Os 7 de Chicago / The Trial of the Chicago 7

Nota: ★★★★

Tudo, absolutamente tudo em The Trial of the Chicago 7, no Brasil Os 7 de Chicago, é brilhante – e/ou importante. A partir do fato histórico que ele retrata – os graves, sangrentos conflitos entre a polícia de Chicago e a multidão de manifestantes, quase todos jovens estudantes, que se reuniu na cidade durante a Convenção Nacional do Partido Democrata em agosto de 1968. Continue lendo “Os 7 de Chicago / The Trial of the Chicago 7”

Desonrada / Dishonored

Nota: ★☆☆☆

Na primeira sequência de Desonrada, de 1931, Marlene Dietrich levanta a saia até um pouquinho acima do joelho direito, e dá uma acertadinha na liga que segura a meia de nylon em sua coxa – uma das duas coxas que ela havia mostrado amplamente um ano antes em várias, várias sequências de O Anjo Azul, o filme que a havia transformado em grande estrela e fez com que Hollywood a importasse. Continue lendo “Desonrada / Dishonored”

Terra do Sonho Distante / America America

Nota: ★★★★

America America, no Brasil Terra do Sonho Distante, é o preferido do seu realizador, o grande, imenso, gigantesco Elia Kazan (1909-2003). Kazan fez poucos filmes, se compararmos com outros realizadores: apenas 19 longa-metragens, ao longo de 31 anos de carreira. Poucos – mas vários deles são obras-primas. Continue lendo “Terra do Sonho Distante / America America”

O Estranho Que Nós Amamos / The Beguiled

Nota: ★☆☆☆

Desde sempre, desde seu primeiro longa como diretora, As Virgens Suicidas (1999), Sofia Coppola caiu nas graças dos críticos e dos jurados dos festivais de cinema mundo afora. Já recebeu 58 prêmios, inclusive um Oscar pelo roteiro original de Encontros e Desencontros (2003), fora outras 79 indicações. Continue lendo “O Estranho Que Nós Amamos / The Beguiled”

A Um Passo da Eternidade / From Here to Eternity

Nota: ★★★★

A Um Passo da Eternidade é um raro caso de absoluta unanimidade. Não se tem notícia de alguém que não tenha respeito, admiração, pelo filme. O reconhecimento é amplo, geral, irrestrito – e foi imediato. Foi o terceiro filme de maior bilheteria nos Estados Unidos no ano de seu lançamento, 1953, oito anos após o fim Segunda Guerra Mundial sobre a qual ele trata. Continue lendo “A Um Passo da Eternidade / From Here to Eternity”

Dorothy Dandridge – O Brilho de uma Estrela / Introducing Dorothy Dandrige

Nota: ★★★☆

Em 1999, quando se completavam 34 anos da morte extremamente prematura de Dorothy Dandridge, a diretora Martha Coolidge realizou para a HBO uma cinebiografia da bela atriz e cantora, Introducing Dorothy Dandrige, que no Brasil ganhou o título de Dorothy Dandridge – O Brilho de uma Estrela. Continue lendo “Dorothy Dandridge – O Brilho de uma Estrela / Introducing Dorothy Dandrige”

A Professora do Jardim de Infância / The Kindengarten Teacher

Nota: ★★☆☆

A Professora do Jardim de Infância/The Kindengarten Teacher abre de uma forma que não pode ser mais tipicamente cinema independente americano. E suas primeiras sequências, os primeiros 15 minutos, anunciam um filme instigante, interessante, fascinante. Continue lendo “A Professora do Jardim de Infância / The Kindengarten Teacher”

A Mulher Que Vendeu Sua Alma / En Kvinnas Ansikte

Nota: ★★★☆

Em 1938, um ano de ser importada para Hollywood pelo produtor David O. Selznick, Ingrid Bergman, o mais belo rosto que já passou diante de uma câmara de cinema, interpretou uma jovem mulher que teve a face desfigurada por uma horrível, gigantesca queimadura. Continue lendo “A Mulher Que Vendeu Sua Alma / En Kvinnas Ansikte”

Dama por um Dia / Lady for a Day

Nota: ★★★★

Dama por um Dia, que Frank Capra lançou em 1933, o quarto ano da Grande Depressão em que se afundaram os Estados Unidos, é um dos mais belos, ternos, envolventes contos de fada que já foram contados. É também provavelmente o filme mais otimista, positivo, believer desse cineasta excepcional que soube como nenhum outro injetar esperança nas platéias de cinema em um país varrido pelo desemprego, pela miséria. Continue lendo “Dama por um Dia / Lady for a Day”

Intermezzo: Uma História de Amor

[rating;2.5]

A história é muito conhecida, das mais lendárias da Hollywood daqueles anos dourados entre 1930 e 1950: o todo-poderoso David O. Selznick assistiu ao filme sueco Intermezzo, feito em 1936, e resolveu importar a atriz de beleza faiscante, uma jovem então desconhecida nos Estados Unidos chamada Ingrid Bergman.     Continue lendo “Intermezzo: Uma História de Amor”