Ecos da Guerra / Regeneration


Nota: ★★★☆

Anotação em 1999: Interessante ter visto este filme apenas dias depois de ver This Happy Breed, do mestre David Lean, de 1944. São duas obras do mesmo país, falando sobre o mesmo tema, a guerra, mas de forma tão absolutamente diferente.

         Entende-se e admite-se que Lean tenha feito um filme que elogia a coragem, o brio dos ingleses; é puro esforço de guerra, era 1944, havia o nazismo a combater, o nazismo que matava milhões de inocentes e despejava bombas sobre a Inglaterra. Entende-se, admite-se. 

Este outro filme é panfletaço sobre o horror da guerra e a imbecilidade que é cada ser humano ser obrigado a participar dela. É pesadíssimo, denso, triste, desesperançado. Conta a história de alguns homens que a Primeira Guerra enlouqueceu, e o trabalho de um oficial médico cujo dever é torná-los prontos para voltar para o front. Nesse processo, ele (uma fantástica interpretação do grande Pryce) vai percebendo a grande loucura que é o seu próprio trabalho. Um brilho.

Ecos da Guerra/Regeneration

De Gilles MacKinnon, Inglaterra-Canadá, 1997.

Com Jonathan Pryce, James Wilby, Tania Allen

Roteiro Allan Scott

Baseado na novela de Pat Barker

Cor, 114 min.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.