Em Nome da Honra / Catch a Fire


Nota: ★★½☆

Anotação em 2007, com complemento em 2008: Mais um filme sobre o apartheid – e que venham mais, que venham quantos vierem.

É a história – baseada em fatos reais – de um sul-africano negro, Patrick Chamusso (Derek Luke), que só queria trabalhar e garantir as coisas básicas para a família, mas é preso e torturado pela polícia do apartheid como suspeito da explosão em uma refinaria. A partir daí, ele entra para a luta armada contra o regime supremacista da África do Sul.

acatchO grande Tim Robbins, liberal, progressista, faz um policial sanguinolento, um monstro, como descreve o personagem principal.

Este é mais um filme político do politizado diretor australiano Phillip Noyce, que é tão competente nos filmes de ação (mas com idéias), como Jogos Patrióticos/Patriot Games, de 1992, quanto nos mais densos e sérios, como O Americano Tranquilo/The Quiet American, de 2002, ou Geração Roubada/Rabbit-Proof Fence, também de 2002, e também sobre racismo praticado pelo governo.

Em todo o filme, mas em especial no seu desenlace, o diretor Noyce demonstra muito bem essa sua capacidade de juntar ação e idéias. Após uma impressionante seqüência digna dos mais respeitados filmes de ação, ele coloca na tela o próprio Patrick Chamusso, o personagem real da história, para discutir um dos temas mais polêmicos e inquietantes que as sociedades têm que enfrentar após um período de ditadura ou de desrepeito profundo aos direitos humanos: a questão da anistia, da vingança, da condenação ou não dos que lutaram dos dois lados. As palavras de Patrick Chumasso são impressionantes – daquelas coisas que levam a gente a ainda ter um pouco de fé na humanidade.

Outros filmes sobre o apartheid neste site:

Assassinato sob Custódia/A Dry White Season;

Sombras do Passado/Red Dust;

Em Minha Terra/Country of My Skull.

Em Nome da Honra/Catch a Fire

De Phillip Noyce, França-Inglaterra-África do Sul-EUA, 2006.

Com Derek Luke, Tim Robbins, Bonnie Henna

Roteiro Shawn Slovo

Música Philip Miller

Cor, 101 min.

**1/2

3 Comentários

  1. José Luís
    Postado em 27 agosto 2011 às 10:44 pm | Permalink

    Vi este filme esta semana e gostei.
    Só depois de ver é que soube que era sobre factos reais pelo que ainda lhe dei mais valor.
    Não tenho dúvida em o recomendar.
    Quanto ao “Rabbit Proof Fence” estou à espera de o ver.

  2. José Luís
    Postado em 28 agosto 2011 às 1:25 pm | Permalink

    O meu comentário anterior está errado.
    Eu devia ter dito que depois de o ver fui procurar saber mais e que é verdade que aqueles factos aconteceram mesmo e que as personagens principais são verídicas.

  3. Ivan
    Postado em 17 julho 2012 às 1:28 pm | Permalink

    Um ótimo filme. Um ótimo roteiro. Sempre é muito bom assistir filmes baseados em fatos reais. Essa coisa nojenta do racismo . . . sempre admirei demais a raça negra por sua fôrça, valentia e determinação.
    Naquela cena em que o Derek confessa que foi ele e o Tim Nic Vos, não acredita e manda soltálo, se dependesse dos outros que ali estavam, ele estaría morto. É,e sempre foi revoltante ver tanta injustiça assim, seja com quem fôr.
    Quando os primeiros negros foram trazidos ao Brasil para serem escravos, isso era racismo e, mesmo depois de abolida a escravidão, foi negado a eles, negros, quaisquer direitos sociais mas, aí vai muita história. Branco é branco,louro é louro,negro é “pessoa de côr” Nos anúncios de empregos, dizia, “pessoas de bôa aparência”, isto é … não pode ser negro.Isso já diz tudo. Realmente aquele final com o próprio Patrick,dizendo aquelas
    palavras, foi tudo de melhor.
    Aquela casa onde ele abriga os mais de 80 órfãos, muito lindo e, a maneira como ele fala, é tocante.
    Pôrra,(só mesmo dizendo assim) foi bacana demais, muito lindo mesmo, ver o Derek e o Patrick, se abraçando, conversando e tocando a bola. Muito bom.

2 Trackbacks

  1. Por 50 Anos de Filmes » Terror a Bordo / Dead Calm em 10 outubro 2010 às 10:52 pm

    […] Roubada/Rabbit Proof Fence, de 2002, sobre a cruel política australiana contra os aborígenes, Em Nome da Honra/Catch a Fire, de 2006, sobre o apartheid da África do Sul, e Um Americano Tranquilo/The Quiet American, de […]

  2. Por 50 Anos de Filmes » Salt em 4 julho 2011 às 2:06 pm

    […] das práticas racistas do governo australiano contra os aborígenes. De novo sobre racismo, Em Nome da Honra/Catch a Fire é um bom filme ambientado na África do Sul do apartheid. Sua refilmagem do livro de Graham Greene […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*