O Destino de uma Vida / Losing Isaiah


Nota: ★★★☆
Anotação em 1997, com complemento em 2008: Um belo filme. Um belo filme, adulto, sério, discutindo de uma forma muito boa, muito aberta, muito sensível, um tema polêmico, difícil: a adoção, e a questão de quem merece ficar com a criança, quando a mãe biológica se arrepende de ter abandonado o filho e o quer de volta. E tendo como pano de fundo o arraigado, fortíssimo, violento racismo da sociedade americana e a onda atual do politicamente correto. Continue lendo “O Destino de uma Vida / Losing Isaiah”

As Pontes de Madison / The Bridges of Madison County


Nota: ★★★★

Anotação em 1996: Um filme absolutamente extraordinário. Depois de vê-lo, me ocorre uma comparação que poderá parecer absurda para muita gente: acho que Clint Eastwood é hoje o diretor de maior sensibilidade do cinema – para falar das sensações, das emoções dos homens. Depois de velho, Clint Eastwood ocupou o lugar que era de François Truffaut. Continue lendo “As Pontes de Madison / The Bridges of Madison County”

Os Ladrões / Les Voleurs


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Ótimo, ótimo filme. Depois de Minha Estação Preferida/Ma Saison Preferé, Téchiné reúne novamente Catherine Deneuve e Daniel Auteil, de novo falando de família. No filme anterior os dois grandes atores eram irmãos; aqui, são rivais, disputando o amor de uma jovem ladra (Laurence Cote, impressionante). Ele é policial, ela é professora de filosofia. Continue lendo “Os Ladrões / Les Voleurs”

Julgamento Final / Class Action


Nota: ★★★☆

Resenha para a revista Bárbara, em 1996:Julgamento Final vai bem fundo nos conflitos entre homens e mulheres na vida profissional – assim como na dimensão da coragem da mulher. Aqui, os profissionais que se enfrentam em campos opostos são filha e pai, carregando um passado cheio de profundas mágoas. Continue lendo “Julgamento Final / Class Action”

Os Irmãos McMullen / The McMullen Brothers

Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Uma bela surpresa. O filme, independente, dirigido por um garoto estreante de 28 anos com orçamento de US$ 25 mil, chegou ao Sundance Festival, promovido por Robert Redford, e ganhou o Grande Prêmio da Crítica. Por causa do sucesso (faturou US$ 10 milhões e foi proporcionalmente o filme mais rentável do ano), Edward Burns já fez um segundo filme, com orçamento de US$ 3,5 milhões. Continue lendo “Os Irmãos McMullen / The McMullen Brothers”

Mamãe é de Morte / Serial Mom


Nota: ★★★☆

Anotação em 1995, com complemento em 2008: Este é o que se poderia, com toda a propriedade, chamar de filme de humor corrosivo. O humor é tão negro quanto corrosivo. É um pau violento, escrachado, na sociedade americana, na sua adoração pela violência, no culto aos filmes de violência e às pessoas violentas, no culto à mídia, até no culto pelo politicamente correto (não reciclar lixo, por exemplo, é pior do que assassinar). Continue lendo “Mamãe é de Morte / Serial Mom”

Corrina, uma Babá Perfeita / Corrina, Corrina


Nota: ★★½☆

Anotação em 1995, com complemento em 2008: Uma boa surpresa. Uma história de amor entre um branco, filho de judeus, e uma negra, numa cidade média, não identificada, dos Estados Unidos, em época não precisa (algo entre final dos 50 e começo dos 60), contada com sensibilidade. Continue lendo “Corrina, uma Babá Perfeita / Corrina, Corrina”

O Clube da Felicidade e da Sorte / The Joy Luck Club


Nota: ★★★½

Anotação em 1995: Um filme sobre mães e filhas, os encontros e desencontros, as expectativas de uma em relação à outra, as frustrações, os mal-entendidos, o peso que uma exerce na vida da outra. São quatro pares de mãe e filha. Na verdade, é um detalhe o fato de que todas as mães sejam chinesas que emigraram para os Estados Unidos. Embora haja muitas referências à cultura chinesa, à tradição em que as quatro mães foram criadas, o filme é absolutamente universal porque o que conta é a relação de cada uma com sua filha, de cada filha com sua mãe. Continue lendo “O Clube da Felicidade e da Sorte / The Joy Luck Club”

A Cor Púrpura / The Color Purple

Nota: ★★★½

Texto publicado na revista Afinal de 12 de agosto de 1986: O mago desta vez veio sem sua cartola. Steven Spielberg, o maior fenômeno de bilheteria de toda a história do cinema mundial, o garoto prodígio de Hollywood, responsável por quatro dos oito filmes de maior renda já feitos até hoje, o Walt Disney da era dos computadores e dos videogames, que aos 25 anos era comparado a Orson Welles, abandonou a fantasia, a imaginação, a aventura, os efeitos especiais, os heróis, os monstrinhos, as naves espaciais – toda a sua marca registrada, a sua fórmula perfeita de fazer lotar as salas escuras de cinema ao redor do mundo de multidões ávidas de sonho. Continue lendo “A Cor Púrpura / The Color Purple”