Amateur


Nota: ½☆☆☆

Anotação em 1997: Um horror. Este filme é uma coisa extremamente especial. Ele foi elogiadíssimo pela crítica; ainda hoje, leio na Vejinha da semana, que noticia o lançamento em vídeo de Flerte, o filme seguinte desse Hal Hartley: “O diretor Hal Hartley é um nome badalado pela crítica e sempre comparado a Jean-Luc Godard e Michelangelo Antonioni”. E a questão é que o filme é ruim demais; é infinitamente ruim; é seriíssimo candidato a pior filme do mundo; é mais ridículo do que qualquer produção classe Z. Continue lendo “Amateur”

Tieta do Agreste


Nota: ★★★☆

Anotação em 1997: Terminando de ver agorinha mesmo, é o seguinte: Quem não viu deve ver. Houve má vontade de boa parte da imprensa para com o filme – enquanto houve, ao contrário, apenas loas ou desculpas àquele besteirol ginasiano à la Casseta e Planeta que é Carlota Joaquina. Continue lendo “Tieta do Agreste”

The Wonders – O Sonho Não Acabou / That Thing You Do


Nota: ★★★☆

Anotação em 1997, com complemento em 2008: Uma total delícia. Alegre, divertido, bem humorado. Tem o frescor inocente da primeira metade dos anos 60, do rock’n’roll de Buddy Holly, das primeiras letras dos Beatles. É impressionante, na verdade, como Tom Hanks, que é novo, de 1956, conseguiu captar tão perfeitamente o espírito daquelas letras e daquelas canções juvenis. Continue lendo “The Wonders – O Sonho Não Acabou / That Thing You Do”

Striptease


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 1997: Comedinha que deve ter custado caro, típico produto de Hollywood nos anos 90, rasinha que nem um pires, que resulta em algumas risadas (há piadas boas, de texto); mistura drama familiar, um toque de trama de thriller (o cinemão padrão de Hollywood atual parece não conseguir fazer nada sem um toque de trama de thriller), imensas pitadas do exagero mais over e do over mais exagerado, e uma indisfarsável tendência para pornô leve mas safadinho. Continue lendo “Striptease”

Quem Está Cantando Nossas Mulheres / Greetings


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997: A caixinha do vídeo do lançamento brasileiro já define que o filme é visto como uma raridade. Tem um título enorme, sobre foto de Robert De Niro, do tipo: “Você imaginaria este homem fazendo uma comédia? E dirigida pelo célebre Brian De Palma?” Ou seja: é um filme que foi lançado agora, nos últimos anos, aproveitando a estatura dos dois nomes. Na época, passou despercebido. Continue lendo “Quem Está Cantando Nossas Mulheres / Greetings”

Para Roseanna / For Roseanna


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 1997: O filme é ruim, mas é ruim demais. O personagem principal, Marcello, um italiano interpretado pelo francês Jean Reno falando em italiano, é absolutamente caricatural, grotesco. O pobre Reno, normalmente bom ator, está absolutamente perdido, fazendo gestos absurdos, sem sentido; mais caricato seria impossível. Continue lendo “Para Roseanna / For Roseanna”

Meus Tios Heróis / Unstrung Heroes


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997: É um filme estranho, weird como a própria palavra weird. Tem um certo humor amargo que deve ser bem característica dos judeus americanos – e é interessante que, em seu primeiro-longa metragem como diretora, Diane Keaton, depois de anos de convivência com Woody Allen, tenha feito um filme tão profundamente, arraigadamente judeu. Continue lendo “Meus Tios Heróis / Unstrung Heroes”

Meus Queridos Presidentes / My Fellow Americans


{rating:2.5]

Anotação em 1997: Uma comedinha até melhor do que a encomenda. Não conhecia esse diretor Peter Segal, mas ele leva jeito. A comédia funciona, é engraçada, tem boas piadas, boas gags; James Garner está careteiro como sempre, e Jack Lemmon exagera nos seus cacoetes, mas eles são muito divertidos. Continue lendo “Meus Queridos Presidentes / My Fellow Americans”

Michael – Anjo e Sedutor / Michael


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997: É uma bobagem danada – e, no entanto, gostosinho de se ver. Desses filmes que nos divertem bastante enquanto estamos vendo – e do qual nos esquecemos assim que ele termina. Mais uma brincadeira com anjos, esse tema tão eternamente recorrente no imaginário coletivo e portanto, é claro, no cinema. Continue lendo “Michael – Anjo e Sedutor / Michael”

L.A. Story


Nota: ★★★½

Anotação em 1997: Não entendo como nunca tinha visto este filme antes. É uma delícia, bem humoradíssimo, cheio de graça e charme, inteligente. O filme consegue criar uma aura mágica. É uma beleza de declaração de amor ao amor e a uma cidade cheia de problemas, uma das maiores do país, uma das mais complexas do mundo. Continue lendo “L.A. Story”

Kolya – Uma Lição de Amor / Kolja


Nota: ★★★★

Anotação em 1997: Uma beleza grande, imensa, uma puta sensibilidade. Conta-se uma bela história de uma criança despertando emoções e generosidade insuspeitadas em um homem maduro de 55 anos; mas conta-se, com ela, junto com ela, atrás dela, ou sobretudo, a história política do subjugado diante do representante do imperialismo. Continue lendo “Kolya – Uma Lição de Amor / Kolja”

Fiel, Mas Nem Tanto / Faithfull


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997: Gostosa, divertida comédia sobre temas sérios – infidelidade, desonestidade, fim de tesão no casamento, mentira. A trama é uma espécie de versão cômica e descompromissada de Jogo Mortal/Sleuth, o último filme do grande Joseph L. Mankiewicz, de 1973, cheia de armadilhas, pistas falsas, reviravoltas, surpresas. Cher e Chazz Palminteri estão ótimos. Continue lendo “Fiel, Mas Nem Tanto / Faithfull”