Feliz Natal / Joyeux Noël


Nota: ★★★★

Anotação em 2007, com complemento em 2008: Tudo neste filme é perfeito. É, certamente, um dos mais emocionantes, tocantes panfletos anti-guerra de toda a história do cinema.

A maravilha começa pelo tema em si, uma coisa que eu desconhecia totalmente – e que a História esqueceu, como diz o cartaz do filme: o fato de que, na Primeira Guerra, soldados saíram dos dois lados das trincheiras para se confraternizar durante o Natal – e depois foram repreendidos e castigados por seus superiores por esse absurdo crime de lesa-idiotice.

O fato de a produção ser internacional, juntando países que estiveram dos dois lados das trincheiras, é, em si, uma das mais absurdas provas de como a humanidade pode ser ao mesmo tempo idiota e quase sublime.

A música, ponto central do filme, é absolutamente extraordinária, suntuosa, quase divina. O autor da trilha sonora é Phillippe Rombi, que já trabalhou em mais de 25 filmes; é um colaborador freqüente de François Ozon, para quem criou as trilhas de Sob a Areia/Sous le Sable, Swimming Pool  – À Beira da Piscina/Swimming Pool e Amor em Cinco Tempos/5 x 2. Mas a trilha deste filme aqui é sua obra-prima, acho.   

Nos especiais do DVD, o diretor e roteirista Christian Carion conta como estudou, pesquisou profundamente sobre as confraternizações que existiram nos terrenos entre as trincheiras, a nowhere land dos filmes e da canção épica do Eric Bogle.

Com base nos acontecimentos históricos, Carion criou os personagens do filme – um tenente francês (Guillaume Canet), um padre escocês, um tenor alemão que se alistou no Exército (Bruno Fürmann) e uma soprano dinamarquesa (Diane Kruger, lindíssima), que consegue autorização para visitar o namorado, ele também um cantor lírico famoso, na trincheira alemã na época do Natal.  

As seqüências em que os soldados, depois de ouvirem as músicas cantadas e tocadas dos dois lados, vão pouco a pouco, a princípio medrosamente, timidamente, saindo de suas trincheiras e passam a se confraternizar uns com os outros são de arrepiar, de chorar de emoção.  

O filme foi o escolhido pela França para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 2006; obteve a indicação, e foi indicado também para o Globo de Ouro, mas não ganhou os prêmios.

Mas isso não importa. É um grande, imenso, extraordinário filme.

Feliz Natal/Joyeux Noël

De Christian Carion, França-Alemanha-Inglaterra-Bélgica-Romênia, 2005.

Com Benno Furmann, Daniel Brühl, Diane Kruger, Natalie Dessay, Ian Richardson

Argumento e roteiro Christian Carion

Música Philippe Rombi

Produção Nord-Ouest

Cor, 116 min.

****

2 Comentários