O Céu de Lisboa / Lisbon Story


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Virou moda: a cada novo filme de Wim Wenders, a crítica desce o pau. Foi assim com Até o Fim do Mundo, foi assim com Tão Longe, Tão Perto, a continuação de Asas do Desejo, que eu perdi, e agora com este Lisbon Story. A crítica que vá à merda. O filme prossegue na catilinária de Wenders sobre a banalização das imagens, mas é um belo – embora propositadamente lento e sem qualquer ação, mas cheio de monólogos – manifesto de amor ao cinema no ano do seu centenário, à Europa unificada, à interligação entre culturas diferentes. Continue lendo “O Céu de Lisboa / Lisbon Story”

Os Irmãos McMullen / The McMullen Brothers

Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Uma bela surpresa. O filme, independente, dirigido por um garoto estreante de 28 anos com orçamento de US$ 25 mil, chegou ao Sundance Festival, promovido por Robert Redford, e ganhou o Grande Prêmio da Crítica. Por causa do sucesso (faturou US$ 10 milhões e foi proporcionalmente o filme mais rentável do ano), Edward Burns já fez um segundo filme, com orçamento de US$ 3,5 milhões. Continue lendo “Os Irmãos McMullen / The McMullen Brothers”

Mamãe é de Morte / Serial Mom


Nota: ★★★☆

Anotação em 1995, com complemento em 2008: Este é o que se poderia, com toda a propriedade, chamar de filme de humor corrosivo. O humor é tão negro quanto corrosivo. É um pau violento, escrachado, na sociedade americana, na sua adoração pela violência, no culto aos filmes de violência e às pessoas violentas, no culto à mídia, até no culto pelo politicamente correto (não reciclar lixo, por exemplo, é pior do que assassinar). Continue lendo “Mamãe é de Morte / Serial Mom”

Daens – Um Grito de Justiça / Daens


Nota: ★★★☆

Anotação em 1995: Belo filme, pesado e triste como a miséria, com narrativa bem tradicional, mas tudo funcionando bem. Foi indicado para o Oscar de filme estrangeiro (perdeu para Indochina, de Régis Wargnier), apesar de ser deliciosamente fora de época, remando contra os ventos liberais (em termos econômicos, não sociais ou comportamentais) pós-queda do muro e fim do comunismo. Continue lendo “Daens – Um Grito de Justiça / Daens”

Assassinato Sob Custódia / A Dry White Season


Nota: ★★★☆

Anotação em 1995, com complemento em 2008: Professor branco de história na África do Sul (Donald Sutherland) demora, mas vai aos poucos compreendendo como vivem os negros sob o apartheid. O processo de compreensão da realidade é demorado, e nisso ele faz lembrar muito o personagem de Jack Lemmon em Missing em relação ao golpe de Pinochet, que vai para o Chile para encontrar o filho desaparecido certo do que ele deve ter sido culpado de alguma coisa, e que os militares estão mais é certos em prender os subversivos. Continue lendo “Assassinato Sob Custódia / A Dry White Season”

Amazônia em Chamas / The Burning Season


Nota: ★★★☆

Anotação em 1995, com complemento em 2008: Este filme, feito para a TV, me pareceu uma surpresa muito positiva. Achei que foi uma boa adaptação da história de Chico Mendes, com as questões envolvidas colocadas direito, com honestidade, e ao mesmo tempo de uma forma fácil para o público americano entender. O que, convenhamos, é um feito dificílimo, e portanto extraordinário. Continue lendo “Amazônia em Chamas / The Burning Season”

Priscilla, a Rainha do Deserto / The Adventures of Priscilla, Queen of the Desert


Nota: ★★★☆

Anotação em 1995, com complemento em 2008: Uma delícia de comédia-musical-road movie. O filme é um panfleto – alegre, debochado, descarado, prazeroso – contra todos os preconceitos e os reacionarismos comportamentais. Continue lendo “Priscilla, a Rainha do Deserto / The Adventures of Priscilla, Queen of the Desert”

Wyatt Earp


Nota: ★★★☆

Anotação em 1995: Qualidade Lawrence Kasdan. A história do xerife de Dodge e Tombstone (que John Ford mostrou em Paixão dos Fortes/My Darling Clementine, com Henry Fonda, e John Sturges simplificou em Sem Lei e Sem Alma/Gunfight at the O.K. Corral) aqui é contada inteira, em detalhes, em um filme de mais de três horas de duração, e uma ênfase na coisa freudiana da formação de Wyatt Earp como uma pessoa apegada à noção, passada pelo pai, de que a família é a principal coisa da vida. Continue lendo “Wyatt Earp”

Recordações e Algumas Mentiras que seus Amigos Deixaram Passar / Wrestling Ernest Hemingway


Nota: ★★★☆

Anotação em 1995: Um daqueles filmes que o cinema americano começou a fazer mais a partir do final dos anos 80, os tais de que muita gente não gosta – filmes sensíveis, mais sobre sensações do que contando histórias. Continue lendo “Recordações e Algumas Mentiras que seus Amigos Deixaram Passar / Wrestling Ernest Hemingway”

Anna dos 6 aos 18 / Anna: Ot shesti do vosemnadtsati


Nota: ★★★☆

Anotação em 1995: A idéia em si já é brilhante: Nikita Mikhalkov mostra a evolução de sua filha Anna dos 6 aos 18 anos – e, paralelamente, a história da União Soviética durante esse período. Foram 13 anos, portanto, para completar o filme. Uma vez por ano, ao longo de 12 anos, ele filma a filha e lhe pergunta o que ela mais ama, o que ela mais odeia, o que ela teme. Fez uma história dos últimos anos do império soviético até sua explosão. Continue lendo “Anna dos 6 aos 18 / Anna: Ot shesti do vosemnadtsati”