O Mundo de Leland / The United States of Leland


Nota: ★★★☆

 Anotação em 2007, com complemento em 2008: Sensível, triste, pesado. Mais um bom filme do novo cinema independente americano, mais um bom filme sobre desagregação familiar e incapacidade de comunicação na sociedade americana de hoje.

O grande ator Kevin Spacey foi um dos produtores do filme; foi o primeiro filme feito pelo jovem Matthew Ryan Hoge que teve distribuição bancada por um grande estúdio, a Paramount – antes, ele tinha feito uma comédia independente, Self Storage. Este filme estreou em 2003 no Sundance, o Festival de Cannes do cinema independente americano, criado por Robert Redford. 

lelandRyan Gosling faz o Leland do título, um jovem de família abastada, filho de um escritor consagrado, mas pai ausente (o papel de Kevin Spacey). Quando a ação começa, Leland está preso em um centro de detenção para adolescentes, acusado de ter matado um jovem débil mental, irmão de uma garota drogada (Jena Malone), por quem havia se se apaixonado.

Um professor do centro de detenção – um negro, sensível, aspirante a escritor, interpretado por Don Cheadle – quer fazer um livro sobre a história de Leland – afinal, o filho de um escritor famoso que assassina uma criança é uma história capaz de virar best-seller. Mas o professor não é um sujeito em busca de sucesso fácil; ele se interessa em conhecer o rapaz, tenta entender se ele foi realmente o culpado, e qual seria sua motivação para um crime tão brutal.

 O professor, assim como o espectador, só saberá da motivação no final do filme – um final chocante, apavorante, à la A Noite dos Desesperados/They Shoot Horses, Don’t They?

 

O Mundo de Leland/The United States of Leland

De Matthew Ryan Hoge, EUA, 2003.

Com Don Cheadle, Ryan Gosling, Jena Malone, Lena Olin, Kevin Spacey, Michelle Williams

Argumento e roteiro Matthew Ryan Hoge

Produção Neverland Pictures, distribuição Paramount Classics

Cor, 108 min

***

Título em Portugal: Os Estados Unidos de Leland

3 Comentários para “O Mundo de Leland / The United States of Leland”

  1. Confesso que não gostei desse filme, esperava mais. Resolvi assistir por causa da Jena Malone que arrasou em “Lado a lado”, mas aqui teve um papel pequeno.
    Engraçado como o Kevin Spacey parece sentir atração por esse tipo de filme: denso, dramático, arrastado.
    O Ryan Gosling já estava um pouco “velho” pro papel de um adolescente e aquela voz dele em off narrando o filme era muito irritante. Enfim, não gostei mesmo, talvez não tenha pego o espírito do filme ( e acho que o diretor não soube contar a história). Pra não dizer que não gostei de nada, gostei do papel do professor.

    PS: ali em “A Dança dos Desesperados” não seria “A Noite dos Desesperados” ?

  2. Claro que você tem razão, é A Noite dos Desesperados. Vou consertar já. Estava mandando uma mensagem para você sobre a loucura que é você já ter descoberto o 50 Anos de Textos quando chegou essa sua mensagem.
    Jussara, a mulher mais ligada do país. Jussara, a anti-Dilma, a anti-apagão!

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *