Esqueça Paris / Forget Paris


Nota: ★★★☆

Anotação em 1997: Uma bela comédia romântica – uma comédia romântica que é cômica, é romântica, e é inteligente, extremamente inteligente. Billy Crystal bebe descaradamente em Harry e Sally – Feitos um para o Outro/When Harry Met Sally…, de Rob Reiner, em que ele trabalhou ao lado da gracinha de Meg Ryan e que por sua vez bebia descaradamente em Woody Allen. Continue lendo “Esqueça Paris / Forget Paris”

O Diabo Veste Azul / Devil in a Blue Dress


Nota: ★★★☆

Anotação em 1997: Um bom film noir, com todo o clima dos romances de Dashiell Hammett e Raymond Chandler, alguns filmes de Howard Hawks, ou que Welles procurou em A Marca da Maldade, e Polanski recriou com brilho em Chinatown. Aliás, como em Chinatown, a ação se passa em Los Angeles, basicamente nos guetos e bairros só negros da Los Angeles de 1948. Continue lendo “O Diabo Veste Azul / Devil in a Blue Dress”

De Bem com a Vida / Unhook the Stars


Nota: ★★★☆

Resenha para a Agência Estado, em 1997: O pai, John Cassavetes, foi o primeiro grande diretor americano a fazer filmes longe do esquema dos grandes estúdios no final dos anos 50. Foi endeusado pela crítica, especialmente a européia – embora, para o grande público, seja mais lembrado pelo principal papel masculino de O Bebê de Rosemary, de Roman Polanski. O cinema americano deve cada vez mais aos diretores que seguiram os passos de John Cassavetes e fazem filmes independentes. Continue lendo “De Bem com a Vida / Unhook the Stars”

O Coração da Justiça / The Heart of Justice


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997: Foi feito para a TV, leva a marca Turner e é uma produção da Amblin Television (é bom lembrar que o Bruno Barreto é casado com a Amy Irving, ex-sra. Spielberg). Leonard Maltin diz no seu guia que é acima da média das produções para a TV. Foi o último filme de Vincent Price, e esse ator Keith Reddin, de quem nunca tinha ouvido falar, é o autor do roteiro para uma série da televisão americana chamada Screenworks. Continue lendo “O Coração da Justiça / The Heart of Justice”

Colcha de Retalhos / How To Make An American Quilt


Nota: ★★★☆

Anotação em 1997: Um belo filme, nessa bem-vinda tradição dos filmes de alma feminina e olhar feminino do mundo, tipo Tomara que Seja Mulher, do Monicelli, da Excêntrica Família de Antônia, e, nos Estados Unidos, de Tomates Verdes Fritos, Spitfire Grill e O Clube da Felicidade e da Sorte. No elenco, cheio de grandes atrizes hoje entre os 50 e 60 anos, assim como na história, os homens são coadjuvantes; a diretora, as produtoras, a autora do livro e a roteirista são mulheres. Continue lendo “Colcha de Retalhos / How To Make An American Quilt”

Coisas Para Você Fazer em Denver Quando Está Morto / Things to do in Denver When You’re Dead


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997: Um filme feito com inegável talento. O diretor deve ser novo; não consta do Cinemania 95. (O diretor Gary Fleder nasceu em 1965; estava, portanto, com 30 anos quando fez este filme, seu primeiro longa-metragem.) Lá pelo meio, achei que poderia ser um grande filme. Não chega a tanto; enrola-se um pouco na história e no excesso de violência. Continue lendo “Coisas Para Você Fazer em Denver Quando Está Morto / Things to do in Denver When You’re Dead”

Ciladas da Sorte / Albino Alligator


Nota: ★★★☆

Anotação em 1997: Um bom filme sobre violência que é violento mas é contra a violência, não bebe nela nem a alimenta. Ao contrário: a denuncia. O roteiro e a câmara – ao contrário do que normalmente se faz nesse tipo de filme no cinema americano – preservam o espectador dos detalhes mais sórdidos, mais chocantes. Em geral, a regra é mostrar em detalhe, se possível em câmara lenta e close up. Assim é o jogo. Peckinpah estabeleceu parte das regras; a onda veio crescente e firme nesse sentido. Continue lendo “Ciladas da Sorte / Albino Alligator”

