Três Dólares / Three Dollars


Nota: ★★★☆

Anotação em 2008: Uma total surpresa que vem da Austrália – e é um belo filme, que merece revisão.

Vi na TV de madrugadão, com som baixinho. Nunca tinha ouvido falar do diretor Robert Connolly, um australiano nascido em Sydney em 1963 (este é seu segundo filme), nem dos atores, todos corretos. 

É um filme profundamente humanista, believer, simples, despretensioso – e cheio de talento.

O personagem central é Eddie, um engenheiro químico que trabalha num departamento do governo australiano. Ele é demitido pelo novo chefe, que no passado tinha namorado uma paixão da infância de Eddie – Amanda (Sarah Winter), uma mulher de família rica.

Eddie narra sua história para o espectador, e conta que Amanda tem o dom (ou melhor seria dizer maldição?) de aparecer na vida dele com a regularidade matemática de um cometa, de exatos nove anos e meio em nove anos e meio. No momento da ação, Amanda fará uma dessas passagens bissextas pela vida de Eddie.

Boa pessoa, bom caráter, com a mulher desempregada, uma filha novinha para criar e só os três dólares (australianos) do título no bolso, Eddie encontrará também um mendigo com quem aprenderá lições de vida.

O filme amealhou quatro prêmios e cinco outras nomeações. De fato, é uma delícia que gostaria de rever.

Três Dólares/Three Dollars

De Robert Connolly, Austrália, 2005.

Com David Wenham, Sarah Wynter, Frances O’Connor

Roteiro Robert Connolly e Elliot Perlman

Baseado em novela de Elliot Perlman

Música Alan John

Produção Arenafilm

Cor, 118 min.

***

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*