Arquivos do Rótulo: 1960’s

Cortina Rasgada / Torn Curtain

Nota: ★★½☆

Cortina Rasgada, o filme número 50 de Alfred Hitchcock, foi muitíssimo mal recebido pela crítica ao ser lançado em 1966. Depois de rever o filme agora, me ocorreu que pode haver diversas explicações para isso. Vários motivos, não excludentes – ao contrário. Ler Mais »

007 Contra Goldfinger / Goldfinger

Nota: ★★★☆

Muita gente diz que Goldfinger é o melhor dos filmes de James Bond. Eu não saberia dizer: não pertenço à imensa legião de fãs de carteirinha de James Bond; devo ter visto só a metade dos 24 feitos até agora, se é que vi tantos. Ler Mais »

Fahrenheit 451

Nota: ★★★½

Fahrenheit 451, o quinto longa-metragem de François Truffaut, o primeiro em cores e o único feito em país estrangeiro, a Inglaterra, tem uma das frases mais belas, mais fortes, mais marcantes, mais dramáticas destes cento e dez anos de cinema: – “Do you ever read the books you burn?” Ler Mais »

Casanova ’70

Nota: ½☆☆☆

No curto período entre 1963 e 1965, os gigantes Mario Monicelli e Marcello Mastroianni fizeram dois dos mais comentados filmes do total de sete em que juntaram seus talentos. Monicelli sempre foi mais ligado à comédia; Mastroianni fazia de tudo, alternava as gargalhadas de Divórcio à Italiana (1962) com a dureza da incomunicabilidade de A Noite (1961) com o féerico, onírico de Oito e Meio (1963). Ler Mais »

Os Desajustados / The Misfits

Nota: ★★★½

Rever Os Desajustados/The Misfits, de John Huston, hoje, mais de meio século depois de seu lançamento em 1961, é uma experiência que tem impacto duplo. Um é pelo filme em si, que permanece forte, vigoroso, perturbador, inquietante. Outro é pelas circunstâncias em que ele foi feito, o contexto, as histórias todas que cercam as filmagens. Ler Mais »

Chamada para um Morto / The Deadly Affair

Nota: ★★★☆

Em 1966, nove anos depois de sua estréia no cinema com 12 Homens e uma Sentença/12 Angry Men, o americaníssimo Sidney Lumet, nascido na Filadélfia e radicado em Nova York, foi a Londres fazer um filme absolutamente britânico, baseado na primeira novela publicada por John le Carré. Ler Mais »

Blow-up

zzblow1

Nota: ★★★★

Uma das muitas coisas que me impressionaram, ao rever Blow-up agora, exatos 49 anos depois de ter visto duas vezes quase em seguida, com poucos dias de diferença, em 1967, foi: mas que antena fantástica tinham mestre Michelangelo Antonioni e seus colaboradores para escolher as pessoas nesta sua primeira aventura fora da Itália, em língua estrangeira. Ler Mais »

Ontem, Hoje e Amanhã/Ieri Oggi Domani

zzontem1

Nota: ★★½☆

Antes de mais nada: Ontem, Hoje e Amanhã, no original Ieri Oggi Domani, tem uma sequência antológica, maravilhosa, belíssima, encantadora, deliciosa. Ler Mais »

A Piscina / La Piscine

zzpiscina1

Nota: ★★★☆

Quanta lindeza. E quanta tristeza.

Essas expressões ficaram pipocando na minha cabeça assim que terminei de ver pela primeira vez A Piscina, exatos 47 anos após o lançamento do filme, em 1969. Ler Mais »

O Assassino / L’Assassino

zzassassino1

Nota: ★★★☆

Elio Petri (1929-1982) ficou conhecido em todo o mundo principalmente por dois filmes excelentes, impactantes, polêmicos a não poder, que despertaram grandes paixões: Investigação Sobre um Cidadão Acima de Qualquer Suspeita (1970) e A Classe Operária vai ao Paraíso (1971). Este O Assassino, seu primeiro longa-metragem, de 1961, já mostrava uma dose imensa de talento. Ler Mais »

Audazes e Malditos / Sergeant Rutlegde

zzsargento1

Nota: ★★★½

Sergeant Rutledge, no Brasil Audazes e Malditos, é um grande western, um filmaço, uma obra de arte importante. Lançado em 1960, o filme do mestre John Ford discute com um vigor e uma clareza impensáveis à época a grande chaga do racismo. Ler Mais »

Atirem no Pianista/Tirez sur le Pianiste

zztirez1

Nota: ★★☆☆

São estranhos, esquisitos, desconcertantes os primeiros minutos de Atirem no Pianista/Tirez sur le Pianiste (1960), o segundo longa-metragem de François Truffaut, que em sua obra fica ensanduichado entre dois filmes memoráveis, importantes, em todos os sentidos – Os Incompreendidos/Les Quatre-Cents Coups (1959) e Jules et Jim (1962). Ler Mais »

A Lista de Adrian Messenger / The List of Adrian Messenger

zzlista1

Nota: ★★★☆

O próprio John Huston dizia não ter um estilo, um jeito específico seu de fazer filmes, já que fazia filmes de todos os estilos, todos os jeitos, todos os gêneros. É bem verdade – talvez. Ou em parte. Ler Mais »

A Aventura / L’Avventura

zzaventura1

Nota: ★★★★

As relações afetivas são frágeis, precárias, quebradiças. Podem se desfazer a cada momento, sem aviso prévio, sem causa aparente. As pessoas são volúveis, instáveis, imprevisíveis. E, muitas vezes, abertamente, absurdamente contraditórias. Ler Mais »

Começou em Nápoles / It Started on Naples

zznapoli1

Nota: ★★★☆

Entre 1957 e 1961, dos 23 aos 27 aninhos de idade, Sophia Loren fez 11 filmes americanos e 2 ingleses, contracenando com muitos dos maiores astros da época e sob a batuta de diretores importantes. Voltaria depois a trabalhar em produções americanas, é claro, mas nesse período dedicou-se apenas a Hollywood, com contrato de quatro anos com a Paramount – e foi então que, de fenômeno italiano, se tornou uma estrela internacional, aclamada no mundo inteiro. Ler Mais »