Mensageiro do Diabo / The Night of the Hunter


Nota: ★★½☆

Anotação em 1999: O único filme dirigido por Charles Laughton, esse ator extraordinário, não tem propriamente grandes atuações. Robert Mitchum está careteiro e exagerado como o pastor que estabelece diretamente com Deus uma religião voltada para os seus próprios ganhos. Os dois garotinhos, que são os grandes protagonistas da história, não são lá essas coisas; a menininha, então, é na verdade bem fraquinha.

O grande charme, o ponto forte do filme é o rebuscamento visual, os requintes, os cuidados com os detalhes. Laughton viu muito expressionismo alemão, com toda a certeza. Há sombras impressionantes, tomadas cuidadosamente estudadas, toda uma seqüência em que pequenos bichos aparecem em primeiro plano enquanto o objeto da ação vai para o segundo.

O Mensageiro do Diabo/The Night of the Hunter

De Charles Laughton, EUA, 1955.

Com Robert Mitchum, Shelley Winters, Lilian Gish, Evelyn Varden, Peter Graves, James Gleason,

Roteiro James Agee

Bas na novela de Davis Grubb

P&B, 93 min.

2 Comentários

  1. José Luís
    Postado em 16 outubro 2014 às 12:50 pm | Permalink

    Vi ontem este filme que me deixou maravilhado. Penso que é um dos melhores que já vi. Roger Ebert considera-o um Grande Filme e atribui-lhe a pontuação máxima o que acho bem. O Sérgio talvez pudesse vir o filme de novo e escrever uma crónica mais detalhada. Que tal?

  2. Sérgio Vaz
    Postado em 16 outubro 2014 às 1:16 pm | Permalink

    Sem dúvida, caro José Luís, o filme merece um tratamento melhor. Você tem toda razão: preciso revê-lo.
    Um abraço.
    Sérgio

4 Trackbacks

  1. Por jar.io em 23 agosto 2009 às 1:27 pm

    O divã do diabo…

    O diabo a que me refiro aqui é a entidade psicológica resuldado do animismo síntetizado a partir do atavismo herdado das etapas anteriores da humanidade
    ……

  2. […] Giant, gigante? Ou tão distante do original The Night of the Hunter, a noite do caçador, quanto Mensageiro do Diabo? Ou O Pecado de Todos Nós para Reflections on a Golden Eye, reflexos num olho […]

  3. […] Charles Laughton (1899-1962) é um gigante – seu talento consegue ser maior que seu corpanzil. É um dos melhores atores destes primeiros cento e tantos anos de história do cinema. Segundo Billy Wilder, é o melhor ator com que ele trabalhou. Em Testemunha de Acusação, dá um show absurdo. O Sir Wilfrid Robarts que ele cria é um dos personagens mais marcantes da história do cinema – o melhor advogado criminal da Inglaterra, uma lenda, já um sir, que teve um ataque cardíaco, ficou em coma, ficou semanas no hospital, e, no dia em que volta finalmente para sua casa e seu escritório, protegido por uma enfermeira linha dura e por um mordomo fiel até a mais completa sabujice, fica sabendo de um caso interessante – um homem suspeito de assassinar uma senhora sua amiga que jura inocência, mas cujo único álibi é sua mulher, e os jurados não costumam acreditar muito em um único álibi provido exatamente pela mulher do réu. […]

  4. Por 50 Anos de Textos » Era um homem em 24 Maio 2016 às 5:59 pm

    […] The Night of the Hunter, Mensageiro do Diabo. […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*