Evidência Inaceitável / Inadmissible Evidence

Nota: ★☆☆☆

Anotação em 2000: Provavelmente, ou certamente, este filme, do então novo cinema inglês dos anos 60, deve ter sido saudado pelos críticos como um fascinante estudo sobre a alienação das pessoas na sociedade moderna, por ter contado, em estilo inovador, vanguardista, a história de um promotor inglês amargurado pela falta de sentido da vida em plena swinging London. Continue lendo “Evidência Inaceitável / Inadmissible Evidence”

Crown, o Magnífico e Thomas Crown – A Arte do Crime / The Thomas Crown Affair


Nota: ★★★☆

Resenha na coluna O Melhor do DVD, no site estadao.com.br, em 2000: Bem no comecinho, nas primeiras tomadas, Thomas Crown – A Arte do Crime se define. Primeiro, há uma pequena, curtíssima, e bela pirotecnia: mostra-se Nova York vista de um satélite; em rápidas tomadas, em ritmo frenético, nos aproximamos de Manhattan, do Central Park, do relógio carésimo do personagem central. Isso dura menos que meio minuto, mas já está lá: estamos diante de um filme de muitos exageros, coisas rebuscadas, superlativas. Em segundo lugar, mas ainda nessas primeiras tomadas, ainda no início da apresentação, vemos Faye Dunaway; ela faz uma psicóloga, e está em uma sessão de terapia, atendendo Pierce Brosnan. A ação ainda nem começou, mas já está lá: estamos diante de um remake, uma refilmagem, uma nova versão. Continue lendo “Crown, o Magnífico e Thomas Crown – A Arte do Crime / The Thomas Crown Affair”

Histórias Extraordinárias / Histoires Extraordinaires / Spirits of the Dead


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 1999: Estranho rever agora alguns desses filmes cultuados dos anos 60. Este aqui – episódios dirigidos por Roger Vadim, Louis Malle e Federico Fellini, com base em histórias de Edgar Allan Poe, só com grandes atores – é típico. Continue lendo “Histórias Extraordinárias / Histoires Extraordinaires / Spirits of the Dead”

Geração Violenta / Explosive Generation


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 1999, com complemento em 2008:  Uma rara peça de museu. Uma coisa absolutamente anacrônica – e não apenas vista com a perspectiva de hoje, mas com a própria visão do tempo em que foi feito. Em 1961 já era pré-antiga aquela adolescência absolutamente careta, ingênua e inocente retratada no filme. Continue lendo “Geração Violenta / Explosive Generation”

Os Crimes de Oscar Wilde e Wilde


Nota: ★★☆☆

Anotação em 1999: Coincidência: a gente tinha pego o Wilde, de 1997, na 2001; acabamos não vendo para ver primeiro o filme de 1960, que passava na TV a cabo. O mais antigo não é propriamente um bom filme. É muito acadêmico demais, muito previsível, muito certinho, com os personagens todos muito maniqueistamente desenhados, na verdade caricaturados. Continue lendo “Os Crimes de Oscar Wilde e Wilde”

Bullitt


Nota: ★★☆☆

Anotação em 1999: Nunca tinha visto o Bullitt, tão famoso, quase um clássico. Visto hoje, com a distância do tempo, é um filme correto, com uma trama simples e até meio vazia, com uma cena de perseguição de carros nas ruas de San Francisco, filmada com o próprio Steve McQueen, nas próprias ruas de San Francisco, cuidadosamente planejada, extremamente bem executada e longa demais. Continue lendo “Bullitt”

Viva Maria


Nota: ★★★☆

Anotação em 1998, com complemento em 2008: O pessoal papo-cabeça que não perde um filme iraniano na Mostra de Cinema de São Paulo não gosta muito desse tipo de coisa, mas a verdade é que uma das muitas artes do cinema é divertir. Continue lendo “Viva Maria”

Os Guarda-Chuvas do Amor / Les Parapluies de Cherbourg


Nota: ★★★★

Neste ano de 2008, alguns meses atrás, a jornalista Cora Ronai fez em sua coluna no jornal O Globo uma lista dos piores filmes de todos os tempos, e incluiu Les Parapluies de Cherbourg, a pérola com que Jacques Demy presenteou o mundo em 1964 – 44 antes da lista de Cora Ronai, portanto. Continue lendo “Os Guarda-Chuvas do Amor / Les Parapluies de Cherbourg”

O Preço de um Prazer / Love with the Proper Stranger


Nota: ★★★☆

Anotação em 1998: Quase na metade deste filme de belíssima fotografia em preto-e-branco, há uma cena em que Natalie Wood, lindíssima e no esplendor da juventude, e Steve McQueen, feio, charmoso e no esplendor da juventude, estão juntos numa rua de Nova York somando o dinheiro que têm para dar para fazer um aborto. Continue lendo “O Preço de um Prazer / Love with the Proper Stranger”

O Leão / The Lion

Nota: ★★½☆

Anotação em 1998: Tem méritos este filme dirigido pelo fotógrafo inglês Jack Cardiff, passado na África com atores ingleses e americanos. Feito em 1962, trata de forma adulta, inteligente, muito avançada para a época, dessa coisa da criação de filhos de pais separados, a necessidade de haver cumplicidade dos pais na criação dos filhos. Continue lendo “O Leão / The Lion”

Os Companheiros / I Compagni


Nota: ★★★★

Anotação em 1997: Ao rever o filme agora (em 1997), beirando os 50 anos de idade, exatos 32 anos depois de ter visto pela primeira vez, eu ia me lembrando de cada cena, de cada diálogo. Que beleza de filme. Uma beleza tão espantosa que permanece inabalável, tão forte hoje, nestes tempos pós-fim do comunismo, quanto era antes. Continue lendo “Os Companheiros / I Compagni”

Quem Está Cantando Nossas Mulheres / Greetings


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997: A caixinha do vídeo do lançamento brasileiro já define que o filme é visto como uma raridade. Tem um título enorme, sobre foto de Robert De Niro, do tipo: “Você imaginaria este homem fazendo uma comédia? E dirigida pelo célebre Brian De Palma?” Ou seja: é um filme que foi lançado agora, nos últimos anos, aproveitando a estatura dos dois nomes. Na época, passou despercebido. Continue lendo “Quem Está Cantando Nossas Mulheres / Greetings”

Festa de Casamento / The Wedding Party


Nota: ★★☆☆

Anotação em 1997: Os guias americanos metem o pau neste filme da pré-história de Brian De Palma. Leonard Maltin, por exemplo, diz que o filme é palavroso, piegas, chato, e só tem interesse pela participação de Brian De Palma, e o surgimento, nos créditos, de Jill Clayburgh e De Niro (que aparece como “DeNero”). Continue lendo “Festa de Casamento / The Wedding Party”