Um Banho de Vida / Le Grand Bain

Nota: ★★½☆

O ator e às vezes diretor Gilles Lellouche reuniu quatro dos mais famosos atores e às vezes diretores do cinema francês, todos entre os 45 e os 63 anos de idade, para fazer este Um Banho de Vida, no original Le Grand Bain – uma comédia sobre um grupo de homens que forma equipe de um esporte até há pouco apenas feminino, o nado sincronizado. Continue lendo “Um Banho de Vida / Le Grand Bain”

Sabes o Que Quero / The Girl Can’t Help It

Nota: ★★★☆

The Girl Can’t Help It, literalmente a garota não consegue evitar, no Brasil Sabes o que Quero, pode ser hoje – e creio que é – um filme pouco conhecido, pouco falado. Mas foi bem importante na época do lançamento, 1956: foi o primeiro filme de grande estúdio a apresentar o então novato, recém-chegado rock’n’roll. Continue lendo “Sabes o Que Quero / The Girl Can’t Help It”

Aqui em Casa Tudo Bem / A Casa Tutti Bene

Nota: ★★★☆

Quem estiver atrás de surpresas, reviravoltas, ineditismos não vai achar nada disso em A Casa Tutti Bene, no Brasil Aqui em Casa Tudo Bem (2018), de Gabriele Muccino. É um mezzo drama, mezzo comédia sobre família, relações familiares – e então não cabem surpresas, reviravoltas, ineditismos. Continue lendo “Aqui em Casa Tudo Bem / A Casa Tutti Bene”

Segredos de Alcova e O Diário de uma Camareira

Nota: ★★☆☆

Nota: ★★½☆

Ao longo de sua História, o cinema se mostrou encantado com Le Journal d’une Femme de Chambre, o romance do francês Octave Mirbeau publicado em 1900. A história foi filmada quatro vezes, em 1916, 1946, 1964 e 2015 – duas delas por diretores que estão entre os melhores, mais importantes de todos. Continue lendo “Segredos de Alcova e O Diário de uma Camareira”

Sete Psicopatas e um Shih Tzu / Seven Psychopaths

Nota: ★★½☆

Sete Psicopatas e um Shih Tzu, de 2012, tem várias cenas que poderiam estar em qualquer slasher movie, aquele tipo de filme de terror especialmente violento em que costuma esguichar sangue das veias das pessoas como se fosse um grande gêiser islandês, para a alegria de adolescentes desmiolados. Inclusive cenas de navalha cortando o pescoço e sangue esguichando como se fosse um grande gêiser islandês. Continue lendo “Sete Psicopatas e um Shih Tzu / Seven Psychopaths”

Flores Partidas / Broken Flowers

Nota: ★★★½

Até que demoraram muito para se encontrar esses dois senhores, Jim Jarmusch e Bill Murray. Porque a sensação que se tem é de foram feitos para trabalhar juntos, o diretor mais minimalista, mais nonchalant, mais suavemente hilariante, e o ator mais minimalista, mais nonchalant, mais suavemente hilariante do cinema americano das últimas muitas décadas.  Continue lendo “Flores Partidas / Broken Flowers”

História de um Casamento / Marriage Story

Nota: ★★☆☆

Os críticos a-do-ram Noah Baumbach. Até mesmo aqueles espectadores que se têm como intelectuais, só vêem “cinema de arte” e torcem o narizinho empinado para “filmes americanos” costumam gostar de Noah Baumbach, como gostam de Hal Hartley e Darren Aronofsky. Noah Baumbach é cool, é cult. Continue lendo “História de um Casamento / Marriage Story”

De Pernas Pro Ar

Nota: ★★☆☆

De Pernas Pro Ar, lançado no finalzinho de 2010, é um fenômeno. Teve 3,5 milhões de espectadores nos cinemas, um número extraordinário para o cinema brasileiro. Com tamanho sucesso, teria mesmo que virar franquia, e em 2012 veio De Perna Pro Ar 2, que conseguiu suplantar o primeiro, com 4,8 milhões de ingressos vendidos. Continue lendo “De Pernas Pro Ar”

Segredos de Natal / Zeit der Geheimnisse

Nota: ★★★☆

Zeit der Geheimnisse, exibido pela Netflix no Brasil como Segredos de Natal, nos países de língua inglesa como Holiday Secrets, é um tanto difícil de definir e tão fascinante quanto a família que apresenta – quatro gerações de mulheres, basicamente de mulheres, em que os homens são apenas e tão somente complementos supérfluos. Muitas vezes pesos desnecessários. Continue lendo “Segredos de Natal / Zeit der Geheimnisse”

Lady Bird: A Hora de Voar / Ladybird

Nota: ★★★☆

Lady Bird (2017), que no Brasil ganhou um complemento e virou Lady Bird: A Hora de Voar – talvez porque quase no fim a personagem título entra em um avião –, tem um lado de novidade, de frescor, e de outro um jeitão tremendo de déjà-vu. É o primeiro filme dirigido pela jovem e simpaticíssima atriz e roteirista Greta Gerwig. Mas é também o décimo bilionésimo filme sobre as desventuras e atribulações de um/uma adolescente em flor. Continue lendo “Lady Bird: A Hora de Voar / Ladybird”