Razão e Sensibilidade / Sense and Sensibility


Nota: ★★★½

Anotação em 1996: O filme ganhou o Urso de Ouro em Berlim e os Globo de Ouro de Filme e Roteiro. Teve sete indicações para o Oscar, e levou o de melhor roteiro adaptado, de autoria de Emma Thompson, essa atriz absolutamente brilhante. É um grande prazer para os olhos, visualmente uma pérola, cenografia e fotografia esplêndidas, elenco excelente – com superlativos para Emma e para Kate Winslet. Continue lendo “Razão e Sensibilidade / Sense and Sensibility”

Paixão Bandida / Feeling Minnesota


Nota: ½☆☆☆

Anotação em 1997: Meia estrela, a pior cotação possível – embora tenha uma apresentação interessante, trilha sonora que começa com Johnny Cash cantando Ring of Fire e fecha com nada menos que Bob Dylan cantando a mesma música em gravação que eu desconhecia, e tenha tido apoio do Sundance, o instituto criado por Robert Redford que é grande incentivador do cinema independente americano. Continue lendo “Paixão Bandida / Feeling Minnesota”

Um Mundo Perfeito / A Perfect World


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996, com acréscimos em 2008: Acabamos meia hora atrás de ver, pela primeira vez, Um Mundo Perfeito, o primeiro filme de Clint Eastwood depois de Os Imperdoáveis. Que brilhantíssimo artista é esse cara. Que trajetória mais extremamente pessoal que ele carrega nas obras dele na maturidade. Que figura mais estranhamente multifacetada, que coisa mais difícil de se rotular, que enigma dentro do esquemão das grandes corporações. Continue lendo “Um Mundo Perfeito / A Perfect World”

Minha Mãe é uma Sereia / Mermaids


Nota: ★★★½

Resenha para a revista Bárbara, em 1996: “Vocês não vieram com manual de instruções”, diz a mãe para a filha adolescente em Minha Mãe é Uma Sereia/Mermaids, 1990. É verdade que o personagem da mãe, interpretada por Cher, aquela ex-cantora e atriz conhecida por aparecer em entregas de Oscar com as roupas mais exóticas que se poderia imaginar, não é o protótipo do que é tido como uma “boa mãe”. Ao contrário. Continue lendo “Minha Mãe é uma Sereia / Mermaids”

Julgamento Final / Class Action


Nota: ★★★☆

Resenha para a revista Bárbara, em 1996:Julgamento Final vai bem fundo nos conflitos entre homens e mulheres na vida profissional – assim como na dimensão da coragem da mulher. Aqui, os profissionais que se enfrentam em campos opostos são filha e pai, carregando um passado cheio de profundas mágoas. Continue lendo “Julgamento Final / Class Action”

Jack


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Em entrevistas, Coppola disse que este filme não tem nada de pessoal, dele; que é um projeto industrial. Me lembro de ter lido uma entrevista em que ele dizia esperar que o filme fizesse sucesso porque isso o ajudaria a ter condições de, no futuro, fazer um filme pessoal. OK – não é um grande filme. Mas é muito bom. Continue lendo “Jack”

Fargo


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: O filme é baseado em fatos reais, nos avisam os irmãos Coen logo de cara – embora seja uma mentira. Parece ter saído da cabeça de um escritor de livros policiais, tipo Um Plano Simples. Se fosse uma história real, seria mais uma prova de que vida e arte nos Estados Unidos espelham a mesma realidade: uma sociedade rica, a mais rica do planeta, e inteiramente ensandecida, em que, por um pouco de dinheiro, se matam pessoas – sete, no caso específico – com a mesma facilidade com que se matam baratas. Continue lendo “Fargo”

Desafio no Bronx / A Bronx Tale


Nota: ★★★★

Anotação em 1996: No seu primeiro filme como diretor, De Niro fala de temas que estão em alguns de seus grandes filmes como ator, como Era Uma Vez na América, Bons Companheiros, Mean Streets: crescer nos bairros de Nova York em meio aos gângesters e à violência. E se revela um diretor talentoso. Mais do que isso, se revela um diretor sensível, sério, mais interessado no interior dos personagens que em ação. O fato de ter escolhido a história de Palminteri já é prova disso. Mas no trabalho de direção ele evidencia, o tempo todo, essa opção preferencial pelo mais importante – mesmo indo contra as regras da bilheteria. Continue lendo “Desafio no Bronx / A Bronx Tale”

Copycat – A Vida Imita a Morte / Copycat


Nota: ★★★½

Anotação em 1996: Um bom, competente thriller. Alguém disse que é o melhor thriller americano desde O Silêncio dos Inocentes. Pois, olha, acho que é mesmo. Redondinho, inteligente, bem up-to-date, com muita computação e internet. Logo no começo do filme, com uns dez minutos de ação, o cara faz um plano seqüência de quase três minutos – a policial intepretada por Holly Hunter entrando numa casa cena de crime, andando por vários aposentos, passando por várias pessoas – que define competência, talento. Continue lendo “Copycat – A Vida Imita a Morte / Copycat”

Caminhos Mal Traçados / The Rain People


Nota: ★★½☆

Anotação em 1996: Esta obra do jovem Francis Ford Coppola, que eu não conhecia nem de ouvir falar, é um dos primeiros longa-metragens dele como diretor. Antes, ele havia feito Agora Você é um Homem/You’re a big boy now (também com a mesma boa atriz, Shirley Knight, uma comédia sobre o início da influência da contracultura, uma espécie de versão nova-iorquina de A Primeira Noite de um Homem/The Graduate), e O Caminho do Arco-Íris/Finian’s Rainbow (em que resolveu se aventurar no musical, com o já velho Fred Astaire e a cantora inglesa Petula Clark). Neste aqui, de 1969, Coppola se antecipa em três décadas aos road-movies feministas, Thelma & Louise e os demais. Continue lendo “Caminhos Mal Traçados / The Rain People”

Os Irmãos McMullen / The McMullen Brothers

Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Uma bela surpresa. O filme, independente, dirigido por um garoto estreante de 28 anos com orçamento de US$ 25 mil, chegou ao Sundance Festival, promovido por Robert Redford, e ganhou o Grande Prêmio da Crítica. Por causa do sucesso (faturou US$ 10 milhões e foi proporcionalmente o filme mais rentável do ano), Edward Burns já fez um segundo filme, com orçamento de US$ 3,5 milhões. Continue lendo “Os Irmãos McMullen / The McMullen Brothers”