Um Homem, Uma Mulher / Un Homme et Une Femme


Nota: ★★★★

Texto de Valdir Sanches, convidado especial. * Um homem e seu cachorro caminhando pelo cais sob um tempo feio, o mar cinza, a névoa escondendo o céu, valorizam tremendamente uma cena… de amor. É que Anne e Jean-Louis estão de tal forma apaixonados, que vêem uma beleza muito especial no andar daquele homem, com seu cão.

Claude Lelouch disse que o mau tempo é um dos atores do filme. Mas há outro, se assim se pode dizer: a recorrência das cenas em preto-e-branco. Com estes dois elementos, o diretor consegue criar uma atmosfera intimista, em cenas de grande sensibilidade, durante vários momentos do filme. Não em todos, porque ele joga também com a cor, para mostrar a realidade crua, sem nenhum enquadramento ou recurso especiais, em situações de flashback – quando revela o passado do casal da trama. É verdade que na cor estão também cenas inesquecíveis, com o mar como cenário. Mas é só no preto-e-branco que a magia acontece.

Anouk Amée talvez esteja perfeita em qualquer outro filme, mas neste, além disso, o papel lhe cai à medida. Deu uma Anne sóbria, um pouco ensismemada, mas sobretudo bela. Ela perde o trem para Paris, quando visita sua filha pequena num internato de Deauville (não por acaso uma cidade costeira). Ocorre que Jean-Louis (também muito bem feito por Jean-Louis Trintignant), veio visitar o filho no mesmo internato, e está voltando para a capital, em seu carro – um Mustang  vermelho, ícone da geração dos anos 1960, quando o filme foi rodado. A diretora do internato ajeita uma carona…

Duas pessoas – um homem e uma mulher – iniciam, no carro em movimento, o diálogo reticente dos que acabam de se conhecer. O que eles dizem, nesse primeiro momento, não é passado para o espectador. Em lugar das vozes, surgem os primeiros acordes – mas só eles – da música tema. É uma promessa do que vai acontecer, e já está no ar.

O Mustang vermelho segue pela estrada molhada, e a conversa (agora audível) evolui. Assistimos a tudo através do pára-brisa, em muitos momentos com o rosto dos personagens borrados pela chuva e pelo movimento do limpador. Anne é roteirista de cinema. E Jean-Luis, o que faz? Piloto de carro de corrida. A  atmosfera intimista é invadida pela cor, pelo ronco dos motores e a alta velocidade do carro que ele está testando. Voltam o preto-e-branco, a chuva no pára-brisa. Anne é casada? Sim. O marido surge em cor, se arriscando como dublê de cinema.

Presente, passado, preto-e-branco, cor. Vemos que o marido morre na filmagem de uma explosão. Anne afinal não é casada, mas viúva. À porta da casa dela, os dois recém conhecidos se despedem (preto-e-branco…) e marcam novo encontro, para visitar os filhos.

Na nova visita às crianças, o diretor cria momentos enternecedores para mostrar a paixão envolvendo crescentemente os pais delas.  Um almoço “em família”, as crianças correndo pela praia, de cores desbotadas pelo mau tempo. Um passeio de barco embalado pela atmosfera nostálgica do dia chuvoso e pela bela música de Francis Lai, o autor da trilha sonora.

Mas eis o carro de novo na estrada para Paris. Desta vez estamos dentro dele, e vemos Jean-Louis mudar a marcha e pousar sua mão sobre a de Anne – o primeiro gesto explícito do romance. Ela reage. “Você não me falou sobre sua mulher”. Cor: uma loira (em tudo diferente de Anne) preocupada com o marido, que vai correr as 24 Horas de Le Mans. Ele se acidenta gravemente. Ela se desespera, se suicida. Preto-e-branco: Jean-Louis se despede de Anne. Conta-lhe que vai disputar o rally de Monte Carlo.

