Eu, Minha Mulher e Minhas Cópias / Multiplicity


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997:  Gostosinho. Esse interessante diretor mexe, de novo, como no bom Presente de Grego/Baby Boom, de 1987, em que trabalha como ator, ao lado de Diane Keaton, com esses pilares básicos da sociedade capitalista – a competição entre as pessoas, a falta de tempo livre. Continue lendo “Eu, Minha Mulher e Minhas Cópias / Multiplicity”

Michael – Anjo e Sedutor / Michael


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997: É uma bobagem danada – e, no entanto, gostosinho de se ver. Desses filmes que nos divertem bastante enquanto estamos vendo – e do qual nos esquecemos assim que ele termina. Mais uma brincadeira com anjos, esse tema tão eternamente recorrente no imaginário coletivo e portanto, é claro, no cinema. Continue lendo “Michael – Anjo e Sedutor / Michael”

Filhos da Natureza / Börn Náttúrunnar


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997: A maior surpresa é ver um filme da Islândia. Seguramente foi a primeira vez – e não sei se haverá muitas oportunidades. Coisa maluca, um país gelado de 250 mil habitantes, menos que Jundiaí, menos que o meu bairro – e sem miséria, com educação e saúde pra todo mundo. Continue lendo “Filhos da Natureza / Börn Náttúrunnar”

Os Visitantes da Noite / Les Visiteurs du Soir


Nota: ★★½☆

Anotação em 1996, com complemento em 2008: O filme famosíssimo de Marcel Carné, feito em 1942, é pesadão, teatral, com diálogos artificiais. Tudo só funciona mesmo como documento histórico de uma parábola feita para enfrentar a censura dos invasores nazistas e do governo de Vichy. Os críticos chamaram o filme de “irrealismo poético”. Continue lendo “Os Visitantes da Noite / Les Visiteurs du Soir”

Tão Longe, Tão Perto / In Weiter Ferne, So Nah!


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Esta continuação de Asas do Desejo, seis anos depois, é belíssimo, extraordinariamente belo, no visual e no suco. Mas é pesado, lento, as relações dos personagens não são fáceis, são enroladas, as referências são muito circulares, e na verdade é preciso rever o filme, acho, para entender e gostar mais da trama – que é a mais confusa e tortuosa dos poucos do Wim Wenders que eu vi até agora. Continue lendo “Tão Longe, Tão Perto / In Weiter Ferne, So Nah!”

Jack


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Em entrevistas, Coppola disse que este filme não tem nada de pessoal, dele; que é um projeto industrial. Me lembro de ter lido uma entrevista em que ele dizia esperar que o filme fizesse sucesso porque isso o ajudaria a ter condições de, no futuro, fazer um filme pessoal. OK – não é um grande filme. Mas é muito bom. Continue lendo “Jack”