O Demônio da Argélia / Pépé Le Moko

Nota: ★☆☆☆

Anotação em 2002: Tem tomadas fantasticamente belas, com jogos de luzes e sombras seguramente influenciados pelo expressionismo dos anos 20, recriando as ruas da Casbah, o velho bairro árabe de Argel. Mas a história é fraquinha, e o endeusamento do gângster interpretado por Jean Gabin, embora tenha sido tão adotado pelo cinema nas décadas seguintes – ou exatamente por isso mesmo – enche um pouco o saco. Continue lendo “O Demônio da Argélia / Pépé Le Moko”

Toni


Nota: ★½☆☆

Anotação em 2001: Interessante: não me lembro de ter lido em nenhum lugar que o Jean Renoir pode ser considerado um precursor do neo-realismo italiano. E certamente foi, como bem demonstra este filme de 1934: no humanismo forte, incontido; na quantidade de seqüências ao ar livre, nas ruas; no belo tratamento de gente humilde, pessoas comuns, do povo. Continue lendo “Toni”

My Fair Lady, Pigmalião e Nascida Ontem


Nota: ★★★★

Resenha na coluna O Melhor do DVD, no site estadao.com.br, em 2001: Além de contar bem histórias, os bons filmes costumam ser, eles próprios, personagens de histórias saborosas. É bem o caso dos três que estão no quadro desta semana – todos eles contando histórias de mulheres que passam por profundas transformações em função do que aprendem, a duras penas, através da convivência com homens por quem acabam se apaixonando, cada uma a seu jeito.  Continue lendo “My Fair Lady, Pigmalião e Nascida Ontem”

A Luz Que Se Apaga / The Light That Failed


Nota: ★★☆☆

Anotação em 2001: Melodramão meio bobo, meio naïf, sobre pintor inglês que, muitos anos depois de ter sido ferido na têmpora no Sudão, em uma das guerras coloniais de Sua Majestade (afinal, o filme se baseia em história de Kipling), fica cego, exatamente por causa daquele ferimento. Continue lendo “A Luz Que Se Apaga / The Light That Failed”

Aconteceu Naquela Noite, O Galante Mr. Deeds, Horizonte Perdido e A Mulher Faz o Homem


Nota: ★★★★

Resenha na coluna O Melhor do DVD, no site estadao.com.br, em 2000: Nos últimos meses, a Columbia TrisStar lançou quatro filmes de Frank Capra (1897-1991), um dos mais fascinantes diretores da história do cinema. São, os quatro, obras-primas, realizados nos anos 30, quando os Estados Unidos viviam sob o impacto da Grande Depressão e às vésperas da Segunda Guerra Mundial – e o cineasta estava em seu período dourado. Continue lendo “Aconteceu Naquela Noite, O Galante Mr. Deeds, Horizonte Perdido e A Mulher Faz o Homem”

Ricos e Estranhos / Rich and Strange


Nota: ★★☆☆

Anotação em 2000: A história é a pior coisa do filme – casal classe média de Londres, ele de saco cheio com a vidinha sem graça, ela feliz da vida, de repente ganha um monte de dinheiro, e sai pra viajar, conhecer o mundo; primeiro passa por Paris, depois pega um navio em Marselha rumo ao Canal de Suez e depois Cingapura. Continue lendo “Ricos e Estranhos / Rich and Strange”

A Queridinha do Vovô / Wee Willie Winkie


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 2000: Eu tinha começado a ver em outra zapeada, umas semanas antes, e tinha gostado da Shirley Temple, que, afinal, vi muito pouco na vida. Zapeando de novo, e vendo o final, não pude deixar de sentir que é imensa bobagem, e que, por mais que se esforçasse, mestre Ford não conseguiu tirar o ranço colonialista babaca da história. Continue lendo “A Queridinha do Vovô / Wee Willie Winkie”

O Juiz Priest / Judge Priest


Nota: ★★★☆

Anotação em 2000, com complemento em 2008: Aí já tem o talento do mestre John Ford, e muito de sua filosofia. Eu acho que eu não forcei a barra, ontem, ao dizer, escrevendo sobre O Último Hurrah, que o Juiz Priest (o grande Will Rogers) deste filme aqui tem um caráter muito parecido com o do personagem de Spencer Tracy no filme que o diretor faria décadas mais tarde, em 1958. Continue lendo “O Juiz Priest / Judge Priest”

Garota de Sorte / Easy Living


Nota: ★★½☆

Anotação em 2000, com complemento em 2008: Este filme aqui, assim como o que por coincidência vi dois dias atrás, Natal em Julho, são perfeitos exemplares de um tipo de cinema americano que se fazia na Grande Depressão – Frank Capra, que eu sempre conheci, mais esse Preston Sturges e esse Mitchell Leisen faziam estes fantásticos filmes mostrando o abismo social, os muito pobres e os riquérrimos, os ambientes de extremo luxo, o glamour que as pessoas buscavam na vida e só encontravam no cinema; o escapismo da miséria via sonho, já que na tela tudo é possível, a Cinderela existe ali na esquina. Claro que Capra tem mais camadas, mas esses dois senhores iam na cola dele, também. Continue lendo “Garota de Sorte / Easy Living”

A Oitava Esposa de Barba-Azul / Bluebeard’s Eighth Wife


Nota: ★★☆☆

Anotação em 1999, com complemento em 2008: Uma trama bem chegada no ridículo: multimilionário americano em viagem à França casa-se com francesa filha de marquês sem um tostão, e cria-se um embate à la A Megera Domada (que o personagem de Gary Cooper, aliás, lê para se inspirar), ela querendo demonstrar que o ama mas não quer ser tratada como uma mercadoria comprada. Continue lendo “A Oitava Esposa de Barba-Azul / Bluebeard’s Eighth Wife”