Claude Lelouch participou da corrida para gravar cenas reais. Anne espera ansiosamente, em Paris. Mas desta vez, nada acontece a Jean-Louis. Ele recebe um telegrama dela  (“Eu te amo”), viaja uma noite inteira no carro do rally (um Mustang branco, sujo e com seu número de corredor na porta) e chega de surpresa à praia, onde Anne e as duas crianças passeiam. Nestes momentos, o tema Um Homem, Uma Mulher toca inteiro…

Num documentário sobre o filme, o diretor diz que sua obra é “entrecortada”, pois filmou cerca de 3.500 planos. A modernização da película permitiu-lhe agilidade para gravar até cem planos em um dia. Algo inteiramente novo, distante da realidade anterior, em que se levavam horas para ajustar um plano. Em Um Homem, Uma Mulher, o ajuste durava 15 minutos e começavam a filmar. “Filmamos direto, somos mais repórteres do que um equipe de cineastas”,  disse Lelouch durante a filmagem. Prova disso é que em muitos momentos ele próprio empunhou a câmera.

O filme ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro e melhor roteiro original, e a Palma de Ouro em Cannes. A música tema ficou conhecida no mundo todo.

          * Este site passa a ter – assim como muitos filmes – participações especiais. Textos de amigos, a quem convido para trazer maior diversidade, movimento, e para dar brilho. Valdir Sanches, autor deste texto, é jornalista, um dos melhores repórteres e melhores textos da imprensa paulista.

         Sérgio Vaz, agosto de 2008 

 

Um Homem, uma Mulher/Um Homme et Une Femme

De Claude Lelouch, França, 1966

Com Anouk Aimée, Jean-Louis Trintignant, Pierre Barouh, Valerie Legrange. Antoine Sire, Soud Amidou

Argumento e roteiro Pierre Uytterhoeven e Claude Lelouch

Fotografia Claude Lelouch

Música Francis Lai, letras Pierre Barouh

Produção Films 13, Claude Lelouch, distribuição Warner Bros.

Cor e P&B, 103 min

17 Comentários

  1. Mary Zaidan
    Postado em 18 agosto 2008 às 9:45 pm | Permalink

    A idéia de ter convidados é fantástica. Movimenta e dá maior interatividade ao site. Melhor ainda: poucos podem se gabar de ter um texto de Valdir Sanches. Maravilha pura.

  2. Mônica
    Postado em 19 agosto 2008 às 12:24 pm | Permalink

    Não conhecia o site. Gostei. Não houve como parar de ler esta crítica, pois me transportou para a cena do filme. Site anotado e recomendado.

  3. Postado em 14 novembro 2008 às 2:48 am | Permalink

    A trilha sonora também inclui a versão francesa do Samba da Bênção, de Vinícius de Moraes e Baden Powell, mas, segundo matéria publicada na revista Época, os brasileiros só tiveram seus créditos mencionados pelo cineasta, depois de uma ameaça de processo.

  4. Sérgio Vaz
    Postado em 14 novembro 2008 às 9:12 pm | Permalink

    Lídia, não sei de onde a revista Época tirou essa informação, mas posso assegurar que não foi de fonte confiável. O crédito está nos letreiros iniciais, a apresentação do filme: “Paroles des chansons Pierre Barouh. Samba (Sarava) Baden Powel Vinicius de Moraes”. E o crédito é reforçado no próprio filme, no momento em que Pierre Barouh, também ator, canta a música. Ele diz, alto e bom som: “Fazer um samba sem tristeza é como amar uma mulher apenas bela. São as próprias palavras de Vinicius de Moraes, poeta e diplomata, autor desta canção”. No disco da trilha sonora original, igualmente está dado o crédito direitinho, a Baden e Vinicius, e a Barouh pela versão da letra para o francês.

