Uma Carta para Elia / A Letter to Elia

zzletter1

Nota: ★★★☆

Martin Scorsese viu On the Waterfront (no Brasil, Sindicato de Ladrões) quando o filme estreou, em 1954. Tinha então 12 anos, e viu o filme no Lowe’s Commodore, no número 109 da Segunda Avenida, entre as ruas 6th e 7th East. Era um baita cinemão, com 2.830 lugares. Continue lendo “Uma Carta para Elia / A Letter to Elia”

Uma Noite em 67

Nota: ★★★★

Anotação em 2011: Uma beleza, uma delícia, uma maravilha de documentário. Grande idéia – recontar como foi o Festival da Record de 1967, um fenômeno, um acontecimento histórico importante, rico, fundamental. Grande plano de vôo – não inventar, fazer a coisa simples, a coisa certa. Grande realização – os tapes da TV Record, entremeados com boas entrevistas feitas agora (o filme é de 2010) com todos os principais envolvidos. Continue lendo “Uma Noite em 67”

O Inferno de Henri-Georges Clouzot / L’Enfer d’Henri-Georges Clouzot

Nota: ★★★½

Anotação em 2011: Se tivesse sido completado, O Inferno, que Henri-Georges Clouzot deixou inacabado em 1964, seria, muito provavelmente, um dos mais filmes mais belos, mais fascinantes da história. Continue lendo “O Inferno de Henri-Georges Clouzot / L’Enfer d’Henri-Georges Clouzot”

Jogo de Cena

Nota: ★☆☆☆

Anotação em 2010: Jogo de Cena, de Eduardo Coutinho, é um filme fascinantemente, arrojadamente único, peculiar, sui generis. É também, ao mesmo tempo, para a imensa maioria dos mortais, um filme desinteressante, danado de chato, sacal, quase insuportável. Continue lendo “Jogo de Cena”

Simonal – Ninguém Sabe o Duro que Dei


Nota: ★★★★

Anotação em 2009: Nunca houve uma história como a de Wilson Simonal. A vida dele é extremamente rica, cheia, impressionante, marcante. Era importantíssimo que se fizesse um filme sobre ela. O resultado final nem precisaria ser excelente, e já seria um filme precioso. Pois este documentário é ótimo – fica muito além das expectativas. Continue lendo “Simonal – Ninguém Sabe o Duro que Dei”

Assim Era a Atlântida


Nota: ★★½☆

Anotação em 2009: É absolutamente incompreensível o que Carlos Manga, com toda sua imensa experiência, fez neste Assim Era a Atlântida – ou melhor, o que ele deixou de fazer. Ao juntar trechos de 27 filmes produzidos pela Atlântida (vários deles dirigidos por ele mesmo) e adicionar depoimentos de nove artistas que trabalharam no estúdio, ele simplesmente não teve o cuidado mínimo de colocar legendas para informar qual é o filme que está sendo mostrado e quem é o entrevistado! Continue lendo “Assim Era a Atlântida”

Leonard Cohen: I’m Your Man


Nota: ★★★½

Anotação em 2009: Os fãs de Leonard Cohen vão adorar este filme, babar de admiração, voltar para rever trechos aqui e ali, ver tudo de novo assim que terminar a primeira vez. Para quem conhece um pouco dele, seguramente é um excelente cartão de visitas, um belo convite a ir mais fundo. Para quem não o conhece (e aqui seguramente está a grande maioria das pessoas), não sei bem, não dá para saber, mas acho que pode ser uma interessante introdução. Continue lendo “Leonard Cohen: I’m Your Man”

Anna dos 6 aos 18 / Anna: Ot shesti do vosemnadtsati


Nota: ★★★☆

Anotação em 1995: A idéia em si já é brilhante: Nikita Mikhalkov mostra a evolução de sua filha Anna dos 6 aos 18 anos – e, paralelamente, a história da União Soviética durante esse período. Foram 13 anos, portanto, para completar o filme. Uma vez por ano, ao longo de 12 anos, ele filma a filha e lhe pergunta o que ela mais ama, o que ela mais odeia, o que ela teme. Fez uma história dos últimos anos do império soviético até sua explosão. Continue lendo “Anna dos 6 aos 18 / Anna: Ot shesti do vosemnadtsati”