Limbo


Nota: ★★☆☆

Anotação em 2000: John Sayles é um diretor admirado pela crítica americana. É independente e de esquerda; escreveu romances e peças de teatro, dirigiu vídeos do Bruce Springsteen.

Já vi dele Tudo pela Vida/Passion Fish, aquele belo filme com a Mary McDonnel e a Angela Basset, sobre atriz de TV que fica paraplégica, e A Estrela Solitária/Lone Star, que adorei. O que permite ver que ele é fiel aos atores que escolhe. Kris Kristofferson, que faz um papel pequeno neste aqui, está em A Estrela Solitária, e David Strathairn, protogonista aqui, faz papel pequeno em Tudo pela Vida.

A revista Premiere americana de julho de 1999 faz crítica incensando este Limbo, mais longa matéria. Eu tenho que confessar que não compreendi bem o que ele quis dizer com este filme que, de resto, é obviamente bem feito em todos os detalhes.

Apenas um dos detalhes é que Mary Elizabeth Mastratonio não é dublada nas cenas em que canta; é ela mesma – e como canta bem! (A personagem dela diz que sua voz costuma ser comparada com as de Judy Collins e Emmylou Harris.) E, nos créditos finais, há uma música nova, de 1999, de Bruce Springsteen, cantada por ele mesmo.

O filme tem uma estrutura que parece um funil. Ele começa como se fosse um plano geral, uma panorâmica, e vai indo para o close-up. Primeiro apresenta o próprio Alasca como um todo, em seguida apresenta diversos personagens de uma pequena cidade do Alasca, num estilo à la Altman em Short Cuts. Depois ele se detém em três personagens, apenas – Joe (David Strathairn), ex-prodígio do basquete quando adolescente, ex-pescador, responsável pelo afundamento de um barco e pela morte de dois passageiros, Donna (Mary Elizabeth), cantora de boates e festas que já passou por 36 dos Estados americanos mais Porto Rico e teve muitos casos e poucos amores, e sua filha adolescente Noelle (Vanessa Martinez), problemática, extremamente criativa para textos e histórias, com alguma tendência para autodestruição. Eventualmente, esses três personagens acabarão sozinhos numa ilha deserta, tendo que sobreviver sem nenhum dos benefícios da civilização.

Limbo

De John Sayles, EUA, 1999.

Com David Strathairn, Mary Elizabeth Mastrantonio, Vanessa Martinez, Kris Kristofferson

Argumento, roteiro e montagem John Sayles (ele assina assim: “written, directed and edited by”)

Música Mason Daring

Fotografia Haskell Wexler

Produção Screen Gems, Sony

Cor, 127 min,

Um comentário para “Limbo”

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *