido. Continue lendo “Rapsódia em Agosto / Hachi-gatsu no Rapusodi”

O Anjo Embriagado / Yoidore Tenshi

Nota: ★★★☆

Toda a ação de O Anjo Embriagado, de 1948 – apenas três anos, portanto, após a rendição do Japão ao final da Segunda Guerra Mundial –, se passa em um bairro bem pobre, quase miserável, da periferia de uma grande cidade que jamais é identificada. Pode ser Tóquio, mas também poderia ser Osaka ou qualquer outra grande cidade – não importa. Importa é a pobreza. Continue lendo “O Anjo Embriagado / Yoidore Tenshi”

O Mundo de Apu / Apur Sansar

Nota: ★★★★

Quando, em 1952, começaram as filmagens de A Canção da Estrada – o filme que conta os primeiros anos da vida do garotinho Apu, no interiorzão da Bengala Ocidental, nos anos 1920, quando todo o Subcontinente Indiano era possessão britânica –, Satyajit Ray nunca havia realizado qualquer coisa relacionada a cinema. Em 1959, quando lançou este O Mundo do Apu, o terceiro tomo da Trilogia de Apu, seu nome já era respeitadíssimo nos festivais e entre os cinéfilos antenados como o de um dos grandes cineastas de todo o mundo. Continue lendo “O Mundo de Apu / Apur Sansar”

Crimes em Délhi / Delhi Crime

Nota: ★★★★

Crimes em Délhi/Delhi Crime, série indiana de sete episódios de cerca de 50 minutos cada, feita em 2019, reconstitui, ao que tudo indica de maneira fiel, rigorosamente fiel, num estilo quase de documentário, um caso real acontecido em 2012. É um trabalho magistral, de uma qualidade absolutamente impressionante. Mas não é algo fácil de se ver, de forma alguma. Continue lendo “Crimes em Délhi / Delhi Crime”

A Despedida / The Farewell

Nota: ★★★½

A Despedida/The Farewell é uma beleza de filme. Um retrato extremamente sensível, e extremamente bem feito em todos os quesitos, de um drama familiar que já seria tocante, emocionante, qualquer que fosse a situação da família – mas se torna ainda mais impressionante por se tratar de uma família que se dividiu entre três diferentes países. Continue lendo “A Despedida / The Farewell”

Minha Família Feliz / Chemi Bednieri Ojakhi / My Happy Family

Nota: ★★★★

Uma pérola, uma maravilha, uma extraordinária surpresa este filme que vem da Geórgia, em co-produção com Alemanha e França. Está sendo exibido na Netflix com o título em inglês, My Happy Family, o que não tem, é claro, sentido algum. Continue lendo “Minha Família Feliz / Chemi Bednieri Ojakhi / My Happy Family”

A Canção da Estrada / Pather Panchali

Nota: ★★★★

A Canção da Estrada é uma beleza, um grande filme. Um retrato impressionante, emocionante, sobre a vida duríssima, miserável, triste, de uma família no interiorzão da Bengala Ocidental, nos anos 1920, quando todo o Subcontinente Indiano era possessão britânica. Um filmaço – mas é muito mais que isso. Continue lendo “A Canção da Estrada / Pather Panchali”

A Rua da Vergonha / Akasen chitai

Nota: ★★★★

Em seu 99º filme, aquele que viria a ser o último, lançado no Japão em março de 1956, poucos meses antes de sua morte, em agosto, aos 58 anos, Kenji Mizoguchi fala dos mesmos temas que abordou em muitas de suas obras: as condições de vida da mulher na sociedade japonesa, as emoções femininas, as imensas diferenças entre uma mulher e outra. E. mais especificamente, a prostituição, o dia-a-dia das prostitutas. Continue lendo “A Rua da Vergonha / Akasen chitai”

Mulheres da Noite / Yoru no onnatachi

Nota: ★★★½

Kenji Mizoguchi abre seu filme Mulheres da Noite com uma magistral, impressionante tomada panorâmica de um trecho de Osaka. Enquanto vão rolando os créditos iniciais, a câmara vai fazendo um suave movimento para a esquerda, e então vamos vendo, ao longo de quase 360 graus, um panorama geral de uma das duas maiores metrópoles do Japão, naquele ano de 1948, o ano de lançamento do filme – menos de 3 anos apenas após a rendição do império que selou o fim definitivo da Segunda Guerra Mundial. Continue lendo “Mulheres da Noite / Yoru no onnatachi”