Arquivos do Rótulo: Noir

O Homem Que Não Estava Lá / The Man Who Wasn’t There

zzman1

Nota: ★★★☆

Tudo, absolutamente tudo em O Homem Que Não Estava Lá, que os irmãos Coen lançaram em 2001, é estiloso. Cada tomada dos 116 minutos do filme parece ter sido cuidadosissimamente planejada para ser estilosa, charmosa, afetada, rebuscada, não natural, diferenciada. É como se fosse assim uma espécie de tese de doutorado de escola superior de cinema. Ler Mais »

Chinatown

zzchina1

Nota: ★★★★

Chinatown é de 1974, muito depois, é claro, do período 1940-1958, a época de ouro dos filmes noir. Ao contrário dos clássicos todos feitos ao longo daquelas duas décadas, não é preto-e-branco – a fotografia, de John A. Alonzo, é em glorioso Technicolor. Ao contrário de diversos daqueles clássicos, não se baseia numa história criada pelos grandes nomes das novelas hard-boiled, Dashiell Hammett, Raymond Chandler, James M. Cain, Cornell Woolrich. Ler Mais »

Cliente Morto Não Paga / Dead Men Don’t Wear Plaid

zzdead1

Nota: ★★½☆

O cinema adora reverenciar os filmes noir dos anos 1940, 1950. Cliente Morto Não Paga, no original Dead Men Don’t Wear Plaid, que Carl Reiner lançou em 1982, é uma das muitas homenagens ao noir que o cinema já fez. Ler Mais »

Corpos Ardentes / Body Heat

zzheat1

Nota: ★★★★

Corpos Ardentes/Body Heat é um dos melhores filmes dos anos 1980, um dos melhores filmes americanos feitos nas últimas muitas décadas, um dos melhores thrillers que já foram feitos em todos os tempos. Ler Mais »

Escravas do Medo / Experiment in Terror

zzterror1

Nota: ★★★☆

Blake Edwards dirigiu Experiment in Terror, no Brasil Escravas do Medo, em 1962. O filme veio depois de Anáguas a Bordo/Operation Petticoat, uma deliciosa comédia com Cary Grant e Tony Curtis, de 1959, e de Bonequinha de Luxo/Breakfast at Tiffany’s, de 1961, aquela maravilha, um tremendo sucesso que virou cult para toda uma geração. Ler Mais »

Suplício de uma Alma / Beyond a Reasonable Doubt

Nota: ★★★☆

Suplício de uma Alma, no original Beyond a Reasonable Doubt, de 1956, foi o último filme que o veterano Fritz Lang fez nos Estados Unidos, para onde havia emigrado em 1934, fugindo, como diversos realizadores europeus, do nazismo. Ler Mais »

Almas Perversas / Scarlet Street

Nota: ★★½☆

Na sua fase de exílio nos Estados Unidos, Fritz Lang fez dois filmes com o grande Edward G. Robinson e a bela Joan Bennett: Um Retrato de Mulher/The Woman in the Window, de 1944, e este Almas Perversas, no original Scarlet Street, de 1945. Ler Mais »

O Destino Bate à Porta / The Postman Always Rings Twice

Nota: ★★★½

O cabelo de Lana Turner é quase branco, de tão louro: ela está platinum blonde, como Jean Harlow. São brancas todas as roupas que Cora Smith, seu personagem, veste ao longo do filme. E, no entanto – ou talvez até por isso mesmo –, O Destino Bate à Porta/The Postman Always Rings Twice é noir. A quintessência do noir. Ler Mais »

Rififi / Du Rififi Chez les Hommes

Nota: ★★★½

Anotação em 2011: Rififi, que o americano Jules Dassin fez na França em 1955, merece toda a fama que tem, todos os elogios que recebeu. E haja fama e elogios. É um dos policiais mais cultuados, mais respeitados que há. Ler Mais »

Os Carrascos Também Morrem / Hangmen Also Die

Nota: ★★½☆

Anotação em 2011: Não resultou em um grande filme, na minha opinião, o encontro de dois dos maiores nomes da cultura alemã do século XX, o cineasta Fritz Lang (1890-1976) e o poeta, dramaturgo e ensaísta Bertolt Brecht (1898-1956). Ler Mais »

Laura

Nota: ★★★★

Anotação em 2010: Mais de 65 anos depois, tantas revoluções estéticas e sociais, tantos novos cinemas, tantos novos movimentos cinematográficos, tantos modismos passados, Laura, que Otto Preminger fez em 1944, continua uma beleza de filme. Ler Mais »

Evidências de um Crime / Cleaner


Nota: ★★★☆

Anotação em 2009: Este Evidências de um Crime é um thriller muito bom. É assim um filme com um espírito bem noir, numa aparência muito colorida, com uma câmara que parece a de um diretor de filmes publicitários. É uma mistura estranha, esquisita – mas que acaba sendo fascinante. Ler Mais »

O Crime que o Mundo Esqueceu / Everybody Wins


Nota: ★★★☆

Anotação em 2009: O Crime que o Mundo Esqueceu é um filme rico, interessantíssimo. Há momentos em que ele parece doido, confuso, perdido; parece que os personagens não batem bem, que as informações não se ajustam umas às outras, não fazem sentido. É uma impressão ilusória, passageira: no fim, tudo se encaixa perfeitamente. Ler Mais »

Brutalidade / Brute Force


Nota: ★★½☆

Anotação em 2009: Muita gente boa adora Brutalidade, o primeiro grande êxito de público e crítica do endeusado diretor Jules Dassin. O filme não me seduziu muito – mas sua importância é inegável, e ele tem sem dúvida muita coisa impressionante, marcante. Ler Mais »

A Gardênia Azul / The Blue Gardenia


Nota: ★★½☆

Anotação em 2008: Um bom noir da fase americana (1936-1956) de Fritz Lang (1890-1976). Ler Mais »