Caminho Áspero / Tobacco Road


Nota: ½☆☆☆

Anotação em 2007, com complemento em 2008: Bola preta, a pior cotação possível. Só conseguimos ver com a ajuda da tecla do fast forward. Mestre John Ford faz um dos seus piores filmes, um dos piores da história. É um daqueles filmes que dão vergonha no espectador.

E é impressionante saber (os letreiros avisam) que esta é uma transposição para o cinema de uma peça de teatro que bateu recordes de público  – ficou oito anos seguidos na Broadway. A história, absolutamente grotesca, trata de uma família de caipiras num lugar perdido no Sul Profundo dos Estados Unidos, que no passado foi rica e na época da ação está na merda total, dominada por uma preguiça, uma indolência absoluta tão funda quanto o Sul.

A pobre coitada da Gene Tierney, aquela mulher de beleza sublime, então jovenzinha, aos 21 anos, se submete à humilhação de fazer uma garota quase débil mental, que não fala e se movimenta como uma macaca.

É tudo preconceituoso e racista, como raras vezes se vê no cinema. Não sou um escoteiro do politicamente correto, de jeito nenhum. Uma piadinha safada aqui e ali, nenhum problema. Mas este filme exagera.

Ou eu estava louco e não entendi nada? Vamos a outras opiniões. Leonard Maltin dá 2.5 estrelas em quatro e trata o filme como se fosse uma coisa normal: “Levemente divertida mas genuinamente estranha comédia séria sobre “pitoresca” comunidade no interior da Geórgia; vale a pena principalmente para ver Charlie Grapewin repetindo seu papel teatral como o alegre nunca-se-dá-bem Jeeter Lester. Adaptada (e sanitarizada por Nunnally Johnson) da peça que ficou longo tempo na Broadway, de Jack Kirlnad, baseada na novela de Erskine Caldwell.”

Pauline Kael critica, mas não com a veemência que eu esperava. Diz que a novela foi transformada numa tira cômica, que o humor rústico é sem sentido e que “a coisa toda parece desarrrumada”. E informa que o diretor Ford e o roteirista Nunnally Johnson se preveniram contra a censura. O livro sobre os filmes da Fox, The Filmes of 20th Centura Fox, reforça o que dizem Pauline Kael e Maltin: segundo ele, “a história apimentada foi de alguma maneira limpada na versão para o cinema, acentuando a comédia em vez da ignorância e crueza dos personagens rurais”.

Credo em cruz: quer dizer que na novela e no teatro era pior ainda? Inacreditável.

Caminho Áspero/Tobacco Road

De John Ford, EUA, 1941

Com Charlie Grapewin, Marjorie Rambeau, Gene Tierney, Dana Andrews

Roteiro Nunnally Johnson

Baseado na peça de Jack Kirlnad, por sua vez baseada na novela de Erskine Caldwell

Produção Daryl F. Zanuck, 20th Century Fox

P&B, 84 min.

Bola preta 

Um Trackback

  1. […] filmes que são pura e simplesmente abacaxis, como O Cais da Maldição ou Que Papai Não Saiba ou Caminho Áspero – embora sejam de diretores importantes, Don Siegel, George Stevens e John Ford, pela […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*