Garota de Sorte / Easy Living


Nota: ★★½☆

Anotação em 2000, com complemento em 2008: Este filme aqui, assim como o que por coincidência vi dois dias atrás, Natal em Julho, são perfeitos exemplares de um tipo de cinema americano que se fazia na Grande Depressão – Frank Capra, que eu sempre conheci, mais esse Preston Sturges e esse Mitchell Leisen faziam estes fantásticos filmes mostrando o abismo social, os muito pobres e os riquérrimos, os ambientes de extremo luxo, o glamour que as pessoas buscavam na vida e só encontravam no cinema; o escapismo da miséria via sonho, já que na tela tudo é possível, a Cinderela existe ali na esquina. Claro que Capra tem mais camadas, mas esses dois senhores iam na cola dele, também. Continue lendo “Garota de Sorte / Easy Living”

Evidência Inaceitável / Inadmissible Evidence

Nota: ★☆☆☆

Anotação em 2000: Provavelmente, ou certamente, este filme, do então novo cinema inglês dos anos 60, deve ter sido saudado pelos críticos como um fascinante estudo sobre a alienação das pessoas na sociedade moderna, por ter contado, em estilo inovador, vanguardista, a história de um promotor inglês amargurado pela falta de sentido da vida em plena swinging London. Continue lendo “Evidência Inaceitável / Inadmissible Evidence”

A Dama Fantasma / Phantom Lady


Nota: ★★☆☆

Anotação em 2000: Antes de mais nada, um detalhe interessante: Aurora Miranda, a irmã de Carmen, que trabalhou em vários filmes brasileiros, faz um papel pequeno mas importante como a cantora Estela Monteiro, estrela do espetáculo musical no Casino Theater, na Broadway, assistido, bem no início do filme, pelo engenheiro Scott Henderson (Alan Curtis), que será acusado de matar a mulher e cujo álibi é exatamente ter estado naquele espetáculo ao lado da dama fantasma do título. (Aurora inclusive fala algumas palavras em português.) Estela Monteiro, a cantora, usa um chapéu idêntico ao usado pela dama fantasma, um detalhe importante na trama. Continue lendo “A Dama Fantasma / Phantom Lady”

A Felicidade Não Se Compra / It’s a Wonderful Life


Nota: ★★★★

Resenha na coluna O Melhor do DVD, no site estadao.com.br, em 2000: Com pouco mais de dez minutos de filme, a imagem é congelada. O espectador passa a ver uma foto do jovem James Stewart, os braços abertos em um gesto largo, o rosto surpreendido numa fração de segundo em que faz uma careta. A voz em off de um personagem pergunta por que parou, e outra voz em off responde: “Quero que você preste atenção neste rosto”. E o espectador também, assim como o personagem da voz em off, é obrigado a prestar atenção ao rosto do personagem central do filme, que está sendo introduzido neste momento. Continue lendo “A Felicidade Não Se Compra / It’s a Wonderful Life”

Êxtase de Amor / Daisy Kenyon


Nota: ★★★☆

Anotação em 2000: Eis aí um filme extremamente interessante. É um filme sobretudo adulto. Extremamente à frente do seu tempo, 1947 – e ainda hoje, tantos anos depois, pode ser visto sem qualquer desconto pelo fato de ter sido feito quando as censuras – da sociedade e da indústria – eram tão mais fortes. Continue lendo “Êxtase de Amor / Daisy Kenyon”

A Oitava Esposa de Barba-Azul / Bluebeard’s Eighth Wife


Nota: ★★☆☆

Anotação em 1999, com complemento em 2008: Uma trama bem chegada no ridículo: multimilionário americano em viagem à França casa-se com francesa filha de marquês sem um tostão, e cria-se um embate à la A Megera Domada (que o personagem de Gary Cooper, aliás, lê para se inspirar), ela querendo demonstrar que o ama mas não quer ser tratada como uma mercadoria comprada. Continue lendo “A Oitava Esposa de Barba-Azul / Bluebeard’s Eighth Wife”

A Noiva Era Ele / I Was a Male War Bride


Nota: ★★½☆

Anotação em 1999, com complemento em 2008: A trama dessa comédia é bem chegada ao ridículo – na Alemanha logo após o fim da Segunda Guerra, capitão francês (interpretado por Cary Grant, o que já é mais ridículo ainda) e tenente americana (Ann Sheridan) se apaixonam ao se beijarem durante missão, mas não conseguem um lugar para trepar, mesmo depois de três cerimônias de casamento, porque ela tem que voltar para os Estados Unidos e não há chance de os dois ficarem juntos sozinhos. Continue lendo “A Noiva Era Ele / I Was a Male War Bride”

Geração Violenta / Explosive Generation


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 1999, com complemento em 2008:  Uma rara peça de museu. Uma coisa absolutamente anacrônica – e não apenas vista com a perspectiva de hoje, mas com a própria visão do tempo em que foi feito. Em 1961 já era pré-antiga aquela adolescência absolutamente careta, ingênua e inocente retratada no filme. Continue lendo “Geração Violenta / Explosive Generation”

O Fugitivo de Santa Marta / The Lawless


Nota: ★★★☆

Anotação em 1999, com complemento em 2008: Um pequeno grande filme, mais um do qual eu nunca tinha ouvido falar. É extremamente progressista, e foi feito na época do furacão do macarthismo – uma denúncia firme do racismo, do sensacionalismo da imprensa, da intolerância, do abismo entre as classes – embora haja pessoas boas (uma minoria). Continue lendo “O Fugitivo de Santa Marta / The Lawless”

Cidade Cativa / The Captive City

Nota: ★★½☆

Anotação em 1999: O filme é baseado em fatos reais. Na apresentação se diz que um determinado senador trabalha no filme, fazendo o seu próprio papel. Ele aparece no final do filme, fazendo um discurso contra o crime organizado e incitando os cidadãos a não permitirem sua existência; dirigiu, parece, um comitê do Senado sobre crime organizado. Continue lendo “Cidade Cativa / The Captive City”

Uma Vida por um Fio / Sorry, Wrong Number


Nota: ★★★½

Anotação em 1999: Uma beleza. A trama é excelente, a narrativa é interessantíssima – toda a história vai sendo mostrada em flashbacks (há flashbacks dentro de flashbacks) à medida em que a personagem de Barbara Stanwyck (Leona, ou sra. Henry Stevenson) vai conversando com as pessoas ao telefone. Continue lendo “Uma Vida por um Fio / Sorry, Wrong Number”