Pecado Original / Original Sin


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 2005, com complemento em 2008: O filme é ruim, bem ruim. OK, tem a beleza esplendorosa desse monumento Angelina Jolie, uma mulher que não parece em absoluto ser filha de Jon Voight, e sim uma criação de um desenhista que quer enlouquecer os pobres coitados dos homens (e boa parte das mulheres também), tipo Guido Crepax ou Wolinsky ou, por que não?, Carlos Zéfiro.

Mas, tirando Angelina Jolie, o resto é ruim, muito ruim. E o Banderas… Será que alguém acha que o Banderas sabe atuar?

De qualquer forma, ao longo do filme todo, fiquei com um nó na cabeça: cacilda, mas eu já vi essa história no cinema!

 Ah, sim, a história do filme. Aproveito um bom início de sinopse que acho no iMDB: “Um rico cubano exportador de café, Luis Vargas, publica anúncio à procura de uma esposa. Julia Russell, de Delaware, manda sua fotografia, mas a mulher que chega no navio é muito mais bela. Luis casa-se imediatamente com ela e apaixona-se perdidamente. Mas Julia pode não ser quem diz ser.” Isto é só o começo; depois tem muito mais.

Demorei bastante para lembrar o óbvio: é a mesma história de Sereia do Mississipi/La Sirène du Mississipi, que François Truffaut filmou em 1969, com Catherine Deneuve e Jean-Paul Belmondo. Na minha opinião, é um dos poucos filmes de Truffaut que não é bom – se não for o único ruim. Mas, claro, a história é a mesma, trocando uma coisa ou outra: Belmondo faz um riquíssimo exportador de tabaco em Madagascar (ou seria em Moçambique? tanto faz) que importa uma mulher da França; a mulher havia mandado um retrato numa carta, mas quem desembarca, meu Deus do céu e da terra, é Catherine Deneuve! Até aí, tudo bem – temos, como nos melhores noirs, uma femme fatale e um pato, um bobo, um bocó. Mas depois a história se enrola em mil implausibilidades.

 Fui aos alfarrábios e à internet, e eles explicam: este Pecado Original/Original Sin se baseia na novela Waltz into Darkness, de Cornell Woolrich. A Sereia do Mississipi, de Truffaut, se baseia na novela Waltz into Darkness, de William Irish. William Irish é o pseudônimo de Cornell Woolrich, que vem a ser uma espécie de Dashiell Hammett, um autor de histórias absolutamente noir dos anos 20 e 30.

Sereia do Mississipi na verdade foi o segundo filme de Truffaut baseado em história desse autor. A Noiva Estava de Preto, este sim um belo filme, de 1967, também é do Cornell Woolrich-William Irish.

Eu não sabia até fazer a consulta aos alfarrábios, mas também é de Cornell Woolrich-William Irish a novela que deu origem ao filme Janela Indiscreta/Rear Window, de Hitchcock.

O que é uma das linhas que fecham o círculo que une Truffaut e Hitch. São muitas as linhas, é claro. Truffaut sempre foi fã do inglês doido; fez o livro de entrevistas com ele; influenciado por ele, usou Bernard Herrmann, o melhor dos compositor das obras de Hitch, em seus filmes. A Noiva Estava de Preto é uma homenagem a Hitch, é todo no estilo do mestre. E então Truffaut foi buscar no cara que escreveu a base de Janela Indiscreta as histórias para dois de seus filmes.

OK – então é preciso dizer que foi graças a este filmeco Pecado Original que fiquei sabendo de várias informações que até são úteis. Agora, o filme em si é quase inteiramente inútil – até porque, meu Deus do céu e também da terra, o que dá na cabeça de alguém refilmar uma história que já foi feita por François Truffaut? Ele só não é inteiramente inútil por causa de Angelina Jolie.  

Pecado Original/Original Sin

De Michael Cristofer, França-EUA, 2001

Com Antonio Banderas, Angelina Jolie

Roteiro Michael Cristofer

Baseado no livro Waltz into Darkness, de Cornell Woolrich

Cor, 116 min. (Há uma versão sem classificação etária com 118 min.)

Um Comentário

  1. Mary Zaidan
    Postado em 9 setembro 2008 às 12:02 am | Permalink

    Tudo bem, o filme é mesmo ruim e quase que só se salva pela beleza de Angelina Jolie. Só não dá para ser machista e esquecer do Bandeiras que, mesmo sendo um ator medíocre enche a tela com sua beleza.

2 Trackbacks

  1. […] em que a história trágica, apavorante, criada por Tom Wolfe foi transformada numa comédia, e Pecado Original (2001), uma adaptação que me pareceu bem ruim do mesmo livro de Cornell Woolrich que inspirou […]

  2. Por 50 Anos de Filmes » Janela Indiscreta / Rear Window em 9 dezembro 2017 às 7:37 pm

    […] Pecado Original (2001), de Michael Cristofer; […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*