Nove Rainhas / Nueve Reinas


Nota: ★★★½

Anotação em 2007, com complemento em 2008: Delícia de filme sobre dois vigaristas agindo em Buenos Aires, um mais esperto que o outro, numa história cheia de surpresas e viradas, à la David Mamet, à la Golpe de Mestre/The Sting.

O novo cinema argentino está com tudo.

O filme começa com Marcos (o papel de Ricardo Darín), um vigarista escoladíssimo, e que se acha o maioral, vendo um rapaz mais novo, Juan (Gastón Pauls), dando um conhecido golpe de troco na caixa de uma loja; em seguida, quando Juan tenta dar o mesmo golpe em outra loja, ele é flagrado, mas consegue fugir. Marcos vai atrás dele, se oferece para ensiná-lo outros truques, outras sacanagens mais rentáveis.

Os dois acabarão envolvidos em um golpe milionário, relacionado com a venda de preciosíssimos selos, as Nove Rainhas do título. Evidentemente, Marcos vai tentar passar a perna em Juan. A questão é que Juan é, ele também, escoladíssimo, sabe de todas as malandragens possíveis e um pouco mais.

O filme é cheio de cenas filmadas nas ruas de Buenos Aires, com extrema habilidade e competência. Parece coisa de um diretor experiente, veterano – e no entanto foi o primeiro longa-metragem dirigido por Fabián Bielinsky, autor também do argumento original e do roteiro. 

Nove Rainhas colecionou nada menos que 21 prêmios em festivais mundo afora.

Nove Rainhas/Nueve Reinas

De Fabián Bielinsky, Argentina, 2000.

Com Ricardo Darín, Gastón Pauls, Letícia Brédice

Argumento e roteiro Fabián Bielinsky

Música Cesar Lerner

Cor, 114 min.

***1/2

6 Comentários

  1. Postado em 26 março 2011 às 10:33 pm | Permalink

    o mais legal desse filme é a conclusão (sem entregar o ouro); o vigarista por mais esperto que seja sempre será roubado pelos reis dos vigaristas do mundo: os bancos..

  2. Ivan
    Postado em 23 janeiro 2013 às 2:13 pm | Permalink

    Acabei de assistir. Assim como aconteceu quando comentei sôbre o filme “O silêncio do lago”,quando falei que vi primeiro a refilmagem e,gostei mais que o original que nem sabia existir,aqui neste foi o mesmo.
    Vi primeiro a refilmagem – “171 criminal” com John C. Really há algum tempo e,também não sabia que 9 rainhas era o orginal. Só que aqui, gostei muito mais deste.
    Gosto muito do ator Ricardo Darín,esteve ótimo em Abutres,A dançarina e o ladrão,O filho da noiva,Elefante Branco,vi todos(claro). Esteve ainda melhor em O segredo de seus olhos (ainda não comentei sôbre ele no site). Prá variar,está ótimo aqui também e,muito bem acompanhado pelo Gastón Pauls.
    O Marcos nos mostra um enorme exemplo de incivilidade jogando um monte de coisas na rua. É uma história simples que nos envolve por completo aliás, um ótimo roteiro.
    Nove Rainhas é mais um exemplo do que digo quando é possível fazer, seja onde for,bons filmes gastando pouco dinheiro e usando muita criatividade.
    Caramba !! É malandro por todo lado neste filme e, na verdade, achei que o Marcos era “café pequeno” em relação ao Juan.
    Ótima fotografia, muito bom humor, ótimas cenas e ótimos diálogos também.
    Um final que realmente surpreende. É aquela tal história de que todo malandro acha que todo mundo é otário e daí . . .
    Por falar nisto achei que a última cena onde todos estão reunidos tinha de ser mais clara.
    Isto é, uma a um, mostrar como bolaram o plano, como começou, como foram se reunindo.
    Li em curiosidades que este filme foi um sucesso estrondoso do ano na Argentina com mais de um milhão e meio de espectadores e arrecadando mais de 5 milhões de Pesos.Como dizes,recebeu vários prêmios e outras tantas indicações. A lista é muito grande.
    E, a nota triste é que “Aura” foi o segundo e último filme deste diretor, F. Bielinsky.
    Ele morreu de infarto quando estava em São Paulo fazendo a promoção do filme.
    Isto que é uma curtíssima carreira. Que pena.
    Abraço, Sergio.

