O Padre / Priest


Nota: ★★★★

Anotação em 1997: Um grande filme. Um filme corajoso, profundamente progressista, anti-establishment, antipreconceitos de todos os tipos. Não é um filme contra a Igreja Católica – embora seguramente 95% da hierarquia católica deva considerá-lo assim. Nem muito menos anticristão. É anti-hierarquia, anti o que a máquina da Igreja criou em torno dos preceitos básicos da religião. Continue lendo “O Padre / Priest”

Não Esqueça que Você Vai Morrer / N’Oublie pas que Tu Vas Mourir


Nota: ½☆☆☆

Anotação em 1997: Ganhou Grande Prêmio do Júri e o Prêmio Jean Vigo em Cannes em 1995. Talvez eu esteja ficando velho e careta; talvez se eu visse, digamos, Easy Rider hoje pela primeira, e não aos 18 anos, tivesse detestado. Mas achei o filme pretensioso e chato. Muito pretensioso e muito chato. Nada transmite sinceridade, honestidade; tudo é artificial, gratuito. Continue lendo “Não Esqueça que Você Vai Morrer / N’Oublie pas que Tu Vas Mourir”

O Monge e a Filha do Carrasco / The Monk and the Hangman’s Daughter


Nota: ½☆☆☆

Anotação em 1997: Coisa ruim. E a culpa desta vez não é dos artistas e técnicos brasileiros. Os atores não estão bem, embora não estejam mal a ponto de prejudicar o filme; a fotografia é boa, a música é excelente, até mesmo a reconstituição de época é tecnicamente competente. O problema básico e imenso deste filme está mais embaixo, na fundação mesmo, no alicerce – a história, o roteiro. Continue lendo “O Monge e a Filha do Carrasco / The Monk and the Hangman’s Daughter”

Mistério na Neve / Smilla’s Sense of Snow


Nota: ★★½☆

Resenha para a Agência Estado, em 1997: Mistério na Neve tem dois pontos excelentes. O primeiro é a abertura do filme, a seqüência inicial. (Como diriam os jornalistas, o lead. O lead, o primeiro parágrafo de um texto, tem que ser atraente, fisgar o leitor, fazê-lo se interessar pelo assunto.) O lead do diretor Bille August é absolutamente brilhante. Continue lendo “Mistério na Neve / Smilla’s Sense of Snow”

Meus Tios Heróis / Unstrung Heroes


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997: É um filme estranho, weird como a própria palavra weird. Tem um certo humor amargo que deve ser bem característica dos judeus americanos – e é interessante que, em seu primeiro-longa metragem como diretora, Diane Keaton, depois de anos de convivência com Woody Allen, tenha feito um filme tão profundamente, arraigadamente judeu. Continue lendo “Meus Tios Heróis / Unstrung Heroes”

Meus Queridos Presidentes / My Fellow Americans


{rating:2.5]

Anotação em 1997: Uma comedinha até melhor do que a encomenda. Não conhecia esse diretor Peter Segal, mas ele leva jeito. A comédia funciona, é engraçada, tem boas piadas, boas gags; James Garner está careteiro como sempre, e Jack Lemmon exagera nos seus cacoetes, mas eles são muito divertidos. Continue lendo “Meus Queridos Presidentes / My Fellow Americans”

Michael – Anjo e Sedutor / Michael


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997: É uma bobagem danada – e, no entanto, gostosinho de se ver. Desses filmes que nos divertem bastante enquanto estamos vendo – e do qual nos esquecemos assim que ele termina. Mais uma brincadeira com anjos, esse tema tão eternamente recorrente no imaginário coletivo e portanto, é claro, no cinema. Continue lendo “Michael – Anjo e Sedutor / Michael”

Shine – Brilhante / Shine


Nota: ★★☆☆

Anotação em 1997: Teve 7 indicações para o Oscar, e 5 para o Globo de Ouro. Geoffrey Rush levou o Oscar e o Globo de Ouro como melhor ator. Não acho que o filme seja pra tudo isso. Às vezes o diretor do filme dá a impressão de que não está espantado com aquilo que está mostrando – a música como objeto de concurso, de premiação, de campeonato, de disputa, de concorrência, como se fosse normal disputar quem toca melhor em estádio. Só faltam as cheer-leaders. Continue lendo “Shine – Brilhante / Shine”

L.A. Story


Nota: ★★★½

Anotação em 1997: Não entendo como nunca tinha visto este filme antes. É uma delícia, bem humoradíssimo, cheio de graça e charme, inteligente. O filme consegue criar uma aura mágica. É uma beleza de declaração de amor ao amor e a uma cidade cheia de problemas, uma das maiores do país, uma das mais complexas do mundo. Continue lendo “L.A. Story”

Kolya – Uma Lição de Amor / Kolja


Nota: ★★★★

Anotação em 1997: Uma beleza grande, imensa, uma puta sensibilidade. Conta-se uma bela história de uma criança despertando emoções e generosidade insuspeitadas em um homem maduro de 55 anos; mas conta-se, com ela, junto com ela, atrás dela, ou sobretudo, a história política do subjugado diante do representante do imperialismo. Continue lendo “Kolya – Uma Lição de Amor / Kolja”

A Isca / L’Appat


Nota: ★★☆☆

Anotação em 1997: A caixinha do filme diz que o filme ganhou o Urso de Ouro em Berlim, 1995. No Festival de Gramado, ganhou melhor atriz e melhor montagem. Acho muito incenso, desproporcional ao que o filme é – mais um filme francês mostrando as barreiras sociais e como os jovens da classe média e média-alta são amorais, ambiciosos, egoístas, sem qualquer tipo de valor moral. Continue lendo “A Isca / L’Appat”