Não Amarás / Krotki Film o Milosci


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Um filme muito, muito triste, amargo, desesperançado. A moral seria mais ou menos assim: não amarás – ou então, caso ames, serás tragado pelo inferno da infelicidade, da solidão, da falta, da ausência, da privação. Ou ainda: o amor não é encontro, é necessariamente desencontro, frustração, vontade que não pode ser saciada. Ou ainda: o amor é sempre unilateral e nunca tem duas vias ao mesmo tempo. Continue lendo “Não Amarás / Krotki Film o Milosci”

Um Mundo Perfeito / A Perfect World


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996, com acréscimos em 2008: Acabamos meia hora atrás de ver, pela primeira vez, Um Mundo Perfeito, o primeiro filme de Clint Eastwood depois de Os Imperdoáveis. Que brilhantíssimo artista é esse cara. Que trajetória mais extremamente pessoal que ele carrega nas obras dele na maturidade. Que figura mais estranhamente multifacetada, que coisa mais difícil de se rotular, que enigma dentro do esquemão das grandes corporações. Continue lendo “Um Mundo Perfeito / A Perfect World”

A Mulher Infiel / La Femme Infidèle


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Claude Chabrol insiste, como vários de seus contemporâneos, em mostrar as vilanias da burguesia. Pega aqui uma família de posses (cuja origem do dinheiro nunca é mostrada), que mora numa bela propriedade num subúrbio de Paris, garoto de uns dez anos pouco delineado, mulher jovem, bonita e sensual (Stéphane Audran), marido (Michel Bouquet) mais velho, educado, polido, frio e nunca interessado em carinho ou sexo. Continue lendo “A Mulher Infiel / La Femme Infidèle”

Os Miseráveis / Les Misérables


Nota: ★★★★

Anotação em 1996: Lindo, emocionante, brilhante, inteligente, bem feito, com tudo da parte técnica absolutamente perfeito. Uma obra-prima, um tour-de-force, uma imensa beleza. Tudo bem, Lelouch é um dos meus cineastas preferidos, é um cineasta do meu coração, e sento numa poltrona de cinema diante de um filme dele não para julgar, mas para me entregar à beleza e à emoção. Continue lendo “Os Miseráveis / Les Misérables”

Minha Mãe é uma Sereia / Mermaids


Nota: ★★★½

Resenha para a revista Bárbara, em 1996: “Vocês não vieram com manual de instruções”, diz a mãe para a filha adolescente em Minha Mãe é Uma Sereia/Mermaids, 1990. É verdade que o personagem da mãe, interpretada por Cher, aquela ex-cantora e atriz conhecida por aparecer em entregas de Oscar com as roupas mais exóticas que se poderia imaginar, não é o protótipo do que é tido como uma “boa mãe”. Ao contrário. Continue lendo “Minha Mãe é uma Sereia / Mermaids”

Minha Secretária / Nélly et Monsieur Arnaud


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Acerta na mosca o Jean Tulard no Dicionário de Cinema dele quando diz que os filmes de Sautet, sempre interpretados pela mesma equipe de atores (Michel Piccoli, Yves Montand, Romy Schneider), sempre com música de Philippe Sarde, se fixam nos meios abastados da capital francesa e pegam os mesmos personagens, “suas dores do coração e suas dificuldades financeiras”. Continue lendo “Minha Secretária / Nélly et Monsieur Arnaud”

Os Ladrões / Les Voleurs


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Ótimo, ótimo filme. Depois de Minha Estação Preferida/Ma Saison Preferé, Téchiné reúne novamente Catherine Deneuve e Daniel Auteil, de novo falando de família. No filme anterior os dois grandes atores eram irmãos; aqui, são rivais, disputando o amor de uma jovem ladra (Laurence Cote, impressionante). Ele é policial, ela é professora de filosofia. Continue lendo “Os Ladrões / Les Voleurs”

Julgamento Final / Class Action


Nota: ★★★☆

Resenha para a revista Bárbara, em 1996:Julgamento Final vai bem fundo nos conflitos entre homens e mulheres na vida profissional – assim como na dimensão da coragem da mulher. Aqui, os profissionais que se enfrentam em campos opostos são filha e pai, carregando um passado cheio de profundas mágoas. Continue lendo “Julgamento Final / Class Action”

Jack


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Em entrevistas, Coppola disse que este filme não tem nada de pessoal, dele; que é um projeto industrial. Me lembro de ter lido uma entrevista em que ele dizia esperar que o filme fizesse sucesso porque isso o ajudaria a ter condições de, no futuro, fazer um filme pessoal. OK – não é um grande filme. Mas é muito bom. Continue lendo “Jack”

A História de um Jovem Homem Pobre / Romanzo di un Giovane Povero


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Um Scola triste, depressivo, pesado, sombrio, sobre o desemprego e a vida sem glamour algum num bairro classe média baixa de uma grande cidade. É a história de um Vincenzo (Ravello), filho único de um pequeno comerciante que ao morrer deixa pequena pensão. Formado na universidade, em filosofia, ele concorre a todos os empregos possíveis, mas não encontra nenhum. Continue lendo “A História de um Jovem Homem Pobre / Romanzo di un Giovane Povero”

O Homem das Estrelas / L’Uomo delle Stelle


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Uma beleza emocionante. O filme rompe aquela estrutura normal das tragicomédias em que a gente começa rindo e aos poucos vai deixando de rir e vai ficando amargurado. É dividido em dois tempos distintos, e a passagem da comédia para a tragédia se dá de repente, num momento só, o momento em que Joe Morelli cruza pela segunda vez com o carabinieri, agora tornado delegado, e é preso, espancado pela máfia e na saída da prisão encontra a Beata louca.

Mas vamos por partes.   Continue lendo “O Homem das Estrelas / L’Uomo delle Stelle”

Guantanamera


Nota: ★★★½

Anotação em 1996: Uma delícia, tão bom, competente e bem feito quanto o anterior da dupla de diretores cubanos, Morango e Chocolate. (Alea morreu em abril deste ano, 1996.) É igualmente crítico dos erros do regime cubano, mas com uma crítica feita com amor e simpatia. A rigor, é ainda mais crítico que o anterior, é mais contudente no ataque à rigidez do regime, à incapacidade do regime de se adaptar, abrir brechas na estrutura imutável desde 1960. Continue lendo “Guantanamera”