  3. Ivan
    Postado em 23 janeiro 2013 às 2:27 pm | Permalink

    Puxa vida! Esqueci uma coisa que (ao menos)para mim é importante. Sergio, quando viste este filme reparaste alguma coisa muito estranha nele ? Gostaría que também algum outro leitor aqui do site que viu o filme falasse sôbre isso.Depois de tua resposta digo o que vi, prefiro assim, obrigado.

  4. Sérgio Vaz
    Postado em 24 janeiro 2013 às 11:16 am | Permalink

    Ivan, caríssimo, já não me lembro… Algum muito estranho? Não, já não me lembro de ter reparado… Teria que ver de novo. Mas a lista de filmes a ver é tão grande, Ivan! Tem, inclusive, vários indicados por você!
    Um grande abraço!
    Sérgio

  5. Ivan
    Postado em 24 janeiro 2013 às 12:18 pm | Permalink

    Tudo bem Sergio, tudo bem, eu entendo. Não é que tenhas de ver outra vez não,não é o caso.
    Vou dizer. É uma coisa curiosa ou estranha mesmo como eu disse. Fora as imagens do filme em si,(claro) tôdas outras imagens que aparecem estão invertidas.Explico:Já começa com os créditos,tudo invertido. Quando o Marcos lê o jornal,as notícias, invertidas.
    Os números no armário todos invertidos. Quando eles conversam com a idosa na porta do apto dela,as letras do quadro na parede estão invertidas. Até a imagem de São Jorge que o menino no metrô distribui pedindo uns trocados, está invertida. Créditos finais estão invertidos. Realmente não entendi o que foi isso. Este filme eu assisti online não sei se tería algo a ver uma vez que já vi tantos outros assim e nunca aconteceu.
    Estranho. Era isso amigo, bom trabalho, bons filmes e, um abraço.

  6. Ivan
    Postado em 27 janeiro 2013 às 3:09 pm | Permalink

    Oi Sergio, consegui esclarecer as imagens invertidas deste filme. Como eu supunha,aqui neste caso teve a ver com o fator online.
    Na verdade, para mim nem isso foi, como já disse, vi vários filmes ótimos assim.
    Foi isto: Vi no youtube, dividido por partes e, talvez foi aí que aconteceu, porque ontém vi novamente no youtube, desta vez, inteiro.
    E, foi tudo normal como tinha de ser.
    Confesso que passei recibo de burro. Sim, porque no comentário anterior falei que fora as imagens do filme em si… elas também estavam invertidas é claro (isto eu digo agora). Quando revi o filme “inteiro” sem partes,foi que percebi. Exemplo, no filme por partes, o Ricardo Darín anda na beira da calçada e no outro ele anda na parte interna da mesma e, assim todo o resto. Deu para entender, com certeza. Tinha de haver uma explicação isso era certo. E, revi o filme todo com o maior prazer, é muito bom.
    E este outro com uma qualidade de imagem muito melhor que o ” invertido “.
    Quem postou por partes é que fez o estrago.
    É isso. Um abraço Sergio !!

2 Trackbacks

  1. Por 50 Anos de Textos » O Segredo dos Seus Olhos em 21 fevereiro 2010 às 3:12 pm

    […] Ricardo Darín, além de um belo rapaz, com cara (mesmo) de cantor de tango argentino, é o protagonista. Só isto […]

  2. […] um show de interpretação, em papéis que atravessam mais de 25 anos de história, de 1974 a 2001. Ricardo Darín, o ator mais conhecido do novo cinema argentino, é garantia de bons serviços prestados. Mas é […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*