Ironias do Amor / My Sassy Girl

Nota: ½☆☆☆

Anotação em 2010: Esta comedinha romântica é absoluta, impressionante, ciclopicamente imbecil.

É a refilmagem americana, em 2008, por um diretor que eu não conhecia, Yann Samuell, com atores de cujos nomes não me lembrava, Elisha Cuthbert e Jesse Bradford, de um filme coreano de 2001, Yeobgijeogin Geunyeo, em inglês My Sassy Girl – o mesmo título do filme mais recente.

Sassy é desbocado, sem papas na língua, boquirroto. A protagonista da história, a sassy girl, Jordan Roark (interpretada por essa Elisha Cuthbert), é um dos personagens mais desprezíveis da história da comédia romântica – desprezível e implausível. É uma patricinha, filha de médico riquíssimo de Manhattan, insanamente louca, cabeça oca, irresponsável, babaca, idiota, cujo maior (ou único) talento é encher a cara e apagar e criar situações embaraçosas para o mocinho careta, certinho, que veio de Indiana para estudar na capital do Império e do mundo. O mocinho, Charlie, é interpretado por esse Jesse Bradford, um atorzinho de quinta categoria que faz muita careta e, ao fazer careta, fica com a boca torta.

A trama é de uma idiotice sem limites. Talvez para encobrir essa indigência, ou talvez por ser jovem, o diretor Yann Samuell cria um monte de fogos de artifício, truquezinhos, tiquezinhos espertos, inteligentes. Mas não resolve nada.

          Se a gente não experimenta, não descobre pérolas. Mas…

Pegamos o filme na locadora porque é preciso experimentar – às vezes encontram-se pérolas, às vezes encontram-se abacaxis. Explicar por que eu vi o filme inteiro, e não tive o bom senso de tirar o DVD aí com uns 10, 15 minutos de filme, é sempre difícil – em parte é porque sou doido mesmo, em parte é porque gosto de filmes, e fico sempre esperando que surja algo que valha a pena, em parte é porque me coloquei a obrigação de botar um post novo por dia neste site.

Para o registro: este aqui foi o segundo filme do diretor Yann Samuell. Antes, ele havia feito, na França, Jeux d’enfants, Love me if you dare no mercado americano, com a maravilhosa Marion Cotillard no elenco. Não tenho idéia se foi lançado aqui.

A moçoila Elisha Cuthbert – sem qualquer charme especial, sem sal, sem doce, na minha opinião – tem 28 filmes e/ou séries de TV no currículo, inclusive uma participação brevíssima em Simplesmente Amor/Love Actually.

Jesse Bradford tem currículo maior ainda, 36 filmes e/ou séries de TV, inclusive em A Conquista da Honra/Flag of Our Fathers, de Clint Eastwood. Vejo agora, surpreso, aqui mesmo neste meu site, que ele fez o papel principal de um bom filme de Steven Soderbergh, O Inventor de Ilusões/King of the Hill, de 1993, quando tinha apenas 14 anos de idade. O filme me impressionou muito, inclusive pela boa interpretação do garoto. Tadinho: desaprendeu, porque aqui ele está péssimo – ou então é incompetência da direção de atores. Sei lá.

Se alguma pobre alma chegar a ler esta anotação, aí vai o conselho: evite esta bobagem.

Ironias do Amor/My Sassy Girl

De Yann Samuell, EUA, 2008

Com Elisha Cuthbert (Jordan Roark), Jesse Bradford (Charlie Bellow), Austin Basis (Leo), Chris Sarandon (Dr. Roark), Jay Patterson (Roger Bellow)

Roteiro Victor Levin

Baseado no filme Yeobgijeogin Geunyeo, com roteiro de Jae-young Kwak

Baseado na novela de Ho-sik Kim

Fotografia Eric Schmidt

Música David Kitay

Montagem Anita Brandt-Burgoyne 

Produção CJ Entertainment, Gold Circle Films. DVD Focus Filmes

Cor, 92 min

Bola preta

2 Comentários