O Tigre de Bengala e O Sepulcro Indiano


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 2003, com complemento em 2008: A aventura exótica de Fritz Lang, dividida em dois filmes, que estão entre as suas últimas obras, é ruim como aqueles piores filmes bíblicos de Hollywood nos anos 40 e 50. Só tem uma coisa que presta: a dança de Debra Paget quase nua, fantasticamente bela, sensualíssima, que deve ter chocado as platéias de todo o mundo nos anos 1950. Continue lendo “O Tigre de Bengala e O Sepulcro Indiano”

Pânico nas Ruas / Panic in the Streets


Nota: ★★½☆

Anotação em 2003: A história – que ganhou um Oscar – é simples: homem chega num navio a Nova Orleans com uma doença extremamente transmissível, é morto depois de um jogo de cartas, e a polícia e o departamento sanitário, na pessoa de um esforçado médico (Richard Widmark), vão atrás dos participantes do jogo antes que a doença se espalhe como uma peste. Continue lendo “Pânico nas Ruas / Panic in the Streets”

Nunca Te Amei / The Browning Version


Nota: ★★★☆

Anotação em 2003: Eu tinha visto, faz anos, a refilmagem, de 1994, com Albert Finney como o velho professor desiludido e amargurado, e a esplendorosa Greta Scacchi como sua mulher infiel; o filme era dirigido pelo Mike Figgis, que fez muita coisa boa. E tinha gostado bastante. Este aqui, com roteiro do próprio dramaturgo Terence Rattingan, que escreveu a peça em 1948, é ainda mais convencional na linguagem, no retrato do espírito inglês da primeira metade do século XX – e ainda melhor. Continue lendo “Nunca Te Amei / The Browning Version”

Mulher Daquela Espécie / That Kind of Woman


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 2003: O Telecine Classic passou cinco ou seis filmes que Sophia Loren fez nos Estados Unidos, a partir de 1957 e até 1959. Neste aqui, Sophia faz a puta de bom coração que pertence a um gângster (George Sanders) mas fica interessada por um jovenzinho puro e igualmente de bom coração, um soldado (Tab Hunter, com a bela italiana na foto aí em cima) que está para ir para o front. Continue lendo “Mulher Daquela Espécie / That Kind of Woman”

Meu Amigo Harvey / Harvey


Nota: ★★½☆

Anotação em 2003, com complemento em 2008: Esta é uma daquelas comédias escrachadas, aberta, loucamente doidas, sem pé nem cabeça, que o cinema americano fazia às pencas nos anos 30 e 40. O filme é de 1950, mas é bem amalucado quanto os das décadas anteriores. Defende a moral de que os doidos são mais humanos, mais sensíveis e mais felizes do que o comum dos mortais. Continue lendo “Meu Amigo Harvey / Harvey”

Desejo / Desire Under the Elms


Nota: ★★★☆

Anotação em 2003: Uma baita, imensa tragédia grega, passada numa fazenda da Nova Inglaterra no começo do século XIX. Sophia, maravilhosa, belíssima, é a jovem que se casa com um fazendeiro bem mais velho, duro, irascível (o grande, em todos os sentidos, Burl Ives) e se apaixona pelo filho dele (Anthony Perkins). Continue lendo “Desejo / Desire Under the Elms”

Um Gato em Minha Vida / Rhubarb

Nota: ★★☆☆

Anotação em 2002: É uma comédia tão aberta, gritante, apavorantemente imbecil, tão descompromissada com tudo, que aí fica até interessante e engraçada. O filme reúne quase todos, mas quase todos os clichês babacas das comedinhas feitas até então – e, claro, das que ainda seriam feitas nas décadas seguintes. Continue lendo “Um Gato em Minha Vida / Rhubarb”

Cidade Negra / Dark City


Nota: ★★☆☆

Anotação em 2002: Um noir com algumas coisas muito boas e outras absolutamente infantis. Uma coisa boa: a loura (Lizabeth Scott, essa moça que desapareceu completamente a partir de meados da década de 50) é exatamente o oposto da loura dos noirs de sempre: é doce, meiga, apaixonada, fidelíssima como um cão de guarda. Uma coisa absurdamente ruim: o personagem central, um homem como tradicionalmente nos noir perdido após a Segunda Guerra, de repente se encontra e fica melhor que Madre Tereza de Calcutá. Continue lendo “Cidade Negra / Dark City”

Assim Estava Escrito / The Bad and the Beautiful


Nota: ★★★☆

Anotação em 2002, com complemento em 2008: Um classicão que eu nunca tinha visto, embora tivesse ouvido falar muito nele na adolescência. Um bom filme, sem dúvida, na linha de A Condessa Descalça, de Joseph L. Mankiewicz, de 1954, e Crepúsculo dos Deuses, de Billy Wilder, de 1950, todos feitos num período de cinco anos e todos retratando a máquina de Hollywood. Possivelmente é o menos forte dos três – acaba sendo otimista, até -, mas, mesmo assim, é um filmão, desses que merecem ser revistos de tempos em tempos. Continue lendo “Assim Estava Escrito / The Bad and the Beautiful”

O Último Hurrah / The Last Hurrah


Nota: ★★★½

Resenha na coluna O Melhor do DVD, no site estadao.com.br, em 2001: O Último Hurrah é um dos vários clássicos que a Columbia está lançando em DVD, alguns com muitas apresentações especiais, outros sem nenhuma, como, infelizmente, é o caso aqui. É o resultado da feliz reunião de dois gigantes, monstros-sagrados, pérolas do cinema americano, John Ford e Spencer Tracy. Continue lendo “O Último Hurrah / The Last Hurrah”