Arquivos do Rótulo: Crime

O Rei da Comédia / The King of Comedy

Nota: ★★★☆

O Rei da Comédia, que Martin Scorsese lançou em 1983, é seguramente o único filme da longa carreira de Jerry Lewis em que ele não provoca sequer uma risada na audiência. E o único em que ele – conhecido pelo epíteto de Rei da Comédia –  ri e sorri muito, muito pouco.  Ler Mais »

A Criada / Ah-ga-ssi

Nota: ★★★½

A Criada, produção sul-coreana de 2016, é estupidamente bem realizado, em todos os quesitos, das interpretações magníficas ao visual primoroso, requintado, da direção de arte à bela trilha sonora. Ler Mais »

Obsessão / The Paperboy

Nota: ★★½☆

O diretor Lee Daniels usou sexo, violência, neuroses, psicoses, repressão e racismo, tudo em doses paquidérmicas, amazônicas, num coquetel explosivo – e muito frequentemente doentio, nojento, abjeto – como a base do roteiro de The Paperboy, no Brasil Obsessão. Ler Mais »

O Homem Irracional / Irrational Man

Nota: ★★★½

O Homem Irracional, o Woody Allen safra 2015, tem muito, mas muito a ver com Crimes e Pecados, de 1989, e Match Point, de 2005. E, naturalmente, assim como os dois anteriores, tem tudo a ver com Crime e Castigo, de Fiódor Dostoiévski. Ler Mais »

Versões de um Crime / The Whole Truth

Nota: ★★½☆

Versões de um Crime pode até espantar o espectador por sua simplicidade. É um drama de tribunal simples, direto, claro, objetivo. Não usa criativol algum – não tem artifícios, invencionices, fogos de artifício. Ler Mais »

How To Get Away With Murder – A Primeira e a Segunda Temporadas

Nota: ★★★½

O sistema legal, o Judiciário, a instituição do júri popular – tudo é cheio de falhas. Todos mentem, não adianta pensar que não: todos mentem. Não vence a verdade – vence quem apresentar melhor a sua versão. É tudo um teatro mesmo: ganha quem consegue a melhor atuação.  Ler Mais »

Janela Indiscreta / Rear Window

Nota: ★★★★

Janela Indiscreta é um filme genial.

Algumas palavras são tão usadas que acabam perdendo a força, o viço, o frescor. Ficam esgarçadas. “Genial” talvez seja o exemplo mais perfeito disso. Ler Mais »

Major / Manop

Nota: ★★★☆

Major, produção russa de 2013, é um filme impressionante. Na forma, é duro, seco, cru, agressivamente distante de qualquer beleza. Mostra uma Rússia suja, pobre, feia, brutal, violenta, corrupta. Ler Mais »

Mulheres Diabólicas / La Cérémonie

Nota: ★★★★

La Cérémonie, o filme de Claude Chabrol de 1995 com sua musa Isabelle Huppert e mais um elenco estonteante, é um filmaço. Estupendo, extraordinário. Obra-prima. Ler Mais »

Holiday

Nota: ½☆☆☆

Holiday tem três bons atores – Jean-Pierre Darroussin, Judith Godrèche e Josiane Balasko –, e uma sinopse anunciava um filme de suspense. Assim, me dispus a ver. Ler Mais »

A Vítima Perfeita / In Her Skin ou I Am You

Nota: ★★½☆

A Vítima Perfeita, produção australiana de 2009, relata uma história real: no dia 1º de março de 1999, Rachel, uma moça de 15 anos, de hábitos regulares, tranquila, sem problema algum na escola ou na família, amadíssima pelos pais, com namorado firme, desapareceu misteriosamente em Melbourne. Ler Mais »

Pavor nos Bastidores / Stage Fright

Nota: ★★★★

Stage Fright, no Brasil Pavor nos Bastidores, de 1950, é da fase em que Alfred Hitchcock tinha assinado um contrato com a Warner Bros, depois de ter trabalhado para o produtor David O. Selznick, que o importou de Londres para Hollywood. Ler Mais »

A Maleta Fatídica / Nightfall

Nota: ★★½☆

Um estudioso da obra de Jacques Tourneur (1904-1977) diz que, em seus filmes, há sempre o incrível e o inconcebível. Nightfall, no Brasil A Maleta Fatídica, que o diretor francês realizou em 1956, durante o longo período que passou em Hollywood, comprova bem isso. Ler Mais »

Torrentes de Paixão / Niagara

Nota: ★★★☆

Niagara, no Brasil Torrentes de Paixão, de 1953, é muito provavelmente o primeiro filme noir em Technicolor. O primeiro noir com o batom da femme fatale absolutamente vermelho forte, vivo, diferentemente dos grandes noirs que vieram antes, todos em glorioso preto-e-branco, com jogos de luz e sombra, chiaroscuro, herança de uma das suas maiores influências, o expressionismo alemão dos anos 20.    Ler Mais »

Frenesi / Frenzy

Nota: ★★★★

Para fazer seu filme de número 52 (e que acabaria sendo seu penúltimo), Frenesi, lançado em 1972, Alfred Hitchcock voltou à capital de seu país natal, que havia abandonado três décadas antes para se instalar em Hollywood, a Meca da gente de cinema. Ler Mais »