007 Contra o Homem com a Pistola de Ouro / The Man With the Golden Gun

Nota: ½☆☆☆

Bond, James Bond, na encarnação de Roger Moore, pula o muro e entra na gigantesca propriedade de um um bilionário chinês, um bandidão chamado Hai Fat (Richard Loo). Na piscina, nada uma bela chinesinha, que convida 007 para entrar. Ele diz que não tem roupa, ela diz que também não. Ele pergunta o nome: – “Chew Me”, ela responde, sorriso aberto. Continue lendo “007 Contra o Homem com a Pistola de Ouro / The Man With the Golden Gun”

Alice Não Mora Mais Aqui / Alice Doesn’t Live Here Anymore

Nota: ★★★★

É um grande prazer rever Alice Não Mora Mais Aqui agora, 44 anos depois que Martin Scorsese o lançou. Ele continua tão caloroso, tocante, inquietante, simpático, envolvente quanto em 1974, quando foi lançado, em meio a uma grande revolução no cinema americano – os anos em que uma nova geração de diretores e produtores chegava para mudar de vez o sistema dos estúdios em vigor desde o início do século. Continue lendo “Alice Não Mora Mais Aqui / Alice Doesn’t Live Here Anymore”

Lua de Papel / Paper Moon

Nota: ★★★★

Lua de Papel, de 1973, é uma gema, uma pérola, uma preciosidade. Uma daquelas jóias raras do cinema em que tudo funciona perfeitamente, tudo se encaixa, não falta nada, não sobra nada. E boa parte do encanto absoluto vem da interpretação de uma garotinha que ainda não tinha completado 10 anos de idade durante as filmagens – as primeiras de que participou na vida. Continue lendo “Lua de Papel / Paper Moon”

Ciúme à Italiana / Dramma della Gelosia (tutti i particolari in cronaca)

Nota: ★★★☆

Embora tenha a palavra “drama” no título original, Dramma della gelosia (tutti i particolari in cronaca), o primeiro dos dez filmes de Ettore Scola com Marcello Mastroianni – e o único do diretor com Monica Vitti, a musa de Michelangelo Antonioni e uma das deusas do cinema mundial na segunda metade do século XX – é uma comédia escrachada, aberta, escancarada. Continue lendo “Ciúme à Italiana / Dramma della Gelosia (tutti i particolari in cronaca)”

A Última Sessão de Cinema / The Last Picture Show

Nota: ★★★★

Nós todos envelhecemos – nós, os das gerações nascidas aí entre 1945 e 1955, que vimos A Última Sessão de Cinema quando éramos jovens e tínhamos desejos fortes e sonhos ambiciosos e nos apaixonamos pelo filme. Peter Bogdanovich e aquela penca de atores envelheceram, é claro, e nós os vimos envelhecer nas telas. Continue lendo “A Última Sessão de Cinema / The Last Picture Show”