A Importância de Ser Honesto / The Importance of Being Earnest

Nota: ★★★☆

Há quem diga que The Importance of Being Earnest é a peça mais inteligente de Oscar Wilde – e o filme que o ótimo diretor inglês Anthony Asquith dirigiu em 1952, com o grande Michael Redgrave no papel de John Worthing, que se diz Ernest Worthing, é o melhor de todos os vários baseados na peça. Continue lendo “A Importância de Ser Honesto / The Importance of Being Earnest”

A Professora do Jardim de Infância / The Kindengarten Teacher

Nota: ★★☆☆

A Professora do Jardim de Infância/The Kindengarten Teacher abre de uma forma que não pode ser mais tipicamente cinema independente americano. E suas primeiras sequências, os primeiros 15 minutos, anunciam um filme instigante, interessante, fascinante. Continue lendo “A Professora do Jardim de Infância / The Kindengarten Teacher”

Rosa e Momo / La Vita Devanti a Sé

[rating;3]

O cinema e os cinéfilos devem agradecer a Edoardo Ponti pela oportunidade de ver Sophia Loren em um novo filme. La Vita Devanti a Sé, no Brasil Rosa e Momo, de 2020, vem após dez anos de seu longa-metragem anterior, La mia casa è piena di specchi, feito para a TV italiana. Durante estes dez anos, a atriz – essa lenda, uma das maiores estrelas destes 125 anos de História do cinema – apareceu apenas em um curta-metragem, Voce umana, de 2014 – também dirigido por Edoardo Conti. Continue lendo “Rosa e Momo / La Vita Devanti a Sé”

A Mulher Que Vendeu Sua Alma / En Kvinnas Ansikte

Nota: ★★★☆

Em 1938, um ano de ser importada para Hollywood pelo produtor David O. Selznick, Ingrid Bergman, o mais belo rosto que já passou diante de uma câmara de cinema, interpretou uma jovem mulher que teve a face desfigurada por uma horrível, gigantesca queimadura. Continue lendo “A Mulher Que Vendeu Sua Alma / En Kvinnas Ansikte”

Rojst

Nota: ★★★½

Rojst – a Netflix não se deu ao trabalho de traduzir a palavra de uma única vogal – é uma série policial polonesa, e das boas. Logo no primeiro dos cinco episódios, cada um em torno de 50 minutos, há um duplo assassinato. Os corpos de um figurão e uma jovem e bela prostituta são encontrados em uma floresta, com grandes, profundos cortes no pescoço, feitos com faca grande e afiadíssima. Continue lendo “Rojst”

Dama por um Dia / Lady for a Day

Nota: ★★★★

Dama por um Dia, que Frank Capra lançou em 1933, o quarto ano da Grande Depressão em que se afundaram os Estados Unidos, é um dos mais belos, ternos, envolventes contos de fada que já foram contados. É também provavelmente o filme mais otimista, positivo, believer desse cineasta excepcional que soube como nenhum outro injetar esperança nas platéias de cinema em um país varrido pelo desemprego, pela miséria. Continue lendo “Dama por um Dia / Lady for a Day”

O Assassino de Valhalla / The Valhalla Murders / Brot

Nota: ★★★☆

Na Islândia, aquela ilha gelada no Atlântico não muito longe do Pólo Norte, com 330 mil habitantes, a média de assassinatos é menor que dois por ano. O número exato é 1,8 homicídios em média a cada ano, desde 2002. O ano mais violento, de lá para cá, foi 2002, quando aconteceram quatro assassinatos. Continue lendo “O Assassino de Valhalla / The Valhalla Murders / Brot”

Os melhores filmes da década de 70

Eis aqui a lista dos melhores filmes da década de 70. São 226 obras, muitas delas assinadas por alguns dos melhores diretores da História – Akira Kurosawa, Alfred Hitchcock, Federico Fellini, François Truffaut, Ingmar Bergman, John Huston, Louis Malle, Luís Buñuel, Martin Scorsese, Rainer Werner Fassbinder, Robert Altman, Roman Polanski, Stanley Kramer, Woody Allen, entre outros. Continue lendo “Os melhores filmes da década de 70”

Intermezzo: Uma História de Amor

[rating;2.5]

A história é muito conhecida, das mais lendárias da Hollywood daqueles anos dourados entre 1930 e 1950: o todo-poderoso David O. Selznick assistiu ao filme sueco Intermezzo, feito em 1936, e resolveu importar a atriz de beleza faiscante, uma jovem então desconhecida nos Estados Unidos chamada Ingrid Bergman.     Continue lendo “Intermezzo: Uma História de Amor”