Absolutamente Certo!

Nota: ★☆☆☆

Anotação em 1999: Eis aí um filme absolutamente ruim e absolutamente intrigante: como é possível que o Anselmo Duarte tenha feito isso em 1957 e, apenas cinco anos depois, O Pagador de Promessas? Como é possível que ele tenha aprendido tudo em cinco anos? É ruim demais da conta; é tão caricaturalmente mal feito que até parece aqueles filmes propositalmente idiotas do tipo Apertem os Cintos que o Piloto Sumiu.  Os atores todos são absolutamente lastimáveis, como se estivéssemos no pior dos programas de humor de décima-nona categoria de televisão ruim. Os diálogos são horripilantemente horrorosos, grotescos. As cenas de lutas são forçadas, ridículas. Tudo é extremamente amador no pior sentido do termo, no sentido de falta de domínio da mais básica técnica. Para enrolar os cerca de 90 minutos, há umas dez cenas musicais, do pior nível possível.

E, no entanto, é um interessante documento histórico – pelas cenas filmadas nas ruas da São Paulo de 1957 (que cidade fascinante!), pelo que mostra da TV brasileira aos sete anos de idade, pela ingenuidade ginasiana, e exatamente pelo fato de ter sido dirigida pelo primeiro e até hoje único brasileiro a ganhar a Palma de Ouro em Cannes.

E, ainda, pelo fato de ter se antecipado quatro décadas ao grande Quiz Show de Robert Redford – os dois abordam o mesmo tema, os programas de TV em que os convidados têm que responder a perguntas feitas pela produção..

Vamos aos alfarrábios.

Fantástico: o Dicionário de Cineastas de 1988 do Rubinho Ewald não tem Anselmo Duarte. Segundo o Dictionnaire du Cinéma – Les Réalisateurs, do Jean Tulard, este foi o primeiro filme dirigido por ele. O seguinte foi O Pagador, que obteve “la palme d’or à la surprise générale”. Salvyano Cavalcante de Paiva confirma que este foi o filme de estréia de Anselmo Duarte na direção.

Absolutamente Certo!

De Anselmo Duarte, Brasil, 1957.

Com Anselmo Duarte, Aurélio Teixeira, Odette Lara, Dercy Gonçalves, Maria Dilnah, Ambrósio Fragolente

Roteiro Anselmo Duarte e Talma de Oliveira

Argumento Jorge Iléli e Jorge Dória

Fotografia Chick Fowle

Música Enrico Simonetti

Produção Oswaldo Massaini, Cinedistri

P&B, 95 min.

5 Comentários

  1. mario silva
    Postado em 7 julho 2011 às 6:21 pm | Permalink

    Discordo frontalmente de sua análise. É uma chanchada deliciosa. Na época, o filme (ou a
    fita) obteve um sucesso de bilheteria espetacular, o que possibilitou a realização de O PAGADOR DE PROMESSAS. Lamentavelmente,
    ainda não foi dado a Anselmo o reconhecimento devido. Ele foi o grande galã do cinema nacional nos anos 50. Era um bom
    ator. Dercy está notável como a sogra e dona
    do televisor do quarteirão. Sociologicamente,
    o filme é remarcável por exibir a situação da classe média baixa da periferia e mostrar
    o fenômeno da televisão em seus primórdios,
    quando um vizinho mais ousado, ou mais bem
    situado economicamente, adquiria o aparelho e
    toda a vizinhança – quando não convidada – se
    postava na janela para “espiar”…E, ainda há
    Eliana, Aurélio Campos como apresentador (ele apresntava o “quiz” O CÉU É O LIMITE”, o
    programa de maior sucesso na época; depois, foi vereador, ou deputado estadual, não me recordo direito), Paulo de Jesus (nosso mais
    brilhante e técnico pugilista da época), etc. Talvez, não fora esse filme e não recordaríamos desses rostos saudosos… Perdoe-me a discordância veemente, mas esse
    filme foi um dos prediletos de minha infância e de meus irmãos, e por esse motivo
    eu tenho seu DVD.

  2. Sérgio Vaz
    Postado em 7 julho 2011 às 7:19 pm | Permalink

    Caro Mario, agradeço muito por seu comentário, rico, informativo.
    É extremamente salutar para mim, e enriquecedor para o site, receber comentários com opiniões diferentes das minhas.
    Um abraço, e, mais uma vez, obrigado.
    Sérgio

  3. Postado em 1 julho 2013 às 4:26 pm | Permalink

    É maravilhoso a comédia “Absolutamente Certo”; Anselmo Duarte revolucionou o cinema nacional acabando com as “chanchadas” e apresentando um filme sério e agradável de se ver. Parabéns a todos os participantes: quer principais como os extras.

  4. carlos
    Postado em 18 outubro 2015 às 12:29 pm | Permalink

    Meus gostos pessoais devem ser absolutamente duvidosos pois eu simplesmente ADOREI esse filme, me diverti muito.Dercy Gonçalves estava impagavel na pele da “sogra” rabugenta.Fora que eu viajei na Sao Paulo antiga…saborosa comedia

  5. Sérgio Vaz
    Postado em 19 outubro 2015 às 1:34 pm | Permalink

    Caro Carlos,
    Antes de mais nada, obrigado por enviar o comentário!
    É como eu sempre digo: minha opinião pessoal não vale mais que 3 centavos de guaranis paraguaios furados… Quer dizer: é só uma opinião, e cada pessoa tem todo o direito de ter a sua!
    Que bom que você gostou do filme!
    Um abraço.
    Sérgio

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*