  5. Postado em 15 novembro 2008 às 2:26 am | Permalink

    Sérgio, a informação também foi divulgada pela Folha de S. Paulo.
    Veja trecho sobre a série Bossa Nova, publicado em 18 de agosto de 2008:
    ”Sem autorização, sua composição com Vinícius “Samba da Bênção” fez parte da trilha do filme francês “Um Homem, Uma Mulher”, de Claude Lelouch. Vinícius descobriu o uso da canção ao ser convidado para ser jurado em Cannes. Está no link http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u434738.shtml

  6. Sérgio Vaz
    Postado em 15 novembro 2008 às 12:47 pm | Permalink

    Lídia, não tenho elementos para contestar a informação da Folha, de que o Samba da Bênção foi usado no filme Um Homem, Uma Mulher sem prévia autorização dos autores. E nem para saber se houve ou não autorização da empresa que detinha os direitos autorais, independentemente de aviso prévio aos autores. Pode ser, pode não ser. Agora, uma coisa é certa: a informação da revista Época, de que os brasileiros só tiveram seus créditos mencionados pelo cineasta depois de uma ameaça de processo, é absolutamente falsa. O crédito está lá, direitinho, como já falei em comentário anterior e como se pode ver no filme, disponível em qualquer locadora e que você tem em casa, como eu – o crédito está nos letreiros iniciais, e na própria ação do filme: “São as próprias palavras de Vinicius de Moraes, poeta e diplomata, autor desta canção”, diz Pierre Barouh ao cantar a música. Assim como o crédito está lá, direitinho, no disco da trilha sonora original.

  7. Postado em 26 abril 2009 às 11:17 am | Permalink

    Queria muito ouvir de novo uma das músicas do filme, que toca quando a Anouke Aimée anda pelas ruas de Paris e resolve se dar uma nova chance para um relacionamento amoroso. Estou procurando o nome da música e s possível onde possa ouvi-la.

  8. Sérgio Vaz
    Postado em 27 abril 2009 às 4:42 pm | Permalink

    Caro Roberto, acho que a música a que você se refere é “Aujourd’hui c’est toi”, cantada pela Nicole Croisille. As duas únicas outras possibilidades seriam “À l’Ombre de Nous”, cantada por Pierre Barouh, ou então “Plus Fort que nous”, cantada em dueto por Nicole Croisille e Pierre Barouh. Você deve encontrá-las nos sites de venda.
    Boa sorte!
    Sérgio

  9. IVANY PEIXOTO
    Postado em 23 maio 2010 às 3:27 pm | Permalink

    Nós que já estamos com mais de 50,vindos de um época muito romantica, na qual tivemos o prazer maravilhoso de viver o romantismo em sua plenitude.Um filme como um homem e uma mulher, belissimo e encantador, só traz belas recordações.

  10. Margarete Fernandes
    Postado em 28 junho 2013 às 11:08 pm | Permalink

    Crianças, estou procurando a última cena do filme “Toda uma vida”. Quem tem? Ninguém fala nele!!! A última cena é no avião, a tela fica preta e só aparecem as legendas do diálogo. A aeromoça pergunta se a passageira quer café e ela aceita 3 torrões de açúcar. O Charles Aznavour tem uma participação especial no filme, comparecendo como presente de aniversário de 15 anos da protagonista enquanto o protagonista na mesma época rouba o disco LP do Aznavour de uma loja. Quem viu esse filme? Só eu? Quero uma cópia desse filme.
    Se alguém puder me ajudar, agradeço.
    Maggie
    Santos/SP

  11. Sérgio Vaz
    Postado em 28 junho 2013 às 11:19 pm | Permalink

    Ahn… Margarete, Maggie, é o seguinte: não tenho o final do “Toda uma Vida”, mas tenho um toque para te dar. Não confunda Charles Aznavour com Gilbert Bécaud. Quem aparece em “Toda uma Vida”, várias vezes, é Bécaud, e não Aznavour. Se você tiver interesse, dê uma olhada no meu texto sobre “Toda uma Vida”: http://50anosdefilmes.com.br/2009/toda-uma-vida-toute-une-vie/
    Um abraço.
    Sérgio

