A Festa de Babette / Babettes Gaestebud


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Filme estranho e fascinante. Permite várias leituras. Levei tempos para vê-lo; perdi no cinema, e nunca tinha me animado a ver, até agora – e acabei vendo pra resenhar na revista Barbara. Como seria uma resenha da história?

Na Jutlândia, península da Dinamarca, no século XIX, um pastor abnegado cria suas duas lindas filhas dentro de rígidos padrões religiosos e de desapego aos bens materiais. Uma delas atrai um oficial vaidoso e ambicioso, que abre mão dela em busca das glórias materiais. A outra encanta um cantor francês, que quer fazê-la uma grande cantora no circuito lírico; mas ela abre mão disso para se manter no seu vilarejo pobre e perdido naquele fim de mundo.

Reencontramos as duas muitos anos mais tarde, o pastor já morto, duas velhinhas solteiras, bondosas, caridosas, que acolhem em sua casa – a pedido do cantor – Babette, uma refugiada francesa que tinha perdido o marido e o filho na guerra.

Durante 14 anos, Babette trabalha esforçadamente para as duas, em troca de nada. Quando ganha 12 mil francos na loteria, faz um pedido: que as patroas permitam que ela prepare um verdadeiro jantar francês para a comemoração dos cem anos do nascimento do pastor.

Ao jantar – para 12 pessoas, como na Santa Ceia – comparecem os velhinhos seguidores do pastor e mais o oficial, agora um general. O jantar é um banquete esplendoroso. Só ao final Babette revela o segredo que guardara durante os 14 anos de exílio: ela havia sido a cozinheira-chefe em um dos mais finos restaurantes de Paris, e para preparar o banquete gastou tudo o que ganhou na loteria. E explica que fez isso seguindo um ensinamento do cantor: a de que, quando damos o melhor de nós, podemos fazer uma obra de arte.

Pode ser entendido – e foi como eu inicialmente entendi – como uma celebração aos valores espirituais e religiosos, capazes de vencer os valores menores, como a vaidade, o orgulho, a ambição, o apego aos bens materiais.

Pode ser entendido como um compêndio de oportunidades desperdiçadas – a filha do pastor que abre mão da possibilidade de amar e de uma carreira internacional como artista, a outra filha que só teve o amor platônico à distância do jovem oficial que a atraiu, o próprio oficial que colocado na encruzilhada vacilou mas acabou escolhendo a carreira, a ambição, mas sem o amor, a própria Babette que abre mão de sua arte para mostrá-la uma única vez.

Pode até, conforme o gosto do freguês, ser entendido como uma ode aos prazeres dos sentidos que na verdade seriam melhores que os do espírito. Pode ser entendido como uma defesa da união entre as duas coisas, espírito e carne, que é afinal o resultado banquete de Babette.

Ao fim do jantar, o general faz um interessante discurso sobre as oportunidades que se apresentam diante de nós, a encruzilhada, as duas estradas que se abrem como no poema de Robert Frosg, o momento de decidir entre um caminho e outro.

Copiei o trecho mais interessante:

 “Na sua fraqueza e miopia, o homem acha que tem que fazer uma escolha na vida, e teme o risco que corre. Nós conhecemos o medo. Mas não, toda escolha é sem importância. Chegará a hora em que nossos olhos se abrirão e finalmente reconheceremos que a Graça não tem fim. É só esperar confiante para receber a gratidão. A Graça não exige nada. E tudo que escolhemos nos foi dado, e tudo de que desistimos nos foi concedido. Sim, teremos ainda de volta o que jogamos fora.”

 O Maltin, que deu quatro estrelas, fez uma resenha que me pareceu correta, exceto, talvez, quando diz que as duas irmãs usam a religião como um substituto para viver a vida:

Exquisite, delicately told tale of two beautiful young minister’s daughters who pass up love and fame to remain in their small Danish village. They grow old, using religion as a substitute for living life … and then take in Parisian refugee Audran, a woman with a very special secret. Subtle, funny and deeply felt, with several wonderful surprises: an instant masterpiece that deservedly earned a Best Foreign Film Academy Award. Axel wrote the screenplay, from an Isak Dinesen short story originally published in the Ladies Home Journal. Don’t miss this one.

A Festa de Babette/Babettes Gaestebud

De Gabriel Axel, Dinamarca, 1987.

Com Stéphane Audran, Birgitte Federspiel, Bodil Kjer, Vibeke Hastrup, Hanne Stensgard, Bibi Andersson (pequena participação especial), Jean-Philippe Lafont, Gudmar Wivesson, Jarl Kulle

Roteiro Gabriel Axel

Bas em conto de Karen Blixen

Cor, 102 min.

4 Comentários

  1. Katia Ganzelevitch
    Postado em 27 julho 2011 às 7:04 pm | Permalink

    Um dos meus filmes preferidos, um dos melhores: A Festa de Babette.

  2. Dininha
    Postado em 5 outubro 2011 às 4:55 am | Permalink

    Eu sou fã declarada do cinema europeu. O motivo é simples, pois a maioria dos filmes europes causa dois efeitos colaterais: estranheza e fascinação. É o caso desse. É passivo de várias interpretações, pois os personagens são riquíssimos e têm histórias igualmente fascinantes. É um filme para ser delicadamente saboreado.