As Bruxas de Salem / The Crucible


Nota: ★★★★

Anotação em 1997: Estupendo filme. Como eu não conhecia o texto da peça – só sabia que tinha sido escrita como uma metáfora sobre o macarthismo -, foi uma surpresa total. Mas é um filme que tem que ser visto mais de uma vez. Desta primeira, a força do texto, e as óbvias referências ao macarthismo, atraíram boa parte da minha atenção. Mas o filme é todo extraordinário, não só pela beleza das palavras. Continue lendo “As Bruxas de Salem / The Crucible”

Brincando de Seduzir / Beautiful Girls


Nota: ★★½☆

Anotação em 1997: O filme demora um pouco a mostrar a que veio. Começa como mais um desses filminhos banais e sem graça e sem inteligência sobre um grupo de jovens de cidade pequena do interior. Depois engrena, vai mostrando, com alguma sensibilidade, os problemas afetivos e as dificuldades de relacionamento entre as mulheres e os homens do grupo. Acaba discutindo a fixação dos homens (ou de boa parte deles) pelas mulheres especialmente bonitas, e a óbvia verdade de que o ser humano é maior que a beleza. Continue lendo “Brincando de Seduzir / Beautiful Girls”

Atos de Amor / Carried Away


Nota: ★★★☆

Anotação em 1997: Este filme americano do carioca Bruno Barreto começa com uma cena em P&B, obviamente uma cena do passado: um garotinho, Joey, cai de um trator. Corta, e vemos Joey (Dennis Hopper) adulto, maduro, quase 50 anos de idade, sendo acordado pela mãe, para ordenhar as vacas. Corta, e vemos, numa panorâmica, feita numa grua, pessoas chegando de manhã a uma escola rural; Joey é um deles; de outro carro chega uma mulher madura com seu filho adolescente; Joey a cumprimenta, cumprimenta o garoto, entram na escola. Continue lendo “Atos de Amor / Carried Away”

Armadilha Selvagem / In the Gloaming


Nota: ★★★★

Anotação em 1997: Um show de sensibilidade, de seriedade. Todos nós espectadores poderíamos estar a favor do filme por ele ser a estréia de Christopher Reeve, o Super-Homem dos anos 70 e 80 na direção depois do acidente trágico que o transformou em paralítico. Mas não é por aí. É que o texto é brilhante, corretíssimo, e o filme de fato esbanja sensibilidade. E que beleza de elenco. Continue lendo “Armadilha Selvagem / In the Gloaming”

O Destino de uma Vida / Losing Isaiah


Nota: ★★★☆
Anotação em 1997, com complemento em 2008: Um belo filme. Um belo filme, adulto, sério, discutindo de uma forma muito boa, muito aberta, muito sensível, um tema polêmico, difícil: a adoção, e a questão de quem merece ficar com a criança, quando a mãe biológica se arrepende de ter abandonado o filho e o quer de volta. E tendo como pano de fundo o arraigado, fortíssimo, violento racismo da sociedade americana e a onda atual do politicamente correto. Continue lendo “O Destino de uma Vida / Losing Isaiah”

As Pontes de Madison / The Bridges of Madison County


Nota: ★★★★

Anotação em 1996: Um filme absolutamente extraordinário. Depois de vê-lo, me ocorre uma comparação que poderá parecer absurda para muita gente: acho que Clint Eastwood é hoje o diretor de maior sensibilidade do cinema – para falar das sensações, das emoções dos homens. Depois de velho, Clint Eastwood ocupou o lugar que era de François Truffaut. Continue lendo “As Pontes de Madison / The Bridges of Madison County”