  12. Ivan
    Postado em 29 outubro 2013 às 11:22 am | Permalink

    Boa tarde, Sergio.
    Parabéns para Valdir Sanches, autor deste belo texto.
    Eu ía pouquíssimas vezes ao cinema nos anos 60. Depois , bem depois , tentei vê-lo mas nunca mais voltou. Agora, 47 anos depois de seu lançamento eu o encontrei, online.
    Uma maravilha de filme. Lindíssimo.
    Fotografia , enredo , trilha sonora , tudo é maravilhoso nesta obra-prima.
    Anouk Aimée belíssima, Jean-louis Trintgnant sempre charmoso. Belos e química perfeita.
    – Giacomette -o escultor- disse certa vez .
    ” Se eu estivesse no meio do fogo e tivesse que escolher entre um Rembrandt e um gato eu ficaria com o gato e , então , o deixaria partir ” .
    Os closes no rosto lindo , maravilhoso da Anouk, são uma delicia para nossos olhos.
    Só aos exatos 80 minutos do filme é que toca a musica tema e , é quando como disse o Valdir Sanches, o Jean-Louis encontra a Anne e as crianças na praia.
    E esse reencontro com a Anne , não foi de nenhuma das maneiras que ele ” bolava ” enquanto viajva no Mustang.
    “Na vida real quando uma coisa não é séria se diz que é cinema. Por que o cinema não é levado a sério”? “Não sei. Talvez porque só vamos ao cinema quando tudo vai bem. Acha que devíamos ir quando tudo vai mal? Por que não? ”
    Certíssimo o que o Valdir Sanches disse no início deste texto sôbre a Anne e o Jean-louis verem uma beleza especial no homem com o seu cão.
    Quando estamos de bem com a vida, com nós mesmos, com tudo , vemos uma erva daninha sendo tão bela quanto a mais bela das rosas.
    Legal mesmo a sacada do Lelouch com as cores.
    A cor, o passado e o preto e branco o atual.
    A última cena é muito linda e marcante.
    A musica marcou demais o final dos anos 60.
    E nos envolve até hoje.
    ” É uma loucura recusar a felicidade “.
    Que bom que a Anne não deixou isto acontecer.
    Um abraço !!

  13. sérgio bezerra
    Postado em 28 dezembro 2015 às 3:32 pm | Permalink

    Caros amigos,
    Estou a escrever um artigo sobre a participação do automóvel no cinema. Um dos filmes objeto de meu comentário é Um homem, uma mulher, de Claude Lelouch.
    Alguém poderá me dar informações detalhadas sobre o carro que o personagem de J.L. Trintgnant pilotou no rally Paris/Dakar.
    Agradeço, de antemão, a gentileza.

  14. Sérgio Vaz
    Postado em 28 dezembro 2015 às 6:53 pm | Permalink

    Olá, Sérgio.
    No filme “Um Homem, Uma Mulher” (1966), o personagem de Jean-Louis Trintignant dirige um Mustang, conforme informa o IMDb (veja abaixo). Mas ele corre é no rally de Monte Carlo.
    What kind of car did Jean-Louis drive in the Monte Carlo rally?
    1966 Mustang. All of his cars were Mustangs of one sort or another.

    No filme “Um Homem, Uma Mulher 20 Anos Depois” (1986) é que o personagem corre no rally Paris-Dacar.
    Aí parece que ele dirige um Mitsubishi Pajero 1982. Veja nesta página:
    http://www.imcdb.org/movie_92130-Un-homme-et-une-femme,-20-ans-deja.html
    Um abraço.
    Sérgio

  15. Renato Osternack
    Postado em 6 janeiro 2016 às 4:35 pm | Permalink

    Inesquecível e eterno filme e musica !!!!

  16. MARCIA Bioni
    Postado em 29 outubro 2017 às 8:51 pm | Permalink

    Aqui Pierre Barouh comenta autoria da música
    “Paroles des chansons Pierre Barouh. Samba (Sarava) Baden Powel Vinicius de Morae

    https://www.youtube.com/watch?v=1mRrskWd42c

    Agradeço pelos comentários, certamente vão contribuir para uma apresentação dos melhores filmes da “Nouvelle Vague”.

