Chocolate / Chocalat


Nota: ★★½☆

Anotação em 2007, com complemento em 2008: La Binoche nunca esteve tão bela quanto neste filme. Só por ela já valeria a pena ver Chocolate.

Depois das cenas de sexo quase abertamente explícito de Perdas e Danos/Damage, de Louis Malle, de 1992, ela aqui parece inocente como uma freira – e, no entanto, está mais sensual do que nunca como a quase bruxa que vai contra todas as rígidas convenções de uma cidadezinha do interior da França com seus chocolates capazes de efeitos miraculosos.

O filme é uma fabulinha, uma fantasia, quase um conto de fadas. O diretor sueco há muito radicado nos EUA Lasse Hallström deixa isso absolutamente claro logo na abertura do filme – vemos um plano geral, em tomada aérea, de uma cidadezinha imaculadamente linda, no topo de uma colina, que parece ter mesmo sido criada por um cuidadoso desenhista de histórias infantis, e, quando a câmara se aproxima da igreja na praça principal, com todos os habitantes do local entrando para a missa, a voz em off de Juliette Binoche conta: “Era uma vez uma calma cidadezinha no interior da França cujos habitantes acreditavam em tranquillité – tranqüilidade”.

Vianne, a doce bruxinha-confeiteira interpretada por La Binoche, chega com a filhinha Anouk exatamente para acabar com aquela tranqüilidade, para chacoalhar a mentalidade daquelas pessoas, para botar ação, sentimento, sensualidade, ousadia, rebeldia, naquela pasmaceira.

É assim, talvez, uma espécie bem mais branda, bem menos ousada, do Teorema de Pasolini, em que o estranho interpretado por Terence Stamp irrompe na vida de uma família e não deixa pedra sobre pedra.

A música de Rachel Portman – dos grandes nomes da música para o cinema nos últimos anos, autora das trilhas de O Clube da Felicidade e da Sorte/The Joy Luck Club, Regras da Vida/The Cider House Rules e Confidencial/Infamous – é uma maravilha. Ela ajuda a dar o clima do filme, uma coisa que tem um pouco do realismo mágico de Gabriel García Márquez, um espírito cigano e suavemente safado.

O filme teve cinco indicações ao Oscar – melhor filme, melhor atriz para Juliette Binoche, atriz coadjuvante para Judi Dench, trilha sonora para Rachel Portman e roteiro adaptado para Robert Nelson Jacobs. Não levou nenhuma estatueta, mas ganhou oito outros prêmios e teve 28 indicações.

Outros filmes do diretor Lasse Hallström no site:

Minha Vida de Cachorro/Mitt Liv Som Hund;

Um Lugar para Recomeçar/An Unfinished Life;

Chegadas e Partidas/The Shipping News;

Regras da Vida/The Cider House Rules.

Chocolate/Chocolat

De Lasse Hallström, Inglaterra-EUA, 2000.

Com Juliette Binoche, Judi Dench, Alfred Molina, Carrie-Anne Moss, Lena Olin, Johnny Depp

Roteiro Robert Nelson Jacobs

Baseado em livro de Joanne Harris

Música Rachel Portman

Produção Miramax

Cor, 121 min.

**1/2

5 Trackbacks

  1. […] nasceu na Argentina, escreveu roteiros de diversos filmes franceses; são francesas a estrela Juliette Binoche e a outra atriz principal, Sara Forestier (uma bela e promissora jovem). A ação se passa na […]

  2. […] ao tema que mais importa, as relações familiares, relações pessoais, relações afetivas. Acho Chocolate, de 2000, uma gostosa fábula em homenagem à liberdade, com Juliette Binoche no auge da beleza; […]

  3. Por 50 Anos de Filmes » Caramelo / Sukkar Banat em 4 maio 2013 às 8:46 pm

    […] que poderia induzir os desavisados a acharem que é mais um filme sobre a magia da culinária, como Chocolate, Como Água para Chocolate, A Festa de Babette, Simplesmente Marta. Não, nada disso. É que o […]

  4. Por 50 Anos de Filmes » Um Porto Seguro / Safe Haven em 24 fevereiro 2015 às 11:56 pm

    […] Eating Gilbert Grape, de 1993, com Johnny Depp e um à época desconhecido Leonardo DiCaprio; Chocolate, de 2000, uma gostosa fábula em homenagem à liberdade de comportamento, com Juliette Binoche no […]

  5. Por 50 Anos de Filmes » Chef em 15 maio 2015 às 8:09 pm

    […] – os filmes sobre culinária, sobre chefs, artistas da cozinha. Segue os passos de obras como Chocolate (2000), Sabor da Paixão (2000), Simplesmente Marta (2001), que nos Estados Unidos rendeu a […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*