Palácio Real / Palais Royal!


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 2008: Outro filme do subgênero Os franceses também sabem fazer comedinhas bobinhas. Passa-se num reino europeu fictício, onde a família real é cheia de problemas, invejas, brigas, traições. Fica parecendo uma crítica à monarquia inglesa, ou, no mínimo, à família real do outro lado do Canal da Mancha.

Vejo no iMDB dois comentários: “O pior filme de todos os tempos em toda a galáxia” e “Horroroso, horroroso, horroroso”.

Não achei tudo isso. É bem fraquinho mesmo, mas nem tanto assim. Tem um bom elenco, algumas boas piadas.

A diretora e co-roteirista Valérie Lemercier – ela mesma uma excelente atriz, que dá um show em Um Lugar na Platéia/Fauteuils d’Orchestre – optou por um tom de farsa descarada, um pastelão aberto, como as comédias muito antigas, dos anos 30. 

Este foi o terceiro filme de Valérie Lemercier como diretora. Ela interpreta Armelle, uma plebléia desengonçada, deselegante, feiosa, destrambelhada, que é casada com o príncipe Arnaud, o segundo filho do casal real. Quando morre o rei, a rainha (Catherine Deneuve, aquela deusa) mexe os pauzinhos para alterar a ordem sucessória e colocar Arnaud como rei. Armelle, a princípio totalmente sem jeito no papel de rainha, vai descobrindo que é fácil encantar os súditos, e cada vez vai tomando mais gosto pela coisa – de gata borralheira, vai virando uma Cinderela, ou melhor ainda, uma Princesa Diana.

Bom para se esquecer dez minutos depois que termina. Mas não chega a ser o pior filme da galáxia.

Palácio Real/Palais Royal!

De Valérie Lemercier, França, 2005.

Com Valérie Lemercier, Catherine Deneuve, Lambert Wilson, Michel Aumont, Mathilde Seigner

Argumento e roteiro Brigitte Bue e Valérie Lemercier

Música Diego Grimblat

Produção Rectangle

Cor, 110 min.

*

3 Comentários para “Palácio Real / Palais Royal!”

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.