Arquivos do Rótulo: 1950’s

Rio Bravo / Rio Grande

Nota: ★★★☆

O mais aparente, visível, é a homenagem à Cavalaria do Exército americano – e este Rio Grande é, de fato, o terceiro filme da trilogia do mestre John Ford sobre a Cavalaria, depois de Sangue de Heróis/Fort Apache (1948) e Legião Invencível/She Wore a Yellow Ribbon (1949). Ler Mais »

A Morte Espera no 322 / Pushover

Nota: ★★★½

A Morte Espera no 322, no original Pushover, de 1954, é muito menos conhecido, falado, lembrado do que deveria. Jamais tinha ouvido falar dele, apesar de gostar especialmente do cinema americano dos anos 30 a 60, e tenha uma predileção pelo film noir. Ler Mais »

O Cisne / The Swan

Nota: ★★☆☆

O Cisne/The Swan, de 1956, é uma das mais contundentes provas de que um filme não é só um filme. É um filme, claro, mas é também o que o cerca, as histórias envolvendo sua produção, seu lançamento, o impacto que provocou, as reações a ele, o contexto todo. Ler Mais »

Mogambo

Nota: ★★½☆

Que tal uma trama assim? O sujeito está enfurnado no meio da selva africana há décadas, vivendo de capturar animais selvagens e vendê-los para algum lugar da civilização e eventualmente de servir de hospedeiro e guia de ricaços interessados em fazer safáris. De repente, cai de pára-quedas diante dele a Ava Gardner. Ler Mais »

Páginas da Vida / O. Henry’s Full House

Nota: ★★½☆

O’Henry’s Full House, no Brasil Páginas da Vida, de 1952, pode não ser um grande filme – e não é mesmo, na minha opinião. É bem intencionado, defende bons valores, mas abusa do sentimentalismo, da pieguice. Ler Mais »

Ralé / Donzoko

Nota: ★★★★

Em Ralé, seu filme de 1957, Akira Kurosawa demonstra cabalmente que, de fato, é o William Shakespeare do cinema. Ler Mais »

Nunca Fui Santa / Bus Stop

[rating:2)

Bus Stop, no Brasil Nunca Fui Santa, de 1956, foi o segundo filme lançado quando Marilyn Monroe já era indiscutivelmente a maior estrela do cinema americano. Ler Mais »

Mulheres e Luzes / Luci del Varietà

Nota: ★★★☆

É muito impressionante como Luci del Varietà, no Brasil Mulheres e Luzes, comprova que tudo, tudo, tudo muda – e demonstra como, fora do âmbito específico da Matemática, a ordem dos fatores altera, sim, o produto. Ler Mais »

Corações Enamorados / Young at Heart

Nota: ★★½☆

Young at Heart, de 1954, no Brasil Corações Enamorados, foi o único filme em que atuaram – e cantaram – juntos Doris Day e Frank Sinatra. Não é pouca coisa, não, de jeito algum. Ler Mais »

Janela Indiscreta / Rear Window

Nota: ★★★★

Janela Indiscreta é um filme genial.

Algumas palavras são tão usadas que acabam perdendo a força, o viço, o frescor. Ficam esgarçadas. “Genial” talvez seja o exemplo mais perfeito disso. Ler Mais »

O Mercador de Almas / The Long, Hot Summer

Nota: ★☆☆☆

The Long Hot Summer, no Brasil O Mercador de Almas, de 1958, é um absoluto espanto. O diretor é o ótimo Martin Ritt. O elenco é espetacular: Paul Newman, Joanne Woodwarsd, Anthony Franciosa, Lee Remick – linda de morrer aos 23 aninhos de idade –, Angela Lansbury. E, como se não bastasse, Orson Welles. Ler Mais »

Uma Aventura na África / The African Queen

Nota: ★★★★

Acho que dá para afirmar, sem medo de errar, que Uma Aventura na África/The African Queen é um dos mais adorados de todos os filmes do período clássico de Hollywood. Ler Mais »

O Homem do Oeste / Man of the West

Nota: ★☆☆☆

O Homem do Oeste, de 1958, foi o penúltimo western dirigido por Anthony Mann, um dos maiores realizadores de westerns. Depois dele, Mann ainda faria a refilmagem Cimarron (1960), e em seguida lançaria duas grandes superproduções, El Cid (1961) e A Queda do Império Romano (1964), e terminaria a carreira gloriosa com um filme de guerra, Os Heróis de Telemark (1965), e um de espionagem, O Espião de Dois Mundos (1968). Ler Mais »

Um de Nós Morrerá / The Left-Handed Gun

Nota: ★☆☆☆

Arthur Penn, um dos mais celebrados diretores do cinema americano da segunda metade do século XX, intelectual de esquerda, fascinado e influenciado pelo cinema europeu, estreou no cinema com um western, The Left-Handed Gun, no Brasil Um de Nós Morrerá, de 1958. Ler Mais »

Pavor nos Bastidores / Stage Fright

Nota: ★★★★

Stage Fright, no Brasil Pavor nos Bastidores, de 1950, é da fase em que Alfred Hitchcock tinha assinado um contrato com a Warner Bros, depois de ter trabalhado para o produtor David O. Selznick, que o importou de Londres para Hollywood. Ler Mais »