  17. Sérgio Vaz
    Postado em 1 novembro 2017 às 2:42 pm | Permalink

    Delícia, Márcia!
    Muito obrigado por mandar o link.
    Um abraço.
    Sérgio

15 Trackbacks

  1. […] da cena em movimento, do tal do grego kinema, movimento. Como eu disse na tal matéria: em 1966, em Um Homem, Uma Mulher, ele era um fiapo de história com uma profusão de imagens […]

  2. […] Lelouch, o cineasta, não mudou nada, desde Um Homem, Uma Mulher, Palma de Ouro no Festival de Cannes e Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 1966, até este Um […]

  3. […] Lelouch cita a si próprio: na cadeia, antes da anistia de fim de ano que beneficia o personagem central, os prisioneiros assistem a Um Homem, Uma Mulher/Um Homme et Une Femme. […]

  4. […] estão falando: a diretora Cécile Telerman, assim como Lelouch fez genialmente em algumas cenas de Um Homem, Uma Mulher, corta o som das vozes – pois afinal estão falando apenas banalidades sem importância – e nos […]

  5. Por 50 Anos de Filmes » Viver por Viver / Vivre pour Vivre em 16 fevereiro 2011 às 4:45 pm

    […] por Viver é dessa época. Foi feito em 1967, logo após o tremendo, espetacular sucesso mundial de Um Homem, Uma Mulher, de 1966, Palma de Ouro em Cannes, Oscar de melhor filme estrangeiro, Oscar de melhor roteiro […]

  6. […] – mas não se ouve o que eles falam. Robert Mulligan, o diretor, certamente tinha visto Um Homem, Uma Mulher, em que Claude Lelouch havia criado essa coisa fantástica de o espectador não ouvir o que […]

  7. […] me explicar direito. Em geral, as histórias que Lelouch conta, sejam as mais simples, como a de Um Homem, Uma Mulher, de 1966, sejam as mais elaboradas, complexas, com subtramas e mais subtramas, como Um Homem, Uma […]

  8. Por 50 Anos de Filmes » Quando nasceram as estrelas em 20 junho 2011 às 7:24 pm

    […] Trintignant: Um Homem, Uma Mulher/Un Homme et Une Femme (1966); O Terraço/La Terrazza (1980); Casanova e a Revolução/La Nuit de Varennes (1982); Um […]

  9. Por 50 Anos de Filmes » Apenas uma Vez / Once em 15 dezembro 2014 às 5:46 pm

    […] lembrei de Um Homem, Uma Mulher, na seqüência em que vão todos para a praia, saindo do estúdio de gravação, num amanhecer, e […]

  10. […] aos 29 anos de idade, subiu ao palco para receber a Palma de Ouro do Festival de Cannes por Um Homem, Uma Mulher, saiu-se com uma frase de efeito, uma boutade: disse que, dali a 20 anos, iria voltar a Cannes para […]

  11. […] de emprestar seu nome e seu charme ao filme que tornaria Claude Lelouch conhecido no mundo inteiro, Um Homem, Uma Mulher, de […]

  12. Por 50 Anos de Filmes » Antoine et Colette em 17 abril 2015 às 1:46 am

    […] mas ninguém poderia acusá-lo de plagiar seu conterrâneo e contemporâneo: em 1966, quando Um Homem, uma Mulher conquistou a Palma de Ouro no Festival de Cannes, ele anunciou que dali a 20 anos voltaria a Cannes […]

  13. Por 50 Anos de Textos » A década que coloriu o cinema em 27 outubro 2015 às 2:31 am

    […] beleza de Anouk Aimée também pode ser vista em P&B (em Lola, em Oito e Meio) e em cores em Um Homem, Uma Mulher (1966), o filme de Claude Lelouch que ganhou a Palma de Ouro de Cannes e o Oscar de melhor filme […]

  14. […] que se reencontraram os dois, Lelouch e o ator que ajudou a garantir o extraordinário sucesso de Um Homem, Uma Mulher, lançado quatro anos antes, em […]

  15. […] 1966, em Um Homem, Uma Mulher, Lelouch contou uma história que pode ser resumida assim, como eu resumi num texto de 1986, 20 […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*