Atraídos pelo Crime / Brooklyn´s Finest

Nota: ★★½☆

Anotação em 2010: Um policial pesado, violento, sombrio, daquele tipo de filme que deixa a gente com a dura sensação de que a humanidade não tem jeito, não tem saída, não tem luz alguma no fim do túnel.

Tudo se passa no Brooklyn, em Nova York, como indica o título original, tragicamente irônico – Brooklyn’s Finest, o melhor do Brooklyn. Boa parte da ação acontece em um gigantesco conjunto residencial pobre onde parece acontecer mais crimes em um único mês do que no Rio de Janeiro de hoje em um ano – um lugar povoado por traficantes, viciados, prostitutas, criminosos de todas as espécies.

A trama – complexa, enrolada – acompanha as vidas duríssimas de três policiais. Eddie (Richard Gere) é alcoólatra, solitário, foi abandonado pela mulher; está a poucos dias de sua aposentadoria, depois de 22 anos na Polícia de Nova York. Tudo o que ele quer é que esse tempo passe bem depressa, sem que aconteça qualquer imprevisto, mas seu superior o incumbe de treinar um policial novato. E muitos imprevistos virão.

Tango (Don Cheadle) é conhecido e respeitado na vizinhança como um grande bandido, traficante dos bons, muito amigo de Caz, o bambambã do lugar (Wesley Snipes); passou alguns anos na cadeia, assim como Caz. Na verdade, chama-se Clarence e é um policial infiltrado entre os traficantes. Não suporta mais a vida dupla, quer sair daquilo, quer ter sua vida de volta, ter um trabalho burocrático, longe das ruas. Sua mulher, por quem é perdidamente apaixonado, está pedindo o divórcio.

Sal (Ethan Hawke) já tem uma penca de filhos, e sua mulher, Angela (Lili Taylor) está grávida de gêmeos – e tem problemas pulmonares. A casa em que vivem é velha, úmida, cheia de mofo, o que piora a saúde de Angela. Não tem espaço para receber mais dois filhos – e Sal, respeitado e querido pelos amigos, decide ganhar dinheiro do jeito errado, roubando dos traficantes.

         A boa trilha é de Marcelo Zarvos, brasileiro radicado nos EUA

É um bom filme, extremamente bem feito em todos os quesitos. Os atores todos têm belas interpretações. A música é envolvente, forte, amplia a sensação angustiante que o filme vai passando para o espectador. Nunca tinha ouvido falar do compositor, Marcelo Zarvos, um brasileiro que aparentemente está radicado há tempos nos Estados Unidos e estudou no respeitado Berklee College of Music.

Dois detalhes me chamaram atenção. A atriz Ellen Barkin faz um pequeno papel no filme, como uma agente policial graduada que exige que Clarence participe de uma determinada ação. Ela só aparece em duas seqüências.

Mais tarde, numa cena tristíssima, Eddie, o personagem de Richard Gere, canta para a mulher com quem andava transando, uma prostituta, a música Sea of Love, grande sucesso em 1959 e depois de novo, em nova gravação, em 1982. A canção é um elemento importante em um belo policial passado em Nova York, Vítimas de uma Paixão, de Harold Becker, de 1989, com Al Pacino e uma sensualíssima Ellen Barkin; o título original do filme é exatamente o título da música, Sea of Love. Foi uma bela homenagem a essa atriz de presença sempre forte, me pareceu, colocar a música no filme.

Não me lembro de ter visto outro filme do diretor Antoine Fuqua, que chegou ao cinema depois de uma carreira de sucesso como diretor de filmes comerciais e de videoclips – fez clips para, entre outros, Stevie Wonder e Prince.

         Gosto amargo

O filme deixa um gosto bem amargo. O que ele parece querer dizer é assim: por mais que se faça, não dá para controlar o crime e o tráfico de drogas; a polícia vai sempre perder a batalha; não adianta ser um policial honesto – não há recompensa nem reconhecimento; o salário do policial é baixo, a vida é perigosíssima, e a tentação da corrupção, do crime, é imensa.

Atraídos pelo Crime/Brooklyn´s Finest

De Antoine Fuqua, EUA, 2009

Com Richard Gere (Eddie), Don Cheadle (Clarence, ou Tango), Ethan Hawke (Sal), Wesley Snipes (Caz), Vincent D’Onofrio (Carlo), Brian F. O’Byrne (Ronny Rosario), Lili Taylor (Angela), Shannon Kane (Chantel), Ellen Barkin (agente Smith)

Argumento e roteiro Brad Caleb Kane e Michael C. Martin

Fotografia Patrick Murguia

Música Marcelo Zarvos

Produção Millenium Films, Langley Films, Nu Image

Cor, 125 min

**1/2

Título em Porrtugal: Atraídos pelo Crime. Título na França: L’Élite de Brooklyn.

Um Comentário

  1. Ivan
    Postado em 22 agosto 2012 às 7:16 pm | Permalink

    Pelo visto,a policia é a mesma em todo lugar.
    Sempre fui de opinião de que,pelo menos aqui,
    o policial não pode argumentar que se deixou corromper, subornar, por causa do dinheiro.
    O cara sabe que quando vai entrar prá polícia
    o salário é baixo. Ele entra por que quer. Melhor até dizendo,muitos já entram pensando em fazer, tudo de pôdre.
    Fica ruím de entender e, aceitar, é que um policial não possa salvar uma pessôa de um assalto, de uma violência pessoal, de um crime, por não estar na sua jurisdição.
    O caso do Sal,(Ethan)pode-se dizer que em parte foi devido a saúde da esposa, mas ele já tinha,pelo menos é o que eu acho, uma tendência para o abuso do poder, da farda.
    Eu gostei muito do filme e, como dizes, Sergio, a música, é aquele “toque” do filme.
    Gosto de ver o Richard Gere, quando não está interpretando o “galã conquistador”. E, o Ethan Hawke, e o Don Cheadle, sou admirador confesso dos dois.

Um Trackback

  1. Por 50 Anos de Filmes » O Juiz / The Judge em 6 agosto 2015 às 11:03 pm

    […] mais velho, Glen (o papel do grande, em todos os sentidos, Vincent D’Onofrio), trata o irmão que não vê há vários anos com uma mistura de frigidez, distanciamento, ironia […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*