Armadilha Selvagem / In the Gloaming


Nota: ★★★★

Anotação em 1997: Um show de sensibilidade, de seriedade. Todos nós espectadores poderíamos estar a favor do filme por ele ser a estréia de Christopher Reeve, o Super-Homem dos anos 70 e 80 na direção depois do acidente trágico que o transformou em paralítico. Mas não é por aí. É que o texto é brilhante, corretíssimo, e o filme de fato esbanja sensibilidade. E que beleza de elenco. Continue lendo “Armadilha Selvagem / In the Gloaming”

Um Amor na Alemanha / Eine Liebe in Deutschland


Nota: ★★★★

Anotação em 1997: Um grande, magnífico filme. O espectador sente que Andrzej Wajda quer dissecar as reações das pessoas na Alemanha durante o nazismo; quer entender por que os alemães permitiram o nazismo. Não sei o romance no qual ele se baseou, mas o filme é um estudo da fragilidade do caráter das pessoas comuns de uma cidade pequena, um microcosmo do que para o diretor é a Alemanha toda. Continue lendo “Um Amor na Alemanha / Eine Liebe in Deutschland”

As Pontes de Madison / The Bridges of Madison County


Nota: ★★★★

Anotação em 1996: Um filme absolutamente extraordinário. Depois de vê-lo, me ocorre uma comparação que poderá parecer absurda para muita gente: acho que Clint Eastwood é hoje o diretor de maior sensibilidade do cinema – para falar das sensações, das emoções dos homens. Depois de velho, Clint Eastwood ocupou o lugar que era de François Truffaut. Continue lendo “As Pontes de Madison / The Bridges of Madison County”

Os Últimos Passos de um Homem / Dead Man Walking


Nota: ★★★★

Anotação em 1996: Tim Robbins, essa grande revelação, a maior do cinema americano dos últimos 20 anos, fez um emocionante, belíssimo, brilhante, violento, brutal panfleto contra a pena de morte. Nisso ele segue uma linhagem de filmes excepcionais – A Sangue Frio, de Richard Brooks, A Vida o Amor a Morte, de Lelouch, por exemplo. Continue lendo “Os Últimos Passos de um Homem / Dead Man Walking”

Os Miseráveis / Les Misérables


Nota: ★★★★

Anotação em 1996: Lindo, emocionante, brilhante, inteligente, bem feito, com tudo da parte técnica absolutamente perfeito. Uma obra-prima, um tour-de-force, uma imensa beleza. Tudo bem, Lelouch é um dos meus cineastas preferidos, é um cineasta do meu coração, e sento numa poltrona de cinema diante de um filme dele não para julgar, mas para me entregar à beleza e à emoção. Continue lendo “Os Miseráveis / Les Misérables”

Desafio no Bronx / A Bronx Tale


Nota: ★★★★

Anotação em 1996: No seu primeiro filme como diretor, De Niro fala de temas que estão em alguns de seus grandes filmes como ator, como Era Uma Vez na América, Bons Companheiros, Mean Streets: crescer nos bairros de Nova York em meio aos gângesters e à violência. E se revela um diretor talentoso. Mais do que isso, se revela um diretor sensível, sério, mais interessado no interior dos personagens que em ação. O fato de ter escolhido a história de Palminteri já é prova disso. Mas no trabalho de direção ele evidencia, o tempo todo, essa opção preferencial pelo mais importante – mesmo indo contra as regras da bilheteria. Continue lendo “Desafio no Bronx / A Bronx Tale”

Nascido para Matar / Full Metal Jacket


Nota: ★★★★

Texto publicado na revista Afinal de 19 de janeiro de 1988: O recruta Joker é o único dos membros de sua turma que ousa tentar reagir à enxurrada de ordens e impropérios com que o sargento instrutor se apresenta, logo no início dos treinamentos – mas, até por isso mesmo, é promovido a líder do grupo e, na prática, entrega-se à lavagem cerebral imposta a todos os futuros fuzileiros navais. Mais tarde, no Vietnã, é capaz de manter um aguçado espírito crítico e uma boa dose de humanidade – mas, ao mesmo tempo, se diz entediado quando passa um dia sem ver sangue. Continue lendo “Nascido para Matar / Full Metal Jacket”