O Céu de Lisboa / Lisbon Story


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Virou moda: a cada novo filme de Wim Wenders, a crítica desce o pau. Foi assim com Até o Fim do Mundo, foi assim com Tão Longe, Tão Perto, a continuação de Asas do Desejo, que eu perdi, e agora com este Lisbon Story. A crítica que vá à merda. O filme prossegue na catilinária de Wenders sobre a banalização das imagens, mas é um belo – embora propositadamente lento e sem qualquer ação, mas cheio de monólogos – manifesto de amor ao cinema no ano do seu centenário, à Europa unificada, à interligação entre culturas diferentes. Continue lendo “O Céu de Lisboa / Lisbon Story”

Caros F… Amigos / Cari Fottutissimi Amici


Nota: ★★½☆

Anotação em 1996: Engraçadíssima e amarga comédia do velho Monicelli, tendo como pano de fundo a Itália entre a chegada das tropas aliadas, em 1943, e o final da guerra. É um road-movie à la italiana, como As Aventuras do Capitão Tornado, de Scola (que em momentos faz lembrar outro road-movie à latina, Bye, Bye Brasil). Continue lendo “Caros F… Amigos / Cari Fottutissimi Amici”

A Guerra de um Homem Só / One Man’s War


Nota: ★★☆☆

Anotação em 1995, com complemento em 2008: Este filme é bem um exemplo de que o inferno está de fato cheio de boas intenções. Os gringos querem mostrar um saudável exemplo da luta contra uma ditadura de direita lá no cu do quinto mundo. (Trata-se especificamente do Paraguai; nada de disfarces do tipo “algum país da América do Sul”; tudo explícito, com nome do Stroessner, com aviso de cara que é história real.) Continue lendo “A Guerra de um Homem Só / One Man’s War”

Coronel Chabert / Le Colonel Chabert


Nota: ★★★½

Anotação em 1995, com complemento em 2008: Uma beleza espantosa, emocionante. A história, escrita por Balzac, é riquíssima, os personagens são fortes, bem delineados – e os diálogos, de Jean Cosmon, são brilhantes. Com produção requintada, reconstituição de época cuidadosa, Yves Angelo, que vinha de experiência como diretor de fotografia (é dele, por exemplo, a fotografia de Todas as Manhãs do Mundo), criou em seu filme de estréia na direção imagens belíssimas, ao som de músicas de Beethoven, Mozart, Scarlatti, Schubert e Schuman.   Continue lendo “Coronel Chabert / Le Colonel Chabert”

Daens – Um Grito de Justiça / Daens


Nota: ★★★☆

Anotação em 1995: Belo filme, pesado e triste como a miséria, com narrativa bem tradicional, mas tudo funcionando bem. Foi indicado para o Oscar de filme estrangeiro (perdeu para Indochina, de Régis Wargnier), apesar de ser deliciosamente fora de época, remando contra os ventos liberais (em termos econômicos, não sociais ou comportamentais) pós-queda do muro e fim do comunismo. Continue lendo “Daens – Um Grito de Justiça / Daens”

Anna dos 6 aos 18 / Anna: Ot shesti do vosemnadtsati


Nota: ★★★☆

Anotação em 1995: A idéia em si já é brilhante: Nikita Mikhalkov mostra a evolução de sua filha Anna dos 6 aos 18 anos – e, paralelamente, a história da União Soviética durante esse período. Foram 13 anos, portanto, para completar o filme. Uma vez por ano, ao longo de 12 anos, ele filma a filha e lhe pergunta o que ela mais ama, o que ela mais odeia, o que ela teme. Fez uma história dos últimos anos do império soviético até sua explosão. Continue lendo “Anna dos 6 aos 18 / Anna: Ot shesti do vosemnadtsati”

Nascido para Matar / Full Metal Jacket


Nota: ★★★★

Texto publicado na revista Afinal de 19 de janeiro de 1988: O recruta Joker é o único dos membros de sua turma que ousa tentar reagir à enxurrada de ordens e impropérios com que o sargento instrutor se apresenta, logo no início dos treinamentos – mas, até por isso mesmo, é promovido a líder do grupo e, na prática, entrega-se à lavagem cerebral imposta a todos os futuros fuzileiros navais. Mais tarde, no Vietnã, é capaz de manter um aguçado espírito crítico e uma boa dose de humanidade – mas, ao mesmo tempo, se diz entediado quando passa um dia sem ver sangue. Continue lendo “Nascido para Matar / Full Metal Jacket”

Uma Janela para o Amor / A Room With a View


Nota: ★★★½

Texto publicado na revista Afinal de 24 de março de 1987: Poderia perfeitamente passar na TV às 6 da tarde, o horário das novelas ingênuas e adocicadas para velhinhas e crianças. As senhoras de Santana e a afiada tesoura da velhíssima censura não teriam nada a opor. É tudo absolutamente recatado, dentro dos mais rígidos padrões da moral e dos bons costumes. Continue lendo “Uma Janela para o Amor / A Room With a View”