Os Guarda-Chuvas do Amor / Les Parapluies de Cherbourg


Nota: ★★★★

Neste ano de 2008, alguns meses atrás, a jornalista Cora Ronai fez em sua coluna no jornal O Globo uma lista dos piores filmes de todos os tempos, e incluiu Les Parapluies de Cherbourg, a pérola com que Jacques Demy presenteou o mundo em 1964 – 44 antes da lista de Cora Ronai, portanto. Continue lendo “Os Guarda-Chuvas do Amor / Les Parapluies de Cherbourg”

O Preço de um Prazer / Love with the Proper Stranger


Nota: ★★★☆

Anotação em 1998: Quase na metade deste filme de belíssima fotografia em preto-e-branco, há uma cena em que Natalie Wood, lindíssima e no esplendor da juventude, e Steve McQueen, feio, charmoso e no esplendor da juventude, estão juntos numa rua de Nova York somando o dinheiro que têm para dar para fazer um aborto. Continue lendo “O Preço de um Prazer / Love with the Proper Stranger”

O Leão / The Lion

Nota: ★★½☆

Anotação em 1998: Tem méritos este filme dirigido pelo fotógrafo inglês Jack Cardiff, passado na África com atores ingleses e americanos. Feito em 1962, trata de forma adulta, inteligente, muito avançada para a época, dessa coisa da criação de filhos de pais separados, a necessidade de haver cumplicidade dos pais na criação dos filhos. Continue lendo “O Leão / The Lion”

Os Companheiros / I Compagni


Nota: ★★★★

Anotação em 1997: Ao rever o filme agora (em 1997), beirando os 50 anos de idade, exatos 32 anos depois de ter visto pela primeira vez, eu ia me lembrando de cada cena, de cada diálogo. Que beleza de filme. Uma beleza tão espantosa que permanece inabalável, tão forte hoje, nestes tempos pós-fim do comunismo, quanto era antes. Continue lendo “Os Companheiros / I Compagni”

Quem Está Cantando Nossas Mulheres / Greetings


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997: A caixinha do vídeo do lançamento brasileiro já define que o filme é visto como uma raridade. Tem um título enorme, sobre foto de Robert De Niro, do tipo: “Você imaginaria este homem fazendo uma comédia? E dirigida pelo célebre Brian De Palma?” Ou seja: é um filme que foi lançado agora, nos últimos anos, aproveitando a estatura dos dois nomes. Na época, passou despercebido. Continue lendo “Quem Está Cantando Nossas Mulheres / Greetings”

Festa de Casamento / The Wedding Party


Nota: ★★☆☆

Anotação em 1997: Os guias americanos metem o pau neste filme da pré-história de Brian De Palma. Leonard Maltin, por exemplo, diz que o filme é palavroso, piegas, chato, e só tem interesse pela participação de Brian De Palma, e o surgimento, nos créditos, de Jill Clayburgh e De Niro (que aparece como “DeNero”). Continue lendo “Festa de Casamento / The Wedding Party”

A Mulher Infiel / La Femme Infidèle


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Claude Chabrol insiste, como vários de seus contemporâneos, em mostrar as vilanias da burguesia. Pega aqui uma família de posses (cuja origem do dinheiro nunca é mostrada), que mora numa bela propriedade num subúrbio de Paris, garoto de uns dez anos pouco delineado, mulher jovem, bonita e sensual (Stéphane Audran), marido (Michel Bouquet) mais velho, educado, polido, frio e nunca interessado em carinho ou sexo. Continue lendo “A Mulher Infiel / La Femme Infidèle”

Caminhos Mal Traçados / The Rain People


Nota: ★★½☆

Anotação em 1996: Esta obra do jovem Francis Ford Coppola, que eu não conhecia nem de ouvir falar, é um dos primeiros longa-metragens dele como diretor. Antes, ele havia feito Agora Você é um Homem/You’re a big boy now (também com a mesma boa atriz, Shirley Knight, uma comédia sobre o início da influência da contracultura, uma espécie de versão nova-iorquina de A Primeira Noite de um Homem/The Graduate), e O Caminho do Arco-Íris/Finian’s Rainbow (em que resolveu se aventurar no musical, com o já velho Fred Astaire e a cantora inglesa Petula Clark). Neste aqui, de 1969, Coppola se antecipa em três décadas aos road-movies feministas, Thelma & Louise e os demais. Continue lendo “Caminhos Mal Traçados / The Rain People”