  3. Dininha Torres Luize
    Postado em 11 outubro 2011 às 5:40 pm | Permalink

    Eu adoro o cinema europeu, pois passa longe da fórmula comercial que tanto sucesso faz nos EUA. A sensação que eu tenho quando assisto a filmes europeus, como este “A festa de Babette” é de que o diretor faz uma obra literalmente autoral,onde o que realmente importa é o seu próprio sentimento, suas próprias ideias e convicções. O espectador gostou? Que bom! Não gostou? Paciência, problema dele que não entendeu!
    Ou seja, são filmes que nos fazem pensar. Buscar as frases não ditas, os sentimentos encobertos por aparências comuns e, principalmente, um pouco de nós mesmos nos personagens.
    “A festa de Babette” permite várias leituras. Vi e revi o filme várias vezes e, a cada uma, percebia uma nuance diferente, parecida com as contidas nos comentários anteriores.
    Minha impressão final é de que a protagonista, Babette, realiza o seu último grande sonho: alimentar corpos e almas com sua arte culinária, num banquete de sabores e sentimentos. É como realizar uma viagem sonhada e planejada durante anos, cujas fotos e recordações servirão como manancial de felicidade até seus últimos dias. Enfim, é a realização pessoal proporcionada pelo reconhecimento profissional.

  4. Ivan
    Postado em 18 julho 2012 às 3:52 pm | Permalink

    Um filme sensível, lindo, emocionante. Teriam
    elas, Filippa e Martina, renunciado ao amor a
    felicidade a uma vida melhor?Eu acho que não.
    Nao obstante, o pai delas ser um pastor, acho
    sim, que ele castrou esses sentimentos nelas.
    Achei que ele não quería vê-las casadas. Lembro da cena em que um jóvem entra na casa do pastor e ele diz para o rapaz que as filhas são como suas mãos para sua labuta.
    E, se ele tería coragem de tirar uma delas.
    Tería o rapaz pedido a mão de uma delas?
    Por que a Filippa desistiu “assim” de vir a ser uma estrela em Paris? O pastor ficou feliz nessas duas situações.Não tería sido ele (pastor)o motivo? Enfim. . .
    Lembro da cena em que Papin(o tenor)diz na carta que manda para Filippa que ” a tumba nos espera a todos”; eu entendi que ele quis dizer na riqueza ou pobreza.Mas,isso impede
    que tentemos ter uma vida melhor,mais conforto, etc…? Isso, ele tentando entender
    os motivos pelos quais ela desistiu.
    Sergio, por favor, não me queira nem me entendas mal, isto não é um reparo na tua explanação do filme,mas, foram 10.000 francos
    que a Babette ganhou na loteria e eu entendi que o jantar sería para 11 pessôas (as duas irmãs,os 8 velhinhos e a tia do General).
    Acabou sendo para 12 pessôas, porque o General foi convidado a pedido de sua Tia.
    A própria Martina diz isso para a Babette que respondeu que o jantar daría tbm para 12.
    Uma coisa que achei interessante, os velhihos
    diziam que não fariam comentários sôbre a comida e bebida mas, foi só o Gal. opinar sôbre o saboroso vinho, que a partir daí todos eles foram sucumbindo ao proposto. Uma das velhinhas, ao beber a agua, fez cara feia e,pôs de lado e bebeu o vinho estalando a lingua e lambendo os “beiços”. Um outro, opinou sôbre a bebida dizendo-a “gasosa” e, houve até quem não falasse com a boca mas, com os olhos disse tudo. Segredos foram ditos. Enfim, esse jantar, Sergio, pode ser entendido de todas as maneiras que disseste.
    Um filme muito lindo. Sergio, eu fiz spoiler,
    por favor, desculpe.

5 Trackbacks

  1. […] (Fabrice Luchini), é contratado para defender rica dama da sociedade do Mônaco, Edith Lasalle (Stéphane Audran), acusada de ter assassinado seu empregado e amante, um russo que, se suspeita, tem ligações com […]

  2. […] por Adeus, Meninos. Foram duas indicações ao Oscar: o de melhor filme estrangeiro (perdeu para A Festa de Babette) e o de melhor roteiro (perdeu para Feitiço da Lua, uma […]

  3. Por 50 Anos de Filmes » Caramelo / Sukkar Banat em 4 Maio 2013 às 8:56 pm

    […] que é mais um filme sobre a magia da culinária, como Chocolate, Como Água para Chocolate, A Festa de Babette, Simplesmente Marta. Não, nada disso. É que o caramelo – me informa Mary – é usado na […]

  4. Por A festa de Babette | Cine-Fórum CCB em 1 Abril 2014 às 8:22 pm

    […] A festa de Babette — Sérgio Vaz (50 Anos de Filmes) […]

  5. Por 50 Anos de Filmes » Chef em 15 Maio 2015 às 8:02 pm

    […] Filmes que, por sua vez, devem muito, creio eu, a dois antecessores finíssimos: o dinamarquês A Festa de Babette (1987) e o americano Tomates Verdes Fritos […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*