Criminal: Espanha / Criminal: España

Nota: ★★★☆

Os três episódios da série Criminal: Espanha são inquietantes,  perturbadores. Não sei se a intenção geral do conjunto de séries Criminal – além da espanhola, há as feitas na Alemanha, na França e no Reino Unido – é exatamente essa, mas, para mim, foi o que marcou. Continue lendo “Criminal: Espanha / Criminal: España”

Os Boas Vidas / I Vitelloni

Nota: ★★★★

Lançado em 1953, o ano em que se passa a ação – bem no início, vemos a festa do anúncio da Miss Sirena 1953 –, Os Boas Vidas/I Vitelloni foi o terceiro filme dirigido por Federico Fellini, depois de Mulheres e Luzes e Abismo de um Sonho, e logo antes de A Estrada da Vida, a obra que iniciou sua consagração como um dos maiores realizadores da História. Continue lendo “Os Boas Vidas / I Vitelloni”

Um Dia Perfeito / A Perfect Day

Nota: ★★★½

Por um bom tempo depois que vimos Um Dia Perfeito/A Perfect Day, produção espanhola de 2015 de Fernando León de Aranoa, fiquei pensando no título de um livro hoje pouquíssimo conhecido, Misérias e Grandezas do Nosso Futebol, e no deslumbrante verso do Caetano, “a força da grana que ergue e destrói coisas belas”. Continue lendo “Um Dia Perfeito / A Perfect Day”

O Inocente / El Inocente

Nota: ★★½☆

Para quem gosta de série com muita violência, reviravolta, mulheres sendo duramente espancadas, sexo com altas doses de sujeira, tara, violência, reviravolta, tomadas de cadáveres rasgados, decompostos, violência, reviravolta, trama artificial que nem plástico sem qualquer coisa a ver com a vida real, situações que só existem em ficção criada por escritores especialmente imaginativos, violência e reviravolta, O Inocente é a mais absoluta perfeição. Continue lendo “O Inocente / El Inocente”

A Fraternidade é Vermelha / Trois Couleurs: Rouge

Nota: ★★★★

Ao encerrar a Trilogia das Cores, no que viria a ser o seu último longa-metragem para o cinema, Krzysztof Kieslowski fez uma obra-prima sobre a vida o amor a morte, uma ode às coincidências e aos acasos. Um quarto de século antes de o papa que veio do fim do mundo colocar o verso de Vinicius de Moraes em uma encíclica, Trois Couleurs: Rouge comprovou que a vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida. Continue lendo “A Fraternidade é Vermelha / Trois Couleurs: Rouge”

Un + Une

Nota: ★★★☆

Há algum tempo não via filmes de Claude Lelouch – e Claude Lelouch, exatamente como sua personagem Anne Gauthier, faz um filme atrás do outro, um atrás do outro, sem parar, loucamente. Vi agora Un + Une, o Lelouch 2015, e é incrível: ele não mudou quase nada desde 1966! Continue lendo “Un + Une”

As Amigas / Le Amiche

Nota: ★★★☆

Em As Amigas, de 1955, seu quarto longa-metragem como realizador, Michelangelo Antonioni já antecipava as características básicas do que deixaria críticos e cinéfilos do mundo inteiro de queixo caído – e um monte de gente surpresa e indignada – cinco anos depois, com A Aventura, e logo em seguida A Noite (1961) e O Eclipse (1962). Continue lendo “As Amigas / Le Amiche”

Robin e Marian / Robin and Marian

Nota: ★★★☆

Robin e Marian, que Richard Lester dirigiu em 1976, é um bom filme de aventuras e batalhas, mas é, sobretudo, uma esplêndida, maravilhosa história de amor – o reencontro de dois amantes após 20 anos de separação. A magnífica, gloriosa oportunidade do reencontro quando os amantes já estão bem longe da juventude – e são interpretados, meu Deus do céu e também da Terra, por um Sean Connery de barba grisalha e uma Audrey Hepburn que havia desaparecido das telas de cinema por longos nove anos, desde Um Clarão nas Trevas, de 1967. Continue lendo “Robin e Marian / Robin and Marian”