Dança Comigo / Shall We Dance


Nota: ★★★☆

 

Anotação em 2006, com complemento em 2008: A refilmagem americana do bom filme japonês Dança Comigo é gostosa de se ver e rever. Uma dessas belas provas de que é possível fazer um filme comercial, leve, agradável, que ao mesmo tempo faz boas considerações sobre a vida, dá um pouco de esperança na humanidade e é levemente subversivo e avançado, comportamentalmente falando.

Richard Gere faz o advogado bem sucedido, bem casado (com a personagem de Susan Sarandon), que mora em uma boa casa num subúrbio de Chicago  – e no entanto trabalha demais, não gosta especialmente do que faz e sente falta de alguma coisa. De uma pequena aventura, talvez, para fugir um pouco de sua vida tão certinha. A pequena aventura, a fuga da rotina, surge na forma de uma silhueta que ele vê da janela do trem de via elevada que ele usa todo dia para voltar para casa – uma bela silhueta de mulher vista na janela de uma academia de dança de salão. A  mulher da silhueta, saberemos logo, é a personagem de Jennifer Lopez, uma professora de dança.

Um belo dia ele cria coragem, desce do trem na estação mais próxima da academia, entra e se inscreve.  

Os personagens que ele encontra na academia são todos bem delineados, bem criados – e interpretados por excelentes atores. A dona da academia, uma senhora já deixando bem para trás a juventude, chegada a uma biritinha, é uma figura – assim como o negro gordinho, o conquistador, a moça gordinha. E ainda tem a professora, toda séria, quase carrancuda, para afastar as inevitáveis cantadas – quem não cantaria uma professora de dança na pele de J.Lo, com aquela bunda fantástica, extraordinária? E, ó, não me lembro de ter visto J.Lo mais bonita e gostosa do que neste filme.

Nosso herói, talvez por vergonha, timidez, não conta para a mulher o que anda fazendo algumas noites por semana. E quando a mulher começa a suspeitar – alertada pela filha, que repara que o pai está mais sorridente, mais soltinho -, vai atrás, é claro, de um detetive particular.

Richard Jenkins, assíduo coadjuvante em dezenas de filmes, está um brilho como o detetive simples, direto, objetivo, boa gente; o assistente dele, um garotinho novo cheio de frases feitas, é outro belo tipo. Mas o melhor de todos os tipos, neste filme cheio de bons tipos, é o colega de escritório do personagem central, interpretado por Stanley Tucci – um apaixonado por dança que coloca uma ridícula peruca para esconder a careca e solta a franga, literalmente, nos salões.

O cinemão americano faz muita refilmagem desnecessária, que não acrescenta nada e muitas vezes é pior que o original. Este filme, ao contrário de tantos outros, vale a pena.   

Dança Comigo/Shall We Dance

De Peter Chelsom, EUA, 2004.

Com Richard Gere, Jennifer Lopez, Susan Sarandon, Stanley Tucci, Richard Jenkins

Roteiro Audrey Wells

Baseado no roteiro de Masayuki Suo para o filme Dança Comigo?/Shall We Dansu?

Fotografia John de Borman

Música John Altman e Gabriel Yared

Cor, 106 min.

3 Comentários