Pasolini – Um Delito Italiano / Pasolini: Un Delitto Italiano


Nota: ★★★½

Anotação em 1997: Um grande filme, pesadíssimo, duríssimo. Extremamente bem feito, com muito domínio técnico, grande respeito pela figura de Pier Paolo Pasolini e ódio pelos fascistas que, segundo a tese que defende, usaram mafiosos para assassinar e calar o cineasta e poeta, em 1975. Continue lendo “Pasolini – Um Delito Italiano / Pasolini: Un Delitto Italiano”

Para Roseanna / For Roseanna


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 1997: O filme é ruim, mas é ruim demais. O personagem principal, Marcello, um italiano interpretado pelo francês Jean Reno falando em italiano, é absolutamente caricatural, grotesco. O pobre Reno, normalmente bom ator, está absolutamente perdido, fazendo gestos absurdos, sem sentido; mais caricato seria impossível. Continue lendo “Para Roseanna / For Roseanna”

O Padre / Priest


Nota: ★★★★

Anotação em 1997: Um grande filme. Um filme corajoso, profundamente progressista, anti-establishment, antipreconceitos de todos os tipos. Não é um filme contra a Igreja Católica – embora seguramente 95% da hierarquia católica deva considerá-lo assim. Nem muito menos anticristão. É anti-hierarquia, anti o que a máquina da Igreja criou em torno dos preceitos básicos da religião. Continue lendo “O Padre / Priest”

Não Esqueça que Você Vai Morrer / N’Oublie pas que Tu Vas Mourir


Nota: ½☆☆☆

Anotação em 1997: Ganhou Grande Prêmio do Júri e o Prêmio Jean Vigo em Cannes em 1995. Talvez eu esteja ficando velho e careta; talvez se eu visse, digamos, Easy Rider hoje pela primeira, e não aos 18 anos, tivesse detestado. Mas achei o filme pretensioso e chato. Muito pretensioso e muito chato. Nada transmite sinceridade, honestidade; tudo é artificial, gratuito. Continue lendo “Não Esqueça que Você Vai Morrer / N’Oublie pas que Tu Vas Mourir”

Mistério na Neve / Smilla’s Sense of Snow


Nota: ★★½☆

Resenha para a Agência Estado, em 1997: Mistério na Neve tem dois pontos excelentes. O primeiro é a abertura do filme, a seqüência inicial. (Como diriam os jornalistas, o lead. O lead, o primeiro parágrafo de um texto, tem que ser atraente, fisgar o leitor, fazê-lo se interessar pelo assunto.) O lead do diretor Bille August é absolutamente brilhante. Continue lendo “Mistério na Neve / Smilla’s Sense of Snow”

Kolya – Uma Lição de Amor / Kolja


Nota: ★★★★

Anotação em 1997: Uma beleza grande, imensa, uma puta sensibilidade. Conta-se uma bela história de uma criança despertando emoções e generosidade insuspeitadas em um homem maduro de 55 anos; mas conta-se, com ela, junto com ela, atrás dela, ou sobretudo, a história política do subjugado diante do representante do imperialismo. Continue lendo “Kolya – Uma Lição de Amor / Kolja”

A Isca / L’Appat


Nota: ★★☆☆

Anotação em 1997: A caixinha do filme diz que o filme ganhou o Urso de Ouro em Berlim, 1995. No Festival de Gramado, ganhou melhor atriz e melhor montagem. Acho muito incenso, desproporcional ao que o filme é – mais um filme francês mostrando as barreiras sociais e como os jovens da classe média e média-alta são amorais, ambiciosos, egoístas, sem qualquer tipo de valor moral. Continue lendo “A Isca / L’Appat”

Filhos da Natureza / Börn Náttúrunnar


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997: A maior surpresa é ver um filme da Islândia. Seguramente foi a primeira vez – e não sei se haverá muitas oportunidades. Coisa maluca, um país gelado de 250 mil habitantes, menos que Jundiaí, menos que o meu bairro – e sem miséria, com educação e saúde pra todo mundo. Continue lendo “Filhos da Natureza / Börn Náttúrunnar”

Entre o Inferno e o Profundo Mar Azul / Between the Devil and the Deep Blue Sea


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997: O filme é sensível, sobre o encontro de um homem infeliz, inteiramente perdido na vida, com uma garotinha pobre, mendiga, criada no lumpen, e no entanto cheia de força, fé e esperança. Ele é um marinheiro, num navio que chega a Hong Kong; ela se oferece para trabalhar em navios em troca de dinheiro e comida. Continue lendo “Entre o Inferno e o Profundo Mar Azul / Between the Devil and the Deep Blue Sea”

Caro Diário / Caro Diario


Nota: ★½☆☆

Anotação em 1997: Nanni Moretti ganhou o prêmio de melhor direção em Cannes 1994 por este filme. Bem, o filme, que me tinha sido tão especialmente recomendado, bem o filme, não sei, não. É uma coisa minimalista. Mínimo de história, mínimo de situações, mínimo de piadas, mínimo de gente envolvida – Moretti escreveu, atuou, dirigiu. Em minimalismo, prefiro o Jarmusch de Downbylaw. Continue lendo “Caro Diário / Caro Diario”

Caindo no Ridículo / Ridicule


Nota: ★★★★

Anotação em 1997: Uma bela e total surpresa. É um drama, e denso, bastante denso, sério, inteligente, sensível. Acho que a melhor forma de fazer uma resenha seria dizer que é um filme sobre como manter os princípios morais em uma sociedade em que é difícil manter os princípios morais, e em que para se conseguir realizar o bem que se pretende é preciso fingir que se está abrindo mão dos próprios princípios que se quer manter. Continue lendo “Caindo no Ridículo / Ridicule”