Arquivos do Rótulo: Preto-e-Branco

A Última Sessão de Cinema / The Last Picture Show

Nota: ★★★★

Nós todos envelhecemos – nós, os das gerações nascidas aí entre 1945 e 1955, que vimos A Última Sessão de Cinema quando éramos jovens e tínhamos desejos fortes e sonhos ambiciosos e nos apaixonamos pelo filme. Peter Bogdanovich e aquela penca de atores envelheceram, é claro, e nós os vimos envelhecer nas telas. Ler Mais »

Um de Nós Morrerá / The Left-Handed Gun

Nota: ★☆☆☆

Arthur Penn, um dos mais celebrados diretores do cinema americano da segunda metade do século XX, intelectual de esquerda, fascinado e influenciado pelo cinema europeu, estreou no cinema com um western, The Left-Handed Gun, no Brasil Um de Nós Morrerá, de 1958. Ler Mais »

Mickey One

Nota: ★★½☆

Para um espectador mediano, comum, seguramente deve ter sido um absoluto choque. Para os críticos, e os cinéfilos apaixonados por filmes não convencionais, que alguns chamam “de arte”, gente apaixonada pelas obras de Fellini, Antonioni, Buñuel, Godard, Resnais, Kurosawa, Bergman, foi uma maravilha, um encanto. Ler Mais »

A Noite dos Mortos-Vivos / Night of the Living Dead

Nota: ★★★☆

A Noite dos Mortos-Vivos é um daqueles grandes clássicos de que sempre ouvi falar mas nunca tinha visto – até agora. O filme é mesmo muito impressionante, fortíssimo, marcante, mas não resisto à tentação de brincar que o maior susto que ele me deu foi quando, bem depois que terminou e eu me preparava para escrever esta anotação, vi que ele é de 1968. Ler Mais »

Os 39 Degraus / The 39 Steps

Nota: ★★☆☆

Lá pelas tantas, a fantasticamente, tresloucadamente fantasiosa trama de Os 39 Degraus tem que mocinho e mocinha – que nutrem a maior antipatia do mundo um pelo outro – ficam ligados por um par de algemas. Consta que, antes de começar a filmar qualquer uma das diversas cenas com os dois daquele jeito, o diretor Alfred Hitchcock prendeu o braço direito de Robert Donat ao esquerdo de Madeleine Carroll com uma algema, e os deixou assim por várias horas, dizendo que não sabia onde tinha posto a chave. Ler Mais »

Pavor nos Bastidores / Stage Fright

Nota: ★★★★

Stage Fright, no Brasil Pavor nos Bastidores, de 1950, é da fase em que Alfred Hitchcock tinha assinado um contrato com a Warner Bros, depois de ter trabalhado para o produtor David O. Selznick, que o importou de Londres para Hollywood. Ler Mais »

Um Preço para Cada Crime / The Enforcer

Nota: ★★½☆

Em 1951, o mesmo ano do excelente, maravilhoso Uma Aventura na África/The African Queen, Humphrey Bogart interpretou um tipo raro em sua carreira cheia de papéis de vilão, bandido, aventureiro, solitário: em The Enforcer, no Brasil Um Preço para Cada Crime, ele faz um dedicado homem da lei, o enforcer do título original, um promotor público. Ler Mais »

Quando a Mulher se Atreve / In Old Oklahoma ou War of the Wildcats

Nota: ★★½☆

Nas décadas de 30 e 40, John Wayne fazia tantos filmes que os produtores andavam sem imaginação para criar títulos. Foram 66 filmes entre Men Without Women, o primeiro de 1930, e Alleghny Uprising, o último de 1939, e 32 entre Dark Command, o primeiro de 1940, e Sands of Iwo Jima, o último de 1949. Ler Mais »

Sobre Café e Cigarros / Coffee and Cigarettes

Nota: ★★★☆

Só mesmo Jim Jarmusch, o diretor mais minimalisticamente cool, o cara que fez Estranhos no Paraíso (1984) e Down By Law (1986), poderia cometer este Coffee and Cigarettes, lançado como longa metragem de 95 minutos em 2003. Ler Mais »

Santa Joana / Saint Joan

Nota: ★★★☆

A vida de Joana D’Arc inspirou diversos filmes, e não é de se espantar, já que é uma vida em tudo por tudo absolutamente fascinante, das mais fascinantes histórias da História. Cecil B. DeMille fez Joana D’Arc – A Donzela de Orleans em 1916 – quatro anos antes de o papa Benedito XV a canonizar. Ler Mais »

Um Dia no Campo / Une Partie de Campagne

Nota: ★★★½

Em 1936, três anos antes de estourar a Segunda Guerra Mundial e logo antes de fazer as obras-primas A Grande Ilusão (1936) e A Regra do Jogo (1939), Jean Renoir fez este pequeno Une Partie de Campagne. Uma pequenina pérola. Ler Mais »

Vítima de uma Paixão / Another Time, Another Place

Nota: ★★☆☆

Na época de seu lançamento, 1958, Another Time, Another Place, no Brasil Vítima de uma Paixão, foi muitíssimo falado. Não tanto por suas qualidades – ou defeitos –, não tanto por ele em si, mas pelas circunstâncias envolvendo sua atriz principal, Lana Turner, então uma das maiores estrelas do cinema mundial. Ler Mais »

A Marca da Maldade / Touch of Evil

Nota: ★★★½

Orson Welles é o diretor mais incensado da História – e A Marca da Maldade/Touch of Evil, que ele lançou em 1958, após oito anos longe de Hollywood, em andanças pela Europa, é um dos filmes mais incensados de todos os tempos. Ler Mais »

O Pecado Original / Les Parents Terribles

Nota: ★★★☆

Os fatos e as circunstâncias em torno de Les Parents Terribles (1948) são absolutamente fascinantes – tanto quanto, ou talvez até mais, que a trama desse drama familiar tão exagerado, tão superlativo e cheio de tantas reviravoltas que chega em alguns momentos a ser cômico. Ler Mais »

Os Desajustados / The Misfits

Nota: ★★★½

Rever Os Desajustados/The Misfits, de John Huston, hoje, mais de meio século depois de seu lançamento em 1961, é uma experiência que tem impacto duplo. Um é pelo filme em si, que permanece forte, vigoroso, perturbador, inquietante. Outro é pelas circunstâncias em que ele foi feito, o contexto, as histórias todas que cercam as filmagens. Ler Mais »