Assassinato no Expresso Oriente / Murder on the Orient Express


Nota: ★★★☆

Anotação em 2007, com complemento em 2008: No mesmo mês, revimos dois dos melhores, mais bem cuidados filmes baseados em novelas de Agatha Christie – Morte Sobre o Nilo e este aqui. 

É interessante como a história se baseia no caso do seqüestro do bebê Lindbergh, o caso que emocionou mais de meio mundo em 1932. Não me lembro se é assim no livro da velhinha inglesa doida, mas, no filme, parece a reconstituição exata da história.

O filme começa com o seqüestro do filho de um bilionário, um herói da aviação. (Não se usa o nome de Charles Lindbergh, mas o caso obviamente é a reprodução do de seu filho.) A história é fartamente noticiada nas manchetes dos jornais; pouco depois, a criança é encontrada morta.

Há então um corte no tempo, e estamos embarcando no luxuoso Orient Express em Istambul. Hercule Poirot, o famoso detetive belga – aqui interpretado por Albert Finney – está a bordo. Numa noite da viagem, quando o trem tem que interromper sua viagem rumo a Paris devido a uma tempestade de neve, um milionário americano (Richard Widmark) é assassinato com diversas facadas.

Como em Testemunha de Acusação, Agatha Christie faz a defesa da vingança com as próprias mãos – um horror. Mas o luxo e o cuidado de toda a parte técnica – fotografia, direção de arte, reconstituição de época, figurinos – e o elenco cheio de grandes estrelas e astros são ótimos. É gente demais: Lauren Bacall, Martin Balsam, Ingrid Bergman, Jacqueline Bisset, Jean-Pierre Cassel, Sean Connery, John Gielgud, Wendy Hiller, Anthony Perkins, Vanessa Redgrave, Michael York.

Ingrid Bergman ganhou o Oscar de atriz coadjuvante por sua interpretação da missionária sueca Greta Ohlsson. Foi o terceiro Oscar do rosto mais estupendamente belo que já povoou as telas dos cinemas; ela havia ganho o prêmio de melhor atriz por À Meia Luz/Gaslight, de 1944, e por Anastácia, a Princesa Esquecida/Anastasia, de 1956; foi também indicada para o prêmio por Por Quem os Sinos Dobram/For Whom the Bell Tolls, de 1943, Os Sinos de Santa Maria/The Bells of St. Mary’s, de 1945, Joana d’Arc, de 1948, e Sonata de Outono/ Höstsonaten, de 1978.

Apesar de todo o luxo da produção – ou talvez também por causa dele -, é o filme menos pessoal, acho, do grande Sidney Lumet. Ele está longe de seus filmes que defendem teses progressistas, liberais, e dos bons retratos psicológicos de personagens interessantes; aqui, ele trabalhou não como o autor que em geral é, mas como um diretor de linha de montagem. Isso não prejudica em nada o filme – é só uma constatação.

Assassinato no Expresso Oriente/Murder on the Orient Express

De Sidney Lumet, Inglaterra, 1974.

Com Albert Finney, Lauren Bacall, Martin Balsam, Ingrid Bergman, Jacqueline Bisset, Jean-Pierre Cassel, Sean Connery, John Gielgud, Wendy Hiller, Anthony Perkins, Vanessa Redgrave, Michael York, Richard Widmark

Roteiro Paul Dehn

Baseado no livro de Agatha Christie

Produção Paramount

Cor, 128 min.

R, ***

Um Comentário

  1. Rafael Calmon
    Postado em 18 agosto 2011 às 1:06 pm | Permalink

    Olá Sérgio, descobri seu site procurando por uma resenha de “Raise the Titanic” e encontrei um texto muito bem escrito! De cara, ganhou mais um visitante frequente fanático por filmes.

    Assassinato no Expresso do Oriente tinha tudo na minha opinião para ser o filme mais difícil dentre as adaptações de um livro de Agatha Christie pela quantidade de pensonagens enclausuradas em um trem fechado (e realmente deve ter sido!). E por isso um diretor genial e um ótimo roteiro adaptado entram em cena e o transformam em um grande filme a meu ver.

    Abs!

9 Trackbacks

  1. […] acusação ficará a cargo do coronel Tad Lawson (Richard Widmark, na foto ao lado), que um dos dois juízes que trabalharão junto com Dan Haywood definirá como […]

  2. […] absolutamente difícil – tão difícil quanto fascinante de se ver, na literatura ou no cinema. Agatha Christie criou histórias assim – só para lembrar de um dos nomes mais famosos do universo das histórias […]

  3. […] Agatha Christie (1890-1976), aquela velha inglesa louca de pedra, criou, sei lá, mais de 400 histórias. Tinha mais idéias de histórias do que o Tio Patinhas tinha moedas em seu cofre, e felizmente viveu muito. Qualquer professor de literatura terá trocentos argumentos para dizer que Agatha Christie é uma autora menor – mas as pessoas não dão a menor bola para o que os doutores falam em suas emproadas teses. As pessoas adoram as histórias envolvendo crimes, e a velhinha louca soube como ninguém bolar essas histórias. […]

  4. Por 50 Anos de Filmes » O Veredito / The Verdict em 9 Abril 2011 às 3:59 pm

    […] Assassinato no Expresso Orient/Murder on the Orient Express […]

  5. […] Satânico Dr. No/Dr. No, de 1962, e Moscou Contra 007/From Russia With Love, de 1963, com o grande Sean Connery como o agente com licença para matar. Pensei em escrever uma anotação sobre os dois. Afinal, um […]

  6. […] “Você Freud, eu Jane?” – desafia Marnie (Tippi Hedren) a Mark Rutland (Sean Connery), o homem que se dispõe a tudo para ajudá-la, embora ela rejeite qualquer tipo de […]

  7. […] * Tanto Bing Crosby quanto Ingrid Bergman haviam sido premiados com o Oscar no ano anterior ao lançamento do filme – ele por O Bom Pastor, ela por À Meia Luz/Gaslight. Ingrid voltaria a ganhar o Oscar de melhor atriz por Anastasia, de 1956, e de coadjuvante por Assassinato no Expresso Oriente. […]

  8. […] estão lá: Laurence Olivier faz o papel de Piotr Ilyich Kamenev, o primeiro-ministro russo, e John Gielgud interpreta o velho papa. Oskar Werner, o Jules de Jules et Jim e o bombeiro de Fahrenheit 451, […]

  9. Por Assassinato no Expresso Oriente | Cine-Fórum CCB em 15 setembro 2015 às 8:10 pm

    […] Assassinato no Expresso Oriente — Sérgio Vaz (50 Anos de Filmes) […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*