À Meia-Luz / Gaslight e À Meia-Luz / Gaslight

Nota: ★★★½

Nota: ★★½☆

À Meia-Luz/Gaslight, de 1944, é uma caprichada e aclamada produção de Hollywood, com diretor e atores de prestígio – George Cukor e Ingrid Bergman, Charles Boyer, Joseph Cotten. Teve nada menos que 7 indicações ao Oscar, inclusive o de atriz coadjuvante para Angela Lansbury em sua estréia no cinema, aos 17 anos de idade – e marcou o primeiro dos 3 Oscars da carreira de Ingrid. Continue lendo “À Meia-Luz / Gaslight e À Meia-Luz / Gaslight”

Obsessão / Ossessione

Nota: ★★★½

É quase um milagre que Obsessão/Ossessione tenha sido feito, que exista. O filme foi pensado, rodado e produzido em 1942, sob a censura férrea do fascismo de Mussolini, a Itália em plena guerra, ao lado de Alemanha e Japão contra praticamente o resto do mundo. E era tudo, tudo o que o fascismo não queria ver em um filme italiano. Continue lendo “Obsessão / Ossessione”

Flores Partidas / Broken Flowers

Nota: ★★★½

Até que demoraram muito para se encontrar esses dois senhores, Jim Jarmusch e Bill Murray. Porque a sensação que se tem é de foram feitos para trabalhar juntos, o diretor mais minimalista, mais nonchalant, mais suavemente hilariante, e o ator mais minimalista, mais nonchalant, mais suavemente hilariante do cinema americano das últimas muitas décadas.  Continue lendo “Flores Partidas / Broken Flowers”

Espelhos d’Alma / The Dark Mirror

Nota: ★★★½

Espelhos d’Alma/The Dark Mirror, drama policial-psicológico de 1946, foi indicado ao Oscar de melhor história original. Não levou o prêmio, que ficou com Perfect Strangers, de Alexander Korda, mas dane-se o Oscar: a história do filme é uma absoluta maravilha, uma sacada brilhante. Continue lendo “Espelhos d’Alma / The Dark Mirror”

A Lavanderia / The Laundromat

Nota: ★★★½

A Lavanderia, que o incansável workaholic Steven Soderbergh lançou em 2019, é uma paulada, um panfletaço contra as mazelas do capitalismo, em especial da área das finanças, contra a forma com que funciona boa parte do sistema financeiro mundial. É uma paulada, um panfletaço, e portanto não tem nada a ver com sutileza, elegância, refinamento. Continue lendo “A Lavanderia / The Laundromat”

Chacrinha – O Velho Guerreiro

Nota: ★★★½

Chacrinha – O Velho Guerreiro (2018), de Andrucha Waddington, é daqueles filmes que são ao mesmo tempo muito bons e muito importantes. É bom, bem realizado, uma obra bem sucedida – isso que os críticos dos Cahiers du Cinéma e os outros críticos franceses todos, chamam de réussi. Mas é também muito importante: a história de Chacrinha precisava mesmo ser contada pelo cinema. Ainda bem que foi contada, e bem contada. Continue lendo “Chacrinha – O Velho Guerreiro”

Trumbo – Lista Negra / Trumbo

Nota: ★★★★

Trumbo é um filmaço, uma beleza, uma maravilha. É cinema da mais alta qualidade – e é também um documento importantíssimo sobre o período mais negro, mais pavoroso de Hollywood, do cinema e da cultura americana como um todo, um dos períodos mais negros, mais pavorosos da História recente: os anos do macartismo, da caça às bruxas entre os profissionais do showbusiness, a partir do final dos anos 40 e atravessando todos os anos 50. Continue lendo “Trumbo – Lista Negra / Trumbo”

Um Reino Unido / A United Kingdom

Nota: ★★★½

Um Reino Unido (2016) é daqueles filmes extremamente bem realizados em todos os quesitos: fotografia, figurinos, direção de arte… A reconstituição de época (a ação se passa na segunda metade dos anos 1940) é um brilho. A trilha sonora, do grande Patrick Doyle, é uma beleza. Mas o melhor do filme é a história, a trama. Continue lendo “Um Reino Unido / A United Kingdom”

A Morte de um Corrupto / Mort d’un Pourri

Nota: ★★★½

A Morte de um Corrupto, de 1977, é um belo filme. Com um elenco estelar, impressionante, narrativa sólida, envolvente, ritmo firme, fotografia impecável, trilha sonora brilhante, é um mergulho na corrupção não de um homem ou um grupo, mas de todo o sistema político de um país. No caso é a França, mas o que o filme parece querer deixar claro é que poderia ser qualquer um. Continue lendo “A Morte de um Corrupto / Mort d’un Pourri”

Inspire, Expire / Andið eðlilega

Nota: ★★★½

Inspire, Expire, primeiro longa-metragem da autora e diretora islandesa Isold Uggadottir, de 2018, é um drama pesado, denso, tristíssimo, sobre destituídos, pobres, em situações extremas. Daqueles que deixam o espectador angustiado, sofrendo junto com os personagens. Continue lendo “Inspire, Expire / Andið